Seu navegador não supoerta scripts

Busca

 

Curso a Distância - Redução do consumo de água em edificações

Curso a Distância - Eficiência Energética em Edifícios

Curso a Distância - Arquitetura Corporativa

Curso a Distância - Terra Crua

Curso a Distância - Arquitetura Acessível x Barreiras Arquitetônicas e Culturais

 

Artigos

 



Catálogo de Produtos Inclusivos

 

Acompanhe-nos

Facebook   Facebook

 

 

Em Exercício Profissional (veja mais 146 artigos nesta área)

por Michael Emil Mösch

Arquitetura Antroposófica: as artes plásticas e o desenvolvimento da alma humana



Iniciada por Rudolf Steiner no início deste século, Arquitetura Antroposófica tem um parentesco com o termo Arquitetura Orgânica, um conceito hoje utilizado no mundo todo.

Rudolf Steiner atuou como arquiteto em uma época em que artistas plásticos, principalmente na Europa e nos Estados Unidos, buscavam uma expressão nova para suas produções. Inicialmente, nos anos 20 deste século, com a obra do primeiro Goetheanum em Dornach, ele desenvolveu um conceito arquitetônico amplo, expressando a organicidade do volume do edifício, e obtendo, desta forma, uma linguagem artística incomum para a arquitetura da época. Se comparada com o grande leque que atualmente classifica a Arquitetura Orgânica, quais seriam as características desta proposta antroposófica?

1. Arquitetura Orgânica
Muitos arquitetos buscam a expressão orgânica na arquitetura. Esse conceito está relacionado ao termo organismo. Chamamos organismo tudo que tem vida, desde os seres mais primitivos unicelulares, através dos vegetais e animais, até a complexidade do ser humano. O que é um organismo? Quando podemos denominar algo como sendo um organismo? Quando possui vida, quando está em processo, ou seja, cresce e se mexe por força própria. Tanto o crescer como o mexer podem ser enquadrados em um único conceito - movimento. A Arquitetura Orgânica procura sua expressão nesta característica da vida - o movimento. Existe, porém, um relacionamento mais íntimo entre a Arquitetura Orgânica e a vida. Como se caracterizam as formas de um organismo? Se observarmos um cristal de rocha, por exemplo, uma composição de planos, arestas e superfícies lapidadas, podemos perceber nítidas diferenças entre suas formas, se comparadas com um vegetal. Em vez de planos retos, o vegetal mostra uma composição de convexidades e concavidades unidas e emendadas por curvas. Essas formas são inerentes à vida. Mas o que é vida? Um seixo de rio também possui formas redondas. Estas são resultantes do desgaste sofrido no percurso no leito do rio e da erosão contínua da água. É uma ação externa na superfície da pedra. No organismo vivo, a ação do processo que origina as formas que o caracterizam é interna. Um processo, seja ele externo ou interno, sempre se manifesta no tempo. O tempo é um fator fundamental na formação do ser vivo. Mas o ser vivo também precisa da matéria para sua estruturação. O que é a matéria? Em sua essência, ela é superfície. A composição e configuração de suas superfícies determinam um espaço. A matéria é inerente ao espaço. Tempo e espaço formam o alicerce para a manifestação da vida. Já vimos anteriormente, no exemplo do seixo de rio, que a incidência do tempo na matéria, no espaço, é externa, de fora para dentro. Invertendo este processo de ação, a incidência do tempo no espaço de dentro para fora, leva-nos ao conceito de vida. O entrelaçar de tempo e espaço de dentro para fora tem como resultado a vida. A tentativa do arquiteto que se identifica com a Arquitetura Orgânica é buscar na sua forma de expressão a integração de tempo e espaço. O resultado é o movimento, é o dinamismo na composição dos espaços. Ao usuário, esta arquitetura propicia o bem estar e questões relacionadas à vida, apoiando e incentivando os processos vitais.

