Seu navegador não supoerta scripts

Busca

 

Curso a Distância - Redução do consumo de água em edificações

Curso a Distância - Eficiência Energética em Edifícios

Curso a Distância - Arquitetura Corporativa

Curso a Distância - Terra Crua

Curso a Distância - Arquitetura Acessível x Barreiras Arquitetônicas e Culturais

 

Artigos

 



Catálogo de Produtos Inclusivos

 

Acompanhe-nos

Facebook   Facebook

 

 

Em Exercício Profissional (veja mais 146 artigos nesta área)

por Arq. Luís Otávio Forster e Arq. Iberê M. Campos

Proposta de projeto : a difícil negociação entre o arquiteto e o cliente,



A negociação entre o arquiteto e seu possível cliente pode ser confusa quando ambos não têm a perfeita noção do que estão fazendo. Propostas desprovidas de conteúdo e clientes que não sabem a importância do projeto são o ponto de partida para obras mal feitas e que provavelmente não atenderão às necessidades de seu proprietário.
Recentemente participei de algumas concorrências para elaboração de projeto de arquitetura para pessoas físicas e fiquei impressionado com duas coisas:
• A falta de conteúdo das propostas, e
• A falta de preparo de quem as recebia.

A pessoa, não tendo experiência no ramo, volta todas as suas atenções para o quesito “preço”. Não presta muita atenção ao conteúdo da proposta, que representa exatamente o produto que está comprando e que, nestes casos, seria exatamente a casa onde o contratante e toda sua família iriam morar pelos próximos anos, ou seja, algo de suma importância.

Reparei que quando clientes inexperientes pedem orçamento para elaboração de um projeto imagina apenas a planta e fachada, sem conhecimento algum do real conteúdo da importância do trabalho de criação e de planejamento da obra. Esse erro traz como resultado obras financeiramente desastrosas e muitos imprevistos técnicos durante sua realização, ou seja, a construção ficará mais cara e com menor qualidade.

Preço versus conteúdo

Não há como separar o preço do conteúdo de um trabalho. Embora seja óbvio, ninguém se dá conta de que serviço bem feito custa mais caro, e acabam por fazer uma comparação simples de preços sem entrar no mérito do escopo. O contratante do serviço de projeto faz cotação de preços como se estivesse ao telefone adquirindo uma geladeira, algo como ligar para uma loja de eletrodomésticos e perguntar algo como:

-- “Por favor, por quanto vocês me fazem aí o projeto de uma casa de 200 m²? Quanto???? Ah, não, a outra loja me fez bem mais barato...”

Esta confusão entre a aquisição de um bem de consumo e um trabalho que envolve criatividade aliado a conhecimento técnico vem, acho, da confusão entre escopo e preço.

Escopo é o objetivo do trabalho, seu conteúdo, seu propósito.
Preço é o valor a ser pago para realização e recebimento desse conteúdo.

Uma proposta bem feita é aquela que permite, ao lançador da concorrência, poder comparar preço, conteúdo e condições, sem margens para dúvidas e itens mal entendidos. Não pode haver entrelinhas sub-entendidas.

Para se elaborar um orçamento de projeto, há necessidade de se conhecer o trabalho, logo é um absurdo quem cobra ou pergunta quanto vale o m² de projeto.

No entanto, não é raro ouvir pessoas solicitando um “projetinho” só da “plantinha” e do “jeitão” da fachada. Um pedido deste tipo, por si só, já demonstra total inexperiência do cliente sobre o significado do planejamento.

Este cliente necessita de orientação preliminar, mas há quem se aproveita e vende o tal “projetinho”. Se o contratado tiver um mínimo de experiência e não for negligente, saberá que está colocando seu cliente numa enorme cilada.
Sabendo-se da inexperiência das pessoas, a proposta pode e deve ser orientativa, aproveitando para deixar claro para o contratante que não adianta conseguir um “projetinho” e colocá-lo na mão de um pedreiro que não saberá interpretá-lo e complementá-lo com tudo o que uma obra atual e útil precisa.

Além disto, toda obra necessita de um responsável técnico habilitado e capacitado para ler e interpretar o projeto, orientando e conduzindo a mão de obra como um maestro.

Devemos deixar bem claro que projeto e construção são atribuições de engenheiros e arquitetos. Eu, como Arquiteto, posso afirmar que é a nossa classe quem deve deixar isso claro para o mercado. É nosso dever orientar e educar clientes e operários da construção civil sobre as vantagens de se trabalhar sob o comando de um responsável técnico devidamente capacitado.

Itens de uma proposta de projeto

Uma proposta simples, básica e fundamentada precisa assumir compromissos claros e objetivos. Se quem a elabora tem conhecimento da solicitação do contratante e do trabalho, não precisa ter receio de redigir compromissos e obrigações. Este receio é diretamente proporcional à falta de conhecimento ou da capacidade de atender a uma determinada solicitação.

