Seu navegador não supoerta scripts

Busca

 

Curso a Distância - Redução do consumo de água em edificações

Curso a Distância - Eficiência Energética em Edifícios

Curso a Distância - Arquitetura Corporativa

Curso a Distância - Terra Crua

Curso a Distância - Arquitetura Acessível x Barreiras Arquitetônicas e Culturais

 

Artigos

 



Catálogo de Produtos Inclusivos

 

Acompanhe-nos

Facebook   Facebook

 

 

por Arq. Iberê M. Campos

Petrobrás e Zanettini planejam obra memorável



A Petrobrás tem sido pioneira no desenvolvimento de tecnologias que a colocaram entre as grandes empresas do setor petrolífero num contexto global. Como não podia deixar de ser, uma das áreas da companhia que mais recebe atenção é justamente o de pesquisa e desenvolvimento. Assim, quando precisou ampliar seu Centro de Pesquisas no Rio de Janeiro não deixou por menos: Contratou Ziebert Zanettini -- um dos mais renomados arquitetos brasileiros -- que se encarregou de desenvolver um projeto com abordagem e soluções que merecem destaque.

Depois de pronto, o complexo abrangerá 152.447m² de áreas dedicadas à produção do conhecimento
O projeto da expansão do Centro de Pesquisas da Petrobrás (Cenpes) foi feito para uma de suas áreas mais importantes: os laboratórios onde são desenvolvidas novas tecnologias da empresa. Todo o complexo foi pensado a partir de soluções construtivas industrializadas e compreenderá uma área de 152.447m² totalmente dedicadas à produção de conhecimento. E esta produção começou pelo projeto -- apenas esta etapa demandou um ano e meio resultando em 5.200 pranchas de desenhos.

Os traços marcantes de Zanettini se incorporaram ao projeto. Segundo o arquiteto e sua equipe, a ampliação do Cenpes ofereceu uma oportunidade única para colocar em prática os fundamentos que ele define como arquitetura contemporânea e ecossistêmica. Procurou-se usar tecnologias limpas, principalmente pelo aço nos processos construtivos e pelo respeito à ecologia no entorno.
Foram necessárias 5.200 pranchas de desenho para a implantação e detalhamento


A proposta

O projeto se caracteriza por um partido horizontal, ao longo do qual se distribuem diversos edifícios alternando áreas cobertas e descobertas. Isto porque, frente às condições climáticas locais, uma das preocupações foi em adotar de estratégias de sombreamento e ventilação. Para manter o conforto ambiental a mata original da região foi incorporada ao projeto, não como um mero elemento envoltório, mas sim impregnada ao complexo, possibilitando a formação de espaços sombreados.

A inovação se mostra em todos os aspectos do projeto, que é bem extenso e integra e coordena arquitetura, estrutura, sistemas de eco-eficiência, paisagismo, recuperação da paisagem, comunicação visual, economia, planejamento, organização e racionalidade da obra. Como se não bastasse, foi concebido com a preocupação de desenvolver tecnologia, utilizando materiais nacionais compatíveis com a realidade econômica brasileira.

Implantação do projeto:
1 - CIPD - Rio
2 - Central de Utilidades
3 - Restaurante
4 - Orquidário
5 - Laboratórios
6 - Prédio Central
7 - Centro de Convenções
8 - Galería Subterrânea
9 - CRV e Holospace
10 - Empreiteirópolis
11 - Oficinas - Almoxarifado - RSUD



Aliás, não só os materiais como também os especialistas brasileiros superaram as expectativas de desempenho, tendo em vista a complexidade e tamanho da obra. Foram contratados 140 especialistas de diversas áreas e, segundo Zanettini, todas as disciplinas criaram, inovaram e comprovaram sua influência no resultado final. A preocupação com cada detalhe resultou num processo sistematizado, estruturado e que será transferido para outros projetos da Petrobrás e de seus parceiros.

O projeto

Para Zanettini, o partido adotado reflete a condição de obra aberta, ou seja, entende o espaço e o tempo em função da evolução das necessidades, imprimindo flexibilidade às soluções permitindo ampliações e reformulações, de acordo com novos usos que se tornem necessários à medida em que o complexo e as tecnologias forem evoluindo.

Auditório do Centro de convenções
A ampliação do Cenpes precisava atender a de inúmeras variáveis. Para começar, precisava ser uma extensão natural das instalações existentes, principalmente pela necessidade de aproveitar as centrais de energia, de controle e de computação (CIPD – RJ), mas também havia necessidades novas como a inclusão de um Centro de Convenções. Este necessitava conter, além do auditório, também salas de reuniões, lanchonete e área de eventos. Precisava ficar próximo da edificação atual, assim foi colocado na extremidade oposta da passagem subterrânea e constitui a porta de entrada ao público que a ele se dirige, possibilitando seu uo não só pela Petrobrás mas também para os mais diversos eventos culturais e educativos sem interferência nas atividades científicas do Centro de Pesquisas.

Deste mesmo Centro de Convenções parte o eixo principal -- o Norte-Sul -- considerado a viga mestre que articula todas as atividades de produção científica.

Estas são desenvolvidas nos laboratórios e escritórios no pavimento térreo e nos dois pavimentos superiores. Como apoio, existem as salas de visualização do Centro de Realidade Virtual (CRV), do Centro Integrado de Processamento de Dados (CIPD), a Biblioteca no 1º pavimento e o Holospace, que fica num bloco separado Este mesmo eixo existe nos dois níveis (térreo e 2º pavimento) constituindo a principal circulação dos usuários, tanto internos e externos.