De um outro ponto de vista, ainda temos a questão estrutural do organismo. No organismo vivo podemos distinguir características estruturais que não encontramos no reino mineral. Podemos subdividir o vegetal em membros distintos um do outro: a raiz, o caule e a folha. A raiz, uma das extremidades do vegetal, prende-se à terra apresentando características formais diferentes da folha, voltada para cima, direcionada à luz. Algo semelhante encontramos no reino animal com a seqüência formal de cabeça, tronco e membros. Esta diferenciação estrutural do organismo vivo não se manifesta no reino mineral. A Arquitetura Orgânica, observada em detalhes, apresenta-se com elementos de características formais distintas, como frente, meio e fundo. De outro ângulo, distinguem-se as lateralidades ou a expressão formal da base da obra, em contraste com a sua cobertura. Resumindo, poderíamos concluir: a questão ligada ao fenômeno “vida” e a estruturação que caracteriza um organismo vivo, definem este primeiro tema da Arquitetura Orgânica.

2. Integração das artes plásticas
No início deste século, a integração das artes plásticas era um tema que preocupava muitos artistas, como pintores, escultores e arquitetos. Rudolf Steiner, em sua grande obra, o primeiro Goetheanum, fez do edifício uma obra de arte total. Arquitetos, escultores e pintores participaram no desenvolvimento do projeto e na execução dessa obra: um auditório e palco, destinado às atividades da Sociedade Antroposófica em Dornach, na Suíça. Rudolf Steiner enfatizou, em várias apresentações de seus projetos e em palestras, que a arquitetura é a “mãe” de todas as artes, pois sem ela jamais teríamos condições para abrigar a arte da pintura ou objetos de escultura, e tampouco teríamos o espaço necessário para a manifestação da arte, da música e dança. Nestas condições, um partido projetual pode ser elaborado utilizando-se da rica linguagem que cada segmento da arte consagrou separadamente no decorrer dos tempos. Com a integração das artes, a obra adquire um brilho especial quanto à sua expressão. Rudolf Steiner falou neste contexto da obra dialógica, que se comunica com o usuário.

3. O princípio da metamorfose
Esta sim é uma busca exclusiva da Arquitetura Antroposófica. Rudolf Steiner, quando jovem, pesquisou durante vários anos os trabalhos científicos de Goethe, principalmente aqueles que tratam da metamorfose das plantas. Goethe observou no vegetal, independente da espécie e família, um princípio formal próprio de cada planta. Ele observou que o contorno, a forma da folha da planta dá origem à forma das pétalas da flor, à forma da semente, à forma do broto e assim por diante. A seqüência de formas entre as diferentes fases de crescimento do vegetal são características exclusivas daquela planta. Baseado nestes estudos, Rudolf Steiner chegou à idéia do princípio da metamorfose da forma. Em suas obras arquitetônicas, podemos distinguir a metamorfose da expressão formal do detalhe e dos elementos esculturais, a metamorfose dos espaços na planta baixa e a metamorfose dos volumes no contexto urbanístico. A seqüência das formas dos elementos arquitetônicos parte de um princípio formal único, evidenciando um relacionamento mútuo entre parte e todo.

Assim, podemos observar no primeiro Goetheanum, parentescos entre a formas que compõem as janelas e portas, e estas, por sua vez, têm semelhanças com elementos da cobertura e do telhado, assegurando através da transformação em seqüência, a familiaridade entre os detalhes.