Vamos portanto conversar claro e abertamente com o cliente para, munido de informações, elaborar uma proposta coerente, sem devaneios. Uma proposta bem feita deve ser bem claro, para tanto tem alguns itens obrigatórios:

Item preliminar - Cabeçalho da proposta

Toda proposta deve ter um número de referência para arquivo e uma data. Toda proposta deve ser dirigida a alguém: nome, endereço, telefone, e-mail e qualquer outra informação relevante sobre esta pessoa.

Itens da proposta

1 -- Escopo do serviço -- Descreva o conteúdo geral da proposta, através de uma apresentação geral dos assuntos relacionados ao serviço, sua área, localização, características básicas da edificação.

2 -- Metodologia de trabalho -- Apresente sua metodologia, detalhando o conteúdo de cada etapa e sua utilização prática, elucidando o contratante sobre os cuidados nas averiguações para realização de um trabalho fundamentado. É interessante, apesar do leigo não ter claro seu significado, apresentar o nome e a escala das pranchas de desenho que lhe serão entregues, para que ele tenha um parâmetro de verificação quanto ao material que receberá. É tão importante quanto as peças gráficas incluir nos projetos o memorial descritivo e as planilhas de quantidades para que o contratante tenha um pacote de documentos que possibilite a realização de tomadas de preço, devidamente alinhada entre os candidatos à execução. Se o projeto é a peça fundamental do planejamento, não é correto deixar para o executor levantar os serviços do projeto idealizado, mesmo porque isso gera concorrência de preço totalmente desalinhada e com critérios diferenciados, deixando seu cliente à deriva em sua base de avaliação.

3 -- Apresentação dos trabalhos -- Esclareça como serão apresentados os trabalhos em suas fases intermediárias e como será entregue o trabalho final. (impressos ou arquivo eletrônico aberto ou fechado, etc.)

4 -- Prazo de entrega -- Estabeleça prazos para a realização de cada etapa através de tempo corrido e não datas. Se necessário, estabeleça ressalvas para eventuais necessidades de prorrogação de prazo, tais como o tempo em que o contratante pode necessitar para avaliar o projeto e a quantidade de alterações decorrentes de uma análise.

5 -- Preço e condições de trabalho -- Estabeleça o preço total, forma de pagamento, vínculo de pagamento associado às etapas, e salvaguardas em caso de retrabalhos de etapas já superadas, desde que gerados por solicitação do cliente.

6 -- Prazo de validade -- Defina por quanto tempo, antes do fechamento da contratação, as condições e os valores da proposta serão válidas.

7 -- Despesas reembolsáveis -- Esclareça aqui itens que não estão inclusos no seu trabalho dirimindo desde já eventuais cobranças que possam gerar desgastes tais como:
• Plotagens e cópias xerox;
• Serviços de correspondência expressa;
• Taxas e emolumentos cobrados por órgãos públicos;
• Outros projetos e levantamentos
• Eventuais despesas com transporte, hospedagem e alimentação, que ocorrem quando a obra é em local afastado.

8 -- Responsabilidade Técnica -- Apresente as responsabilidades que serão assumidas por você com a contratação dos serviços:
• Autoria de projeto frente à Prefeitura local
• Responsabilidade técnica pela obra frente à Prefeitura local, e suas condições para tal compromisso;
• Recolhimento da taxa referente à ART (anotação de responsabilidade técnica - CREA);
• Comprometimentos outros

9 -- Elementos preliminares -- Defina quais as condições mínimas para que os trabalhos sejam iniciados tais como:
• Assinatura da proposta/contrato;
• Pagamento da parcela referente à ordem de início dos trabalhos;
• Emissão da ART
• Apresentação do Programa de Necessidades ou entrevista com o contratante

10 -- Disposições finais -- Apresente em quais condições de trabalho seus custos não estão contemplados na proposta, e que poderão gerar cobranças. Estabeleça desde já o valor destas condições através do seu custo hora técnica.

11 -- Aprovação da proposta -- Deverão constar todos os dados do contratante e do contratado, especificando nome, função, documentos de identificação, dados para emissão de nota fiscal de serviço, e texto onde o contratante atesta a contratação e aceite das condições descritas na proposta.

Em suma...

Parece que alguns arquitetos e engenheiros têm medo de explicar claramente para seu cliente o que precisa ser feito e o porquê, talvez com receio de oferecer uma proposta de valor mais alto e perder o contrato.

Existem até profissionais que, apesar de totalmente aptos a desenvolver um projeto decente para seus clientes, concordam em fazer uma “plantinha” ou “projetinho de prefeitura” para quem os procura.