Vista do túnel central, por onde passam os pipe-racks
Na extremidade norte do eixo situa-se o restaurante central e o orquidário, que se interligam ao prédio central. Este eixo articula também todo o sistema de energia, através de um pipe-rack, originário da central de utilidades de onde partem -- na mesma altura -- um pipe-rack principal que atende aos laboratórios. Em seu extremo sul, o pipe-rack principal se liga ao armário de instalações da passagem subterrânea, passa pelo edifício atual do Cenpes e vai até os edifícios Empreiteirópolis, Almoxarifado e Oficinas por meio de tubovia.

Ao longo de toda sua extensão, o pipe-rack passa dentro da projeção do prédio central, salas de painéis e equipamentos, interligando também aa casas de máquinas, baterias e centrais setoriais de ar condicionado, definindo o 1º pavimento como uma grande área técnica.

O sistema viário foi definido de maneira que todos os espaços de trabalho sejam atendidos por circulações de serviço, permitindo a circulação independente dos veículos necessários para a operação dos edifícios, bem como para eventuais obras de alteração ou ampliação dos mesmos.

O uso do aço na estrutura trouxe diversas vantagens
Inclusos no sistema viário, os estacionamentos foram minuciosamente pensados ocupando posição estratégica no complexo. Localizam-se nos espaços vazios, distribuídos em função de cada área de trabalho. A parte destinada aos ônibus fica no setor sul com acesso também pela avenida, facilita a entrada e saída dos veículos coletivos.

Vale ressaltar ainda que, todas as soluções tiveram embasamento científico, em relação à urbanização, arquitetura e arquitetura de interiores, aos sistemas de conforto ambiental e eficiência energética, aos sistemas prediais de utilidades, aos sistemas construtivos e estruturais e à recomposição dos ecossistemas naturais.

Porque usar aço na estrutura?

Atendidos os requisitos de implantação, era preciso definir princípios arquitetônicos para os edifícios em si, formando a base para o projeto arquitetônico. Para tanto, Zanettini definiu alguns princípios:

• Permeabilidade no olhar
• Simetria e regularidade da estrutura
• Equalização de vãos e dimensões das peças
• Padronização de usos
• Facilidade de transporte e organização do canteiro de obra
• Racionalização de materiais e mão-de-obra
• Metodologia e rapidez de montagem
• Clareza nos detalhes
• Reversibilidade com uma possível desmontagem

Em relação aos laboratórios em si, algumas especificações adicionais foram feitas:

• A fundação seria feita com vigas baldrame sobre blocos e estacas pré-moldadas de concreto.
• A sustentação da cobertura de sombreamento e suporte do pipe-rack seria feita com uma grelha de em perfis metálicos com modulação ortogonal típica de 10 m;
• Montagem do plano de cobertura dos laboratórios em vigas mistas com vãos típicos de 10 m, espaçados ao ritmo de 2,5 m para adoção do sistema de forma-laje, utilizando grelha como suporte para permitir içar as vigas na execução de acréscimos de novos módulos, sem interferência com os espaços em funcionamento;


A estrutura metálica permite a ampliação das instalações, sem grandes transtornos para o funcionamento do complexo
Especificamente para os escritórios definiu-se que:

• A unidade central usada para a circulação e o pipe-rack será um pórtico com rigidez suficiente para que dele saiam -- em balanço -- os braços dos escritórios;
• A execução de uma ala pode ser feita independente da ala oposta
• A seqüência dos módulos pode ser feita ao longo do eixo central pelo processo de lançamento de aduelas (Parte de arremate dos vãos de portas ou janelas que guarnece o vão , e recebe as dobradiças) sucessivas, com escoramento provisório neste próprio eixo;
• A estrutura mantém o módulo de 2,50 m, permitindo solução integrada entre os elementos de laje sem necessidade de escoramento. Ou seja, a estrutura é o seu próprio cimbramento;
• A cobertura de sombreamento é feita com chapa perfurada sobre a estrutura espacial. Assim, desempenha a função de pulmão para a respiração das coberturas ajardinadas e preserva a transparência do espaço, com luz natural.

Mais informações sobre o Arquiteto Zanettini e sua obra

Comentários

Mais artigos

Construções Metálicas: O uso do Aço na Construção Civil

A utilização do aço na construção civil

Vantagens e Desvantagens do aço na construção civil

As vantagens de construir com aço

Porque construir em aço

Uso do aço oferece soluções arrojadas na hora de construir

Perguntas e Respostas sobre Estruturas Metálicas

Como evitar e eliminar a ferrugem

Construções híbridas, o melhor de dois mundos

Vantagens da Construção em Aço

Light steel framing: Estruturas em aço leve

Futuro Sustentável com o Aço.

Aço Inox na Arquitetura

Casas de aço: Tendência que avança no Brasil

Construção em aço pode acelerar o alcance da meta de 1 milhão de moradias no Brasil

Sem agredir a natureza, aço vira padrão popular

Nova técnica metalúrgica gera aço puro mais resistente que liga metálica

Uso Racional do Aço no Concreto Armado

PRÊMIO ABCEM 2008

Livro “Obra em Aço” de Zanettini, aborda os 40 anos de projetos no campo da arquitetura metálica

Tipos de aço e perfis para estrutura metálica de edifícios

Petrobrás e Zanettini planejam obra memorável

Novo Complexo de Exposição de Milão