Na Arquitetura Antroposófica, vinculada à metamorfose da forma, podemos ainda constatar um partido formal que expressa, nos detalhes, a ação das forças em conseqüência das cargas do material. Existe nesse contexto uma inversão quanto à expressão artística, se comparada com a arquitetura moderna contemporânea. Toda obra arquitetônica está sujeita a cargas resultantes do peso próprio do material, da ação de vento e chuva, do deslocamento de pessoas, entre outras. Em elementos estruturais como pilares e vigas, por exemplo, a arquitetura moderna utiliza-se de materiais específicos, de acordo com o tipo de força empregada no sistema. Na predominância de forças de tração, o material aplicado é o aço ou o ferro, com uma área pequena de sustentação. Em situações onde há a predominância de forças de pressão, o material aplicado é a pedra ou o concreto, com áreas grandes de sustentação. Na Arquitetura Antroposófica, no entanto, busca-se expressar o que realmente ocorre dentro do material quando sujeito a forças externas. Onde, na estrutura, atuam forças de tração, com a tendência de separação no material, busca-se uma expressão de união com o acúmulo de matéria. Em conseqüência, onde, na estrutura, atuam forças de pressão, o material é pressionado, mas o esforço nele é de separação. Neste caso, a expressão é esbelta, é refinada.

4. A expressão arquitetônica do espaço
Este tema refere-se à busca da compreensão, cada vez mais aprimorada, da atuação da expressão arquitetônica na alma do ser humano. É uma característica quase que exclusiva da Arquitetura Antroposófica. A questão da relação entre a qualidade do espaço e sua função, ou seja, a atividade nela exercida, foi amplamente debatida nos primórdios da arte moderna. Atualmente, os arquitetos em geral reduziram a função do espaço ao tamanho necessário, à iluminação e ventilação necessárias, enfim, exclusivamente aos elementos mensuráveis, deixando de lado a qualidade intrínseca do ambiente arquitetônico. Não se distingue mais a diferença entre uma sala de aula de uma escola do primeiro grau e um escritório de um prédio comercial. Ambos os espaços têm sua composição baseada no retângulo ou no quadrado, com paredes paralelas e ângulos retos. Na Arquitetura Antroposófica, podemos observar a busca de uma relação da qualidade do ambiente com a atividade desempenhada no referido espaço. Esta preocupação evidencia a consciência da qualidade do espaço, pois sabe-se que independente da forma, seja ela ortogonal ou orgânica, toda composição exerce uma influência no usuário. Mas como podemos conhecer e nos aprofundar quanto à influência do espaço na alma humana? Rudolf Steiner tomou como partido para o auditório do segundo Goetheanum o trapézio como forma de espaço em planta baixa. As paredes laterais divergem em direção ao palco e convergem no sentido contrário. Até então, a forma destes espaços era retangular ou, no caso do primeiro Goetheanum, circular. A forma do auditório do segundo Goetheanum está intimamente ligada ao conteúdo antroposófico. Rudolf Steiner pouco falou desta forma trapezoidal, mencionando apenas que o conceito de liberdade expresso na dupla cúpula do primeiro Goetheanum está intrínseco na forma do auditório novo. Pesquisas posteriores mostram que não só a liberdade, mas também questões relacionadas à individualidade do ser humano estão presentes na forma trapezoidal. Se imaginarmos o interior do espaço, direcionado ao palco, com as paredes laterais divergindo, afastando-se uma da outra, poderemos sentir a liberdade que este movimento lateral propicia. Essa abertura em direção ao palco não coloca o espetáculo realizado como imposição. As paredes laterais divergem e abrangem fora do ambiente um espaço que aumenta e cresce quanto mais nos distanciamos do ponto de observação. Esse gesto abrange o mundo, e dentro do espaço oferece ao espectador a liberdade para a concentração ou a dispersão. Em conseqüência, a partir do palco, o palestrante ou o ator estarão situados num espaço cujas paredes laterais convergem, e fora do ambiente afluem a um único ponto. O ponto é uma unidade distinta e, representando o indiviso, diz respeito a uma só pessoa, à individualidade. Do palco, em direção à platéia, podemos sentir o apelo no gesto das paredes laterais para alcançar, para atender a individualidade presente no auditório. O espectador, voltado ao palco, tem como pano de fundo as paredes convergentes. Esse gesto faz reconhecer as qualidades peculiares e genuínas da pessoa, apelam ao indiviso, fortalecendo a atitude e a postura da individualidade que está voltada ao espaço que abrange o mundo. Podemos concluir que o trapézio é um espaço que coloca a pessoa entre o indiviso e o abrangente. Ele apóia o fortalecimento e a consciência da individualidade, apela ao autoconhecimento, mas sempre resguardando plena liberdade.