A desculpe é algo como “Ora, se eu não fizer, alguém vai fazê-lo... então é melhor eu mesmo fazer e ganhar uns troquinhos por aqui mesmo.”

Esta é uma desculpa esfarradada, que avilta o mercado de trabalho do engenheiro e arquiteto e prejudica o próprio cliente que, ao invés de ser corretamente orientado em como fazer uma boa obra, investe em muitos casos a poupança de toda uma vida em cima de um pedaço de papel com um esboço de planta, feito em poucos minutos, sem o menor compromisso com o que resultará daqueles rabiscos.

Assim, acho que é dever de todo cidadão, não só dos arquitetos e engenheiros, lutar pelo direito que todos temos de habitar prédios confortáveis, seguros e funcionais. Para isto, basta ter os profissionais certos no lugar certo. Todos lucram com isto. Vamos lá, pessoal, precisamos acabar com esta lenda de que a contratação de engenheiros e arquitetos torna a obra mais cara!!!

Comentários

Mais artigos

Principais Dificuldades de um Arquiteto sem Renome ou Iniciante

O buraco é mais em cima.

Arquiteto ou Engenheiro?

Tempo integral

Metáfora futebolística - A preparação física

21 dicas para uma vida bem sucedida na arquitetura

Dez coisas que aborrecem o cliente do engenheiro e do arquiteto depois da prestação do serviço

Dez coisas que aborrecem o cliente do engenheiro e do arquiteto durante a execução do serviço

Dez coisas que aborrecem o cliente do engenheiro e do arquiteto durante a negociação do serviço

Indicadores de desempenho nos escritórios de arquitetura e de engenharia

Como ser um engenheiro civil de sucesso.

Se o seu escritório fosse um time de futebol, em qual divisão ele estaria jogando?

Dia do Arquiteto. Dia do Engenheiro : Profissionais que transformam sonhos em realidade

O buraco é mais em cima.

E o que faz o profissional da arquitetura de TI?

Conheça o perfil do Engenheiro para o mercado de trabalho

Como estar preparado para o primeiro contato com o cliente?

A importância da Engenharia para a sociedade e para o Brasil do século XXI.

Qual a importância do arquiteto?

Como Se Tornar um Arquiteto

Crise. Segundo Einstein.

Engenheiro ou arquiteto, qual devo contratar para o projeto de casa

Possibilidades na carreira para arquitetos

Por que é tão difícil?

Os 10 mandamentos de marketing para engenheiros e arquitetos

Quem é o engenheiro civil?

Tempo integral

Dicas para desenvolvimento profissional

Cliente e arquiteto: os dois lados da moeda

A delicada relação cliente-arquiteto

Carta a um calouro (de arquitetura ou de engenharia)

A Profissão de Arquiteto

O que é Engenharia de Software?

Tabela de Honorários

Como e quanto os arquitetos cobram pelo seu trabalho?

Arquiteto, designer e decorador: sem preconceitos

Vantagens de estar desempregado (ou não) durante a seleção

Sucesso + Engenharia = Realizaçao profissional

6 ideias que podem mudar sua sina na entrevista de emprego

A responsabilidade profissional e o ser humano

O Mito da Criatividade em Arquitetura

Vantagens da Contratação de um Profissional Especializado

Diferença entre Arquiteto, engenheiro civil e designer de interiores

7 aspectos para começar e construir uma carreira em arquitetura ou design .

Quer ser um engenheiro de sucesso? Seja um engenheiro criativo.

O caminho de volta

O valor do profissional brasileiro

Contratação por projeto executivo define a obra

Inteligência Emocional: Conheça características do líder moderno

A importância do Planejamento no Papel

Atribuições do arquiteto

Lelé: cidades como São Paulo são Frankensteins.

Engenharia Nacional e a Competitividade Brasileira

A corrupção e a garantia quinquenal de obras

Como ser um empreendedor de sucesso

Sociedade entre Arquitetos: A construção em grupos de pesquisa e preço competitivo no mercado da construção

Trabalhar em casa: um bom negócio

Trabalho em equipe, 10 dicas para que isso aconteça.

Promiscuidade entre estado e governo: o vórtice do mal.

O “irresponsável técnico” da engenharia, arquitetura e construção

Arquitetos voltados a Decoração

2.012 – Importante ano para as Entidades de Classe do Sistema Confea/CREAs

Como produzir (provocar) a propaganda boca-a-boca

Os arquitetos e as cidades

Por que é que a gente é assim?

Profissionais da Engenharia, Arquitetura e Construção do 3º milênio

Qual é o valor da minha hora-técnica? Como calculo isso?

O arquiteto como administrador de obras: vamos unir o útil ao agradável!

A falta de planejamento das pequenas empresas na construção civil

As previsões de Nostradamus, e a vergonha da Copa de 2014?

