Seu navegador não supoerta scripts

Busca

 

Curso a Distância - Redução do consumo de água em edificações

Curso a Distância - Eficiência Energética em Edifícios

Curso a Distância - Arquitetura Corporativa

Curso a Distância - Terra Crua

Curso a Distância - Arquitetura Acessível x Barreiras Arquitetônicas e Culturais

 

Artigos

 



Catálogo de Produtos Inclusivos

 

Acompanhe-nos

Facebook   Facebook

 

 

por Eng. Antônio Filho Neto

Uso Racional do Aço no Concreto Armado



A experiência acumulada por mais de trinta anos de labuta na elaboração de projetos, fiscalização, execução e acompanhamento de obras de engenharia, credencia-me a falar sobre o uso racional do aço nas obras de construção civil.

Nem sempre os projetos de estrutura são elaborados levando em consideração a economia do aço na construção. Às vezes, o calculista considera apenas o fator segurança, não havendo a preocupação com o econômico. Não há o cuidado de utilizar as pontas ou sobras de aço em outros elementos da estrutura, os quais possuam as dimensões compatíveis com as mesmas.

Esses restos de ferro, considerando a desbitolagem, podem atingir até 20% de perda, o que irá influenciar diretamente no custo final do empreendimento. Esse percentual poderá ser reduzido praticamente a 0%. Todavia, para isso se faz necessário que o engenheiro responsável pela obra fique atento ao projeto de armação e, antes mesmo de efetuar o pedido da compra do aço para a obra, faça uma avaliação detalhada das bitolas do aço a ser usado na obra, observando as que mais terão ocorrências de sobras. Feito isso, deverá verificar a viabilidade de seu aproveitamento em outras peças da estrutura, mesmo que a bitola indicada no projeto não corresponda às das sobras.

Muitos engenheiros não querem perder tempo ou mesmo não valorizam esse tipo de economia - no final da obra irão para o lixo toneladas de sobras de ferro que poderiam ter sido utilizadas na obra, trazendo dividendos para o empreendimento. As sobras ou pontas de aço poderão ser utilizadas de várias maneiras, entre elas, destacamos as emendas por transpasse, solda (caldeamento) e luva roscável que poderão ser usadas como ferragem guia para vigas, ferragem negativa sobre apoios, armação de cantos de laje, tampas de concreto, ferro costela, estribos, espaçadores, etc.

O segredo do bom aproveitamento do aço na construção civil está diretamente ligado no corte das barras de aço para dobragem e aplicação na forma. O engenheiro da obra deverá orientar o seu encarregado de armação, no sentido de que seja processado, sempre em primeiro lugar, o corte das posições de maiores comprimentos. Dessa forma poderá utilizar as sobras para outras posições que melhor convier ao seu aproveitamento. Poderá ocorrer que as bitolas das posições adequadas para a utilização das sobras não sejam as mesmas indicadas no projeto. Neste caso, haverá a necessidade da substituição de um ferro de uma determinada bitola por outro de bitola diferente.

A substituição de ferro (aço-50A ou CA-50B) de uma bitola por outro de bitola diferente somente poderá ser feita obedecendo a critérios técnicos recomendados pelas normas técnicas. É aconselhável que esta substituição tenha o aval do engenheiro autor do projeto. Essa substituição, geralmente, é processada tomando como parâmetro a área da seção de ferro calculada. Uma outra maneira de fazê-la é pelo processo de equivalência entre as barras de bitolas diferentes, conforme o quadro abaixo:

Quadro de equivalência entre as barras de aços (Eng. Antônio Filho Neto)

VALORES DE K para aço CA-50 A e CA-50 B

f(mm)

6.3

8.0

10.0

12.5

16.0

20.0

22.0

25.0

Sf(cm2)

6.3

1

1,57

2,25

4,00

6,25

9,00

12,13

15,85

0,32

8.0

0,64

1

1,44

2,54

4,00

5,70

7,76

10,14

0,50

10.0

0,45

0,70

1

1,74

2,78

3,96

5,40

7,05

0,72

12.5

0,26

0,40

0,57

1

1,58

2,25

3,06

4,00

1,27

16.0

0,16

0,25

0,36

0,64

1

1,43

1,94

2,54

2,00

20.0

0,12

0,18

0,26

0,45

0,70

1

1,37

1,78

2,85

22.0

0,09

0,13

0,19

0,33

0,52

0,74

1

1,31

3,88

25.0

0,07

0,10

0,15

0,25

0,40

0,57

0,77

1

5,07


Q= K. Qt, onde:
K - Coeficiente de equivalência dado na tabela
Qt = Quantidades de barras a ser substituída
Q = Quantidades de ferros substituídos

Vejamos um exemplo: Em uma laje armada em cruz com dimensões de 4m x 4m, cujo projeto de armação indica 100 (ferros) aço CA-50 A de 8.0, no entanto temos em estoque Aço CA-50A de 10.0. Para aproveitarmos o aço em estoque teremos que fazer a substituição, entretanto, não basta simplesmente substituir uma barra de aço CA-50A 8.0 por outra de aço CA-50A de 10.0, pois, seria ser antieconômico.

Usando a tabela acima. Vejamos como usá-lo

Entrando na tabela acima na coluna com o aço CA-50A 8.0 e na linha com o aço CA-50A 10.0. No cruzamento da coluna com a linha encontra-se o valor de K= 0,70, como já temos a quantidade de ferro de aço CA-50A, basta aplicar a fórmula acima e obteremos a nova quantidade de ferro a ser utilizada.

Assim: Q= 0,70 x 100= 70 barras de aço CA50A de 10.0

Comentários

Mais artigos

Construções Metálicas: O uso do Aço na Construção Civil

A utilização do aço na construção civil

Vantagens e Desvantagens do aço na construção civil

As vantagens de construir com aço

Porque construir em aço

Uso do aço oferece soluções arrojadas na hora de construir

Perguntas e Respostas sobre Estruturas Metálicas

Como evitar e eliminar a ferrugem

Construções híbridas, o melhor de dois mundos

Vantagens da Construção em Aço

Light steel framing: Estruturas em aço leve

Futuro Sustentável com o Aço.

Aço Inox na Arquitetura

Casas de aço: Tendência que avança no Brasil

Construção em aço pode acelerar o alcance da meta de 1 milhão de moradias no Brasil

Sem agredir a natureza, aço vira padrão popular

Nova técnica metalúrgica gera aço puro mais resistente que liga metálica

Uso Racional do Aço no Concreto Armado

PRÊMIO ABCEM 2008

Livro “Obra em Aço” de Zanettini, aborda os 40 anos de projetos no campo da arquitetura metálica

Tipos de aço e perfis para estrutura metálica de edifícios

Petrobrás e Zanettini planejam obra memorável

Novo Complexo de Exposição de Milão