5. A arquitetura antroposófica, no contexto histórico
"É uma característica da alma humana expandir-se, alastrar-se, desabrochar-se em todas as direções. A maneira de se desabrochar, a maneira como ela deseja alastrar o seu ser no cosmo tem como resultado a forma arquitetônica." (Rudolf Steiner)

Historicamente, sempre existiu um relacionamento entre as artes plásticas e as fases do desenvolvimento da alma humana. Desse relacionamento, três momentos se destacam na História. Na Antiga Grécia, época da construção dos templos, deparamo-nos com um pensar imaginativo, um pensar mitológico. Uma observação de um fenômeno natural desencadeava imagens na alma. A matéria era vivenciada como uma ilusão; a imagem, resultado de uma observação, era vivenciada como uma realidade. A alma humana era repleta de imagens, sentia-se parte do mundo espiritual. Nessa época, foram construídos os templos gregos com proporções harmônicas, simplicidade geométrica e composições arquitetônicas exclusivamente ortogonais. As paredes que os compõem são paralelas, os ângulos sempre retos.

As colunas enfileiradas são paralelas entre si. Dos espaços maiores para os menores, podemos observar uma composição de retângulos e quadrados. Eram obras ricas, não só quanto à sua arquitetura e proporções de elementos, mas também quanto aos detalhes esculturais e pinturas de afrescos. O povo, no entanto, não tinha acesso ao templo, era um espaço exclusivo para os sacerdotes que, dentro dele, colocavam-se em condição de fazer contato com o mundo espiritual. Este espaço de pureza arquitetônica quase cristalina fez desabrochar, incentivou e apoiou um processo na alma humana que levou o Homem a um pensar cada vez mais lógico. A matéria toma lugar da realidade; a imagem é ilusão. É o primórdio da Lógica, da Filosofia e da Ciência com Platão e Aristóteles. O templo tinha a função de apoiar este processo de materialização no pensar, que desencadeou, mais tarde, o pensar intelectualizado e racional. A alma abriu-se para a realidade terrena e, com isto, separa-se de sua origem espiritual.

Passados muitos séculos, após o mistério do Gólgota em torno do ano 900 ao 1.200, vemo-nos frente à época da construção das grandes catedrais. Primeiro as catedrais romanas, posteriormente as catedrais góticas. A alma humana evoluiu no sentido de separação do mundo espiritual. A partir daqui ela se relaciona separadamente com os dois mundos. A natureza é o acesso ao mundo material e a religião é o vínculo com o mundo espiritual. Dá-se a necessidade de se construir a "Casa de Deus" – a catedral, e é especificamente dentro destes espaços que o povo evoca o mundo espiritual. Quais eram as características arquitetônicas desta época? A planta baixa da catedral é de geometria ortogonal, com elementos em forma de círculos no espaço destinado ao altar. A nave da catedral, espaço para a permanência do povo, tem paredes paralelas, sendo marcantes as proporções no sentido vertical. Das dimensões de altura resulta a monumentalidade, propiciando a devoção ao mundo espiritual. A catedral marca a separação definitiva entre espírito e matéria. Dentro da catedral, a devoção; fora dela, o trabalho na terra, a matéria. O pensar conquista a ciência e torna-se cada vez mais intelectual.