Porque o arquiteto deve fazer a administração de obras

Arquitetos de Cozinha

Conselho de Arquitetura e Urbanismo foi aprovado. O que muda?

Curso de Marketing e Vendas para arquitetos

O exercicio profissional e a sustentabilidade das profissões: uma abordagem mercadológica - 3ª parte

O exercicio profissional e a sustentabilidade das profissões: uma abordagem mercadológica - 2ª parte

O exercicio profissional e a sustentabilidade das profissões: uma abordagem mercadológica - 1ª parte

Sociedade entre Arquitetos: A união, normalmente, faz a força!

Em dois meses, construção civil cria quase 102 mil novos empregos

Arquiteto ou arquiteta? Quem é melhor?

O Brasil preparado para crescer...Será???

O Brasil é um país de oportunidades para engenheiros...

Governo planeja construir nova rodovia Rio-Santos

Construção civil, após a crise, deve bater recorde de geração de empregos.

O acidente no Rodoanel e as boas práticas da engenharia

Obras públicas e a responsabilidade do sistema CONFEA/CREAS perante a nação! Final.

Obras públicas e a responsabilidade do sistema CONFEA/CREAS perante a nação! - 1ª parte.

O desabafo de um arquiteto

Relação arquiteto e cliente: um jogo de xadrez deveras complicado!

O IBDA também está no TWITTER

Lei federal exige específicamente a ART de orçamento

Os US$ 5 trilhões do G20 solucionarão a crise?

O principal documento para o trabalhador, não tem segunda via.

Lei de licitações e a polemica dos critérios de menor preço

Varejo de material de construcão deverá crescer 8,5 % em 2009 no Brasil.

Oferta de trabalho para 5.563 arquitetos e engenheiros

Orçamentos estimativos sem identificação de autoria pode anular licitação pública.

Lei de Licitações : O país precisa rever a Lei Nº 8666/93

Licitação por pregão : Carta aberta ao Senador Eduardo Suplicy

Irrigar a economia real sem custos extras

Relacionamento Entidade de Classe x Prefeitura... Parceria, Guerra ou Indiferença...

Resistência dos Materiais - Treliça Hipostática

Proposta de Política Industrial para a Construção Civil

Crises e Oportunidades

O TAC no contexto do direito ambiental

Vai montar seu canteiro de obras? Atente para alguns detalhes da norma

Maquete eletrônica – parte 1

Segurança em trabalhos com eletricidade

Como ter segurança em trabalhos com eletricidade

Em busca do tempo perdido

Antoni Gaudí, um arquiteto sonhador?! (Barcelona, 1852-1926)

Arquitetura Antroposófica: as artes plásticas e o desenvolvimento da alma humana

Os CREAs e o IPTU que as Prefeituras querem cobrar...

Zaha Hadid – uma arquiteta orgânica. Gosta de construir descontruindo.

É preciso recompor a arquitetura e a engenharia brasileiras

Quem tem medo de Oscar Niemeyer?

A Liderança Empresarial e a Sustentabilidade

O verdadeiro papel das entidades de classe.

Relação aberta, gol na certa!

O uso da medida grado na Geometria e a Historia Militar Brasileira - Aspectos de unidades de medida

Maquetes Eletrônicas

Eu compro imóvel na planta

Infiltração e drenagem - os temas da Maccaferri no Fórum da Construção

Engenharia de Avaliações

Oportunidades para o setor da construção no Golfo Arábico

CPMF

Táticas para pedir (e conseguir) aumento de salário

Obras e serviços de Engenharia não podem ser licitados por pregão !

Supersimples na construção civil: vale a pena aderir?

Proposta de projeto : a difícil negociação entre o arquiteto e o cliente,

A importância de contratar um Arquiteto e como proceder

Dúvidas mais comuns em relação ao registro de empresas no CREA-SP

Enigma estrutural: Teste estático versus teste dinâmico, ou Como Testar Uma Laje de Salão de Baile

O livro sagrado da Engenharia -- Surpresa! não é aquele que você está pensando.

Pensamentos da Engenharia

Imóvel, alternativa de aposentadoria

Honorários de engenharia : Como é difícil receber !!!

A.R.T. - Acervo e defesa do profissional

Orientação de um velho Engenheiro de Barbas Brancas a um jovem engenheirando sobre um estágio de férias

Aspectos matemáticos e humanos da corrente da felicidade

Invista no Arquiteto!

São Paulo, um gigantesco campo de trabalho para a Arquitetura

Como fazer a retificação de área no Registro de Imóveis

Espanhol cresce como ferramenta de trabalho!

Perguntas mais comuns em uma entrevista de emprego(3/3)

Procedimentos em uma entrevista de emprego (2/3)

Preparando-se para uma entrevista de emprego (1/3)