Seu navegador não supoerta scripts

Busca

 

Curso a Distância - Redução do consumo de água em edificações

Curso a Distância - Eficiência Energética em Edifícios

Curso a Distância - Arquitetura Corporativa

Curso a Distância - Terra Crua

Curso a Distância - Arquitetura Acessível x Barreiras Arquitetônicas e Culturais

 

Artigos

 



Catálogo de Produtos Inclusivos

 

Acompanhe-nos

Facebook   Facebook

 

 

Em Patologias da construção (veja mais 22 artigos nesta área)

por Engº Sergio Botassi dos Santos

Fissuração do Concreto devido às Tensões de Origem Térmica: Como evitá-la?



Com o advento da verticalização cada vez mais significativa das edificações surgem também grandes desafios para as estruturas de concreto, com destaque para as fundações.

Em grandes edifícios é muito comum se deparar com fundações continuamente mais robustas, onde enormes blocos de coroamento, radiers e sapatas com dimensões avantajadas exigem cuidados especiais tanto do projetista, como do responsável técnico da obra. A elevada inércia desses blocos são decorrentes dos seus significativos volumes lançados de concreto, demandando especial atenção antes, durante e depois da concretagem.



Já é conhecido no meio técnico, como no capítulo do livro publicado pelo autor deste artigo, que elevados volumes de concreto quando lançados em curto intervalo de tempo pode elevar significativamente a temperatura da fundação, em decorrência do calor emanado da hidratação do cimento e ainda da reação advinda de outras adições. Esse calor tende a se acumular significativamente no maciço a ponto das tensões oriundas desta elevação de temperatura ultrapassarem a resistência mecânica do concreto.

O que se percebe nos dias atuais é que ainda em grande parte dessas fundações com volumes avantajados estão sendo executadas as concretagens de forma equivocada, adotando-se as mesmas técnicas dedicadas a uma fundação convencional, o que é um grande erro. O efeito das tensões geradas pelo calor exalado durante e após a concretagem pode provocar preocupantes fissuras capazes de seccionar uma sapata.

Desta forma, torna-se imprescindível planejar adequadamente por meio de um especialista o processo da concretagem, incluindo: ajuste do traço do concreto, definição das formas de lançamento (período do dia, execução em camadas, cura diferenciada, etc.), podendo chegar a estabelecer a pré ou pós-concretagem (mistura de água resfriada ou gelo em escamas no concreto fresco; e circulação de água em serpentinas internas ao concreto depois de lançado, respectivamente). Estes processos de resfriamento possuem a função de extrair o excesso de calor gerado nas primeiras idades do concreto a fim de reduzir as tensões térmicas e, consequentemente, o risco de fissuração.

É lógico que esses processos de resfriamento forçado são soluções mais sofisticadas e requerem maior investimento, muito embora o custo/benefício tem demonstrado ser cada vez mais interessante quando as fundações envolvem vultuosos volumes de concreto em uma mesma peça estrutural (acima de 100m3), além do restrito tempo de execução da concretagem.

Por outro lado, em muitos casos as soluções podem ser de menor custo, contanto que haja o auxílio de um especialista para estudar a alternativa de melhor viabilidade técnica e econômica que o caso requer. Algumas ações são elencadas a seguir:

Seleção dos materiais que compõem o concreto: substituição parcial do cimento por adições minerais, uso de agregado com menor módulo de elasticidade, utilização de aditivos superplastificantes para aumento da eficiência do concreto, reduzindo o consumo de cimento, etc;

• Dimensionar a concretagem em camadas (espessura, intervalo e temperatura de lançamento);

• Definir o horário do dia para início e fim das concretagens;

• Definir fôrmas com propriedades isolantes;

• Definir tipo de cura que dificulte a perda de calor após a hidratação do cimento; etc.



Sergio Botassi dos Santos, engenheiro civil, mestre e doutor em construção civil formado pela UFRGS. É co-autor de 2 livros relacionados com estruturas de concreto pelo Instituto Brasileiro do Concreto - IBRACON




Fonte:www.crea-mt.org.br




Você conhece o "Curso a distancia IBDA - CentrodEstudos? Veja os cursos disponíveis, e colabore com o IBDA, participando, divulgando e sugerindo novos temas.

Visite nossa página no facebook -www.facebook.com/forumconstrucao - Curta, Divulgue

Comentários

Mais artigos

Patologias em argamassas vão além das fissuras

Como Consertar Rachaduras em Paredes de Alvenaria

Cerâmica Soltando: Diagnóstico, Causas e Recuperação

Patologia na Construção Civil: A permanência de velhos erros em novos contextos

Diferença de fissura e trinca de paredes e como tratar

Patologias causadas por infiltração em edificações

Patologia, Fique atento aos sinais que sua casa dá !

Descolamento de rebocos e pisos

Como lidar com as trincas nas edificações

Retração – Redução de Efeito e Compensação

Falha humana predomina nas patologias do concreto

Patologias em sistemas prediais - Hidráulica

O que é patologia das construções?

Trincas, fissuras, fendas e rachaduras exigem cuidado

Fissuração do Concreto devido às Tensões de Origem Térmica: Como evitá-la?

Patologias em Sistemas Prediais Hidráulico-Sanitários

Patologias na Construção Civil

Vícios e defeitos de construção

Defeitos em edifícios

Defeitos em Edifícios. Quais as causas? Quem é responsável? Como reformar ?

Patologia das Estruturas, qual a sua importância?

Asfalto poroso absorve água e reduz riscos de enchentes

Reforma de casas antigas: substituição de forro de estuque atacado por umidade e cupins