O próximo passo nos leva à atualidade: o pensar humano conquistou a lógica e com ela o pensar racional, e materializado, com controle praticamente absoluto das ciências naturais, resultando na separação, cada vez mais evidente, dos conteúdos relacionados ao mundo espiritual. A religião hoje, com um significado superficial, tornou-se um resíduo de algo que teve seu ápice na época das construções das catedrais. Restringe-se, na maioria das situações, a um veículo que pode proporcionar saúde, alegria e riqueza. Sua devoção decaiu, limitando-se à busca de satisfações materiais.

Hoje, porém, uma pergunta se torna cada vez mais premente: como podemos conseguir acesso ao conteúdo que está por trás da matéria, da forma, da idéia, da vida, sem perder a conquista do pensar lógico e racional? O vínculo com o mundo espiritual não está perdido. Neste ponto é importante reconhecermos a grande conquista da alma humana no decorrer do tempo: o fortalecimento da individualidade. Quando na antiga Grécia, com o pensar mitológico, predominava algo que poderíamos chamar de consciência grupal, iniciava-se juntamente com a lógica no pensar, a consciência presente do ente único. Na época da construção das catedrais, esta consciência individual já tinha sido conquistada, mas o ato religioso, na devoção ao mundo espiritual, acontecia na união das preces, com o povo unido na catedral. Hoje, estamos sós, somos indivíduos e cabe a cada um a própria decisão de como relacionar-se com o mundo espiritual. Uma decisão individual importa que deva ser tomada em liberdade. Esta fase, no desenvolvimento da alma humana, nos leva à construção do espaço em forma de trapézio, que teve sua realização inédita com o projeto de Rudolf Steiner para o segundo Goetheanum em Dornach. Na época da Antiga Grécia, a alma humana precisou de um espaço que fortalecesse as tendências abstratas e cristalizantes no pensar. O Templo Grego despertou na alma o pensar lógico. A Catedral, por sua vez, foi um marco que identificou a separação do mundo espiritual, na religião, do mundo material, no pensar lógico e racional. O trapézio estabelece o limiar para o pensar vivo, para a consciência do ente individual, a consciência do eu. Aplicado como planta-baixa para uma forma de espaço, o trapézio pode ser considerado um marco na consagração do autoconhecimento, respeitando a liberdade da individualidade em questão. Esta é a função genuína da Arquitetura Antroposófica: proporcionar e incrementar à alma humana, que se encontra no auge da fase materialista, um novo despertar no mundo espiritual.


Casa da Cascata, na Pensilvânia



A primeira imagem do artigo é de Goetheanum em Dornach, na Suíça: inspiração até os dias de hoje

Fonte: Sociedade Antroposófica no Brasil
www.mem-arquitetura.com.br

Links interessantes sobre o assunto:
http://www.steinercollege.org/rs.html
Rudolf Steiner Archive is a site full of information and even full-text versions of Steiner books and lectures in English translation.
The Anthroposophical Society in America
Anthroposophical Society world headquarters in Dornach, Switzerland.
A documentary on Steiner`s life and work
Camphill Village, Copake, NY - one of many Camphill Villages worldwide where people work with the developmentally disabled in an anthroposophical setting.
Camphill Village, Soltane.

Comentários

Mais artigos

Principais Dificuldades de um Arquiteto sem Renome ou Iniciante

O buraco é mais em cima.

Arquiteto ou Engenheiro?

Tempo integral

Metáfora futebolística - A preparação física

21 dicas para uma vida bem sucedida na arquitetura

Dez coisas que aborrecem o cliente do engenheiro e do arquiteto depois da prestação do serviço

Dez coisas que aborrecem o cliente do engenheiro e do arquiteto durante a execução do serviço

Dez coisas que aborrecem o cliente do engenheiro e do arquiteto durante a negociação do serviço

Indicadores de desempenho nos escritórios de arquitetura e de engenharia

Como ser um engenheiro civil de sucesso.

Se o seu escritório fosse um time de futebol, em qual divisão ele estaria jogando?

Dia do Arquiteto. Dia do Engenheiro : Profissionais que transformam sonhos em realidade

O buraco é mais em cima.

E o que faz o profissional da arquitetura de TI?

Conheça o perfil do Engenheiro para o mercado de trabalho

Como estar preparado para o primeiro contato com o cliente?

A importância da Engenharia para a sociedade e para o Brasil do século XXI.

Qual a importância do arquiteto?

Como Se Tornar um Arquiteto

Crise. Segundo Einstein.

Engenheiro ou arquiteto, qual devo contratar para o projeto de casa

Possibilidades na carreira para arquitetos

Por que é tão difícil?

Os 10 mandamentos de marketing para engenheiros e arquitetos

Quem é o engenheiro civil?

Tempo integral

Dicas para desenvolvimento profissional

Cliente e arquiteto: os dois lados da moeda

A delicada relação cliente-arquiteto

Carta a um calouro (de arquitetura ou de engenharia)

A Profissão de Arquiteto

O que é Engenharia de Software?

Tabela de Honorários

Como e quanto os arquitetos cobram pelo seu trabalho?

Arquiteto, designer e decorador: sem preconceitos

Vantagens de estar desempregado (ou não) durante a seleção

Sucesso + Engenharia = Realizaçao profissional

6 ideias que podem mudar sua sina na entrevista de emprego

A responsabilidade profissional e o ser humano

O Mito da Criatividade em Arquitetura

Vantagens da Contratação de um Profissional Especializado

Diferença entre Arquiteto, engenheiro civil e designer de interiores

7 aspectos para começar e construir uma carreira em arquitetura ou design .

Quer ser um engenheiro de sucesso? Seja um engenheiro criativo.

O caminho de volta

O valor do profissional brasileiro

Contratação por projeto executivo define a obra

Inteligência Emocional: Conheça características do líder moderno

A importância do Planejamento no Papel

Atribuições do arquiteto

Lelé: cidades como São Paulo são Frankensteins.

Engenharia Nacional e a Competitividade Brasileira

A corrupção e a garantia quinquenal de obras

Como ser um empreendedor de sucesso

Sociedade entre Arquitetos: A construção em grupos de pesquisa e preço competitivo no mercado da construção

Trabalhar em casa: um bom negócio

Trabalho em equipe, 10 dicas para que isso aconteça.

Promiscuidade entre estado e governo: o vórtice do mal.

O “irresponsável técnico” da engenharia, arquitetura e construção

Arquitetos voltados a Decoração

2.012 – Importante ano para as Entidades de Classe do Sistema Confea/CREAs

Como produzir (provocar) a propaganda boca-a-boca

Os arquitetos e as cidades

Por que é que a gente é assim?

Profissionais da Engenharia, Arquitetura e Construção do 3º milênio

Qual é o valor da minha hora-técnica? Como calculo isso?

O arquiteto como administrador de obras: vamos unir o útil ao agradável!

A falta de planejamento das pequenas empresas na construção civil

As previsões de Nostradamus, e a vergonha da Copa de 2014?

Porque o arquiteto deve fazer a administração de obras

Arquitetos de Cozinha

Conselho de Arquitetura e Urbanismo foi aprovado. O que muda?

Curso de Marketing e Vendas para arquitetos

O exercicio profissional e a sustentabilidade das profissões: uma abordagem mercadológica - 3ª parte

O exercicio profissional e a sustentabilidade das profissões: uma abordagem mercadológica - 2ª parte

O exercicio profissional e a sustentabilidade das profissões: uma abordagem mercadológica - 1ª parte

Sociedade entre Arquitetos: A união, normalmente, faz a força!

Em dois meses, construção civil cria quase 102 mil novos empregos

Arquiteto ou arquiteta? Quem é melhor?

O Brasil preparado para crescer...Será???

O Brasil é um país de oportunidades para engenheiros...

Governo planeja construir nova rodovia Rio-Santos

Construção civil, após a crise, deve bater recorde de geração de empregos.

O acidente no Rodoanel e as boas práticas da engenharia

Obras públicas e a responsabilidade do sistema CONFEA/CREAS perante a nação! Final.

Obras públicas e a responsabilidade do sistema CONFEA/CREAS perante a nação! - 1ª parte.

O desabafo de um arquiteto

Relação arquiteto e cliente: um jogo de xadrez deveras complicado!

O IBDA também está no TWITTER

Lei federal exige específicamente a ART de orçamento

Os US$ 5 trilhões do G20 solucionarão a crise?

O principal documento para o trabalhador, não tem segunda via.

Lei de licitações e a polemica dos critérios de menor preço

Varejo de material de construcão deverá crescer 8,5 % em 2009 no Brasil.

Oferta de trabalho para 5.563 arquitetos e engenheiros

Orçamentos estimativos sem identificação de autoria pode anular licitação pública.

Lei de Licitações : O país precisa rever a Lei Nº 8666/93

Licitação por pregão : Carta aberta ao Senador Eduardo Suplicy

Irrigar a economia real sem custos extras

Relacionamento Entidade de Classe x Prefeitura... Parceria, Guerra ou Indiferença...

Resistência dos Materiais - Treliça Hipostática

Proposta de Política Industrial para a Construção Civil

Crises e Oportunidades

O TAC no contexto do direito ambiental

Vai montar seu canteiro de obras? Atente para alguns detalhes da norma

Maquete eletrônica – parte 1

Segurança em trabalhos com eletricidade

Como ter segurança em trabalhos com eletricidade

Em busca do tempo perdido

Antoni Gaudí, um arquiteto sonhador?! (Barcelona, 1852-1926)

Arquitetura Antroposófica: as artes plásticas e o desenvolvimento da alma humana

Os CREAs e o IPTU que as Prefeituras querem cobrar...

Zaha Hadid – uma arquiteta orgânica. Gosta de construir descontruindo.

É preciso recompor a arquitetura e a engenharia brasileiras

Quem tem medo de Oscar Niemeyer?

A Liderança Empresarial e a Sustentabilidade

O verdadeiro papel das entidades de classe.

Relação aberta, gol na certa!

O uso da medida grado na Geometria e a Historia Militar Brasileira - Aspectos de unidades de medida

Maquetes Eletrônicas

Eu compro imóvel na planta

Infiltração e drenagem - os temas da Maccaferri no Fórum da Construção

Engenharia de Avaliações

Oportunidades para o setor da construção no Golfo Arábico

CPMF

Táticas para pedir (e conseguir) aumento de salário

Obras e serviços de Engenharia não podem ser licitados por pregão !

Supersimples na construção civil: vale a pena aderir?

Proposta de projeto : a difícil negociação entre o arquiteto e o cliente,

A importância de contratar um Arquiteto e como proceder

Dúvidas mais comuns em relação ao registro de empresas no CREA-SP

Enigma estrutural: Teste estático versus teste dinâmico, ou Como Testar Uma Laje de Salão de Baile

O livro sagrado da Engenharia -- Surpresa! não é aquele que você está pensando.

Pensamentos da Engenharia

Imóvel, alternativa de aposentadoria

Honorários de engenharia : Como é difícil receber !!!

A.R.T. - Acervo e defesa do profissional

Orientação de um velho Engenheiro de Barbas Brancas a um jovem engenheirando sobre um estágio de férias

Aspectos matemáticos e humanos da corrente da felicidade

Invista no Arquiteto!

São Paulo, um gigantesco campo de trabalho para a Arquitetura

Como fazer a retificação de área no Registro de Imóveis

Espanhol cresce como ferramenta de trabalho!

Perguntas mais comuns em uma entrevista de emprego(3/3)

Procedimentos em uma entrevista de emprego (2/3)

Preparando-se para uma entrevista de emprego (1/3)