Seu navegador não supoerta scripts

Busca

 

Curso a Distância - Redução do consumo de água em edificações

Curso a Distância - Eficiência Energética em Edifícios

Curso a Distância - Arquitetura Corporativa

Curso a Distância - Terra Crua

Curso a Distância - Arquitetura Acessível x Barreiras Arquitetônicas e Culturais

 

Artigos

 



Catálogo de Produtos Inclusivos

 

Acompanhe-nos

Facebook   Facebook

 

 

Sustentabilidade é uma das prioridades do IBDA , e temos a parceria com o GRUPO SUSTENTAX.
A “Sustentax – Engenharia de Sustentabilidade “ é uma empresa do grupo, que se dedica a projetos de sustentabilidade de empreendimentos, desenvolve o gerenciamento de certificação de prédios, com base no critério LEED (Leadership in Energy na Environmental Design) criado pelo USGBC (U.S. Green Building Concil).
Saiba mais: www.sustentax.com.br

Em Arquitetura sustentável (veja mais 133 artigos nesta área)

por Arq. Ms. Antonio Macêdo Filho

É chegada nossa hora?



Tem se falado muito que o Brasil finalmente passará a ingressar, nos próximos anos, no grupo dos países mais desenvolvidos do mundo. Há de fato uma série de indicadores favoráveis.

Preocupa-me, no entanto, o fato de que, para efetivamente entrarmos neste time de maneira definitiva e sólida, e permaneçamos lá, é preciso muito trabalho de muita gente bem preparada para lidar com os desafios desta missão. E aí está a questão fundamental, a meu ver: ainda não temos capital humano adequadamente formado para dar conta dos planejamentos, dos projetos, das execuções e operações que o conjunto de iniciativas necessárias para o desenvolvimento sustentável do país requer. E há muito que fazer.

O ambiente econômico difícil dos dois últimos anos nas maiores economias do mundo tem feito com que empresas dos mais diversos setores tenham dirigido seus vetores de crescimento para as nossas terras. Isto talvez favoreça a vinda de boas cabeças estrangeiras para atuar por aqui. Eu mesmo tenho tido contato com algumas delas, que estão buscando oportunidades de negócios no Brasil.

Mas não podemos depender disto. Temos que ter gente bem preparada aqui, falando (e bem) o português, e sabendo do que está falando. Não há mais tempo para improvisos e jeitinhos. Não me refiro apenas aos jogos de 2014 e 2016. Eles certamente darão forte impulso aos investimentos, mas precisamos de muito mais que isto para manter o fluxo, gerar e reproduzir as oportunidades e criar o desenvolvimento sustentável do país. Exemplifico:

A) Matriz energética


Usina hidrelétrica de Itaipu, que até 2008 era a maior do mundo.



Hoje (2010), pouco mais de 80% da produção de energia elétrica brasileira é de fonte hidrelétrica, portanto, renovável (deixemos o tema do impacto das construções das usinas para outra discussão). Há 15 anos, era 95%. O que mudou, fundamentalmente, foi a entrada, a custo relativamente baixo para o consumidor final, do gás vindo da Bolívia. Ou seja, estamos trocando uma fonte renovável por outra não renovável, poluente, geradora de CO2 e ainda importada. Esta solução tem sido necessária para dar conta do crescimento da oferta, que tem que atender à demanda crescente. Considerando-se que o crescimento da demanda de energia tem elasticidade de aproximadamente 2 em relação ao crescimento do PIB, podemos esperar uma evolução entre 12 e 15% em 2010, em relação a 2009. Ou seja, temos que produzir mais, de qualquer jeito. Com isto, estamos olhando a questão apenas pelo lado da oferta.

A questão é: podemos obter importantes resultados otimizando o consumo (e em muitos casos, até reduzindo), aumentando a eficiência energética, do lado da demanda. Há diversas formas de fazê-lo. Seja estimulando a produção e implantação de sistemas de energias renováveis nas unidades de consumo final, especialmente solar e eólica, seja estimulando o consumidor a utilizar equipamentos de baixo consumo, informando as pessoas em todos os níveis a adotar melhores hábitos de consumo, seja promovendo regulamentações nas diferentes esferas de governo para promover a eficiência. Medidas assim podem conter a voracidade do crescimento do consumo de energia sem comprometer o desenvolvimento. Já deu certo em países como a Alemanha, Espanha e Japão. Em todos os casos, sem exceção, o que é necessário? Informação e formação técnica, além, naturalmente, da educação básica.

B) Energias renováveis


Parque eólico de Osório, no Rio Grande do Sul



Recentemente, os primeiros dois grandes leilões de energia eólica do país colocaram o Brasil no cenário mundial de energia a partir dos ventos. Dezenas de empresas conquistaram o direito de construir parques eólicos com contratos de venda da energia ao governo. Muito bom. Boa iniciativa. Espera-se que o sucesso destas primeiras estimule outras, inclusive também na área da energia solar, em especial a fotovoltaica, que de outra forma não se viabilizaria. Foi com estímulos que a tecnologia se desenvolveu em outros países. Certamente este será o caminho a ser seguido também por aqui.

A questão aqui é: quem vai projetar, implantar, operar e manter estas usinas de geração de energia eólica e solar? Para garantir que as oportunidades que se apresentem sejam de fato aproveitadas e possamos ter maior contribuição de fontes renováveis em nossa matriz energética, precisamos de gente muito bem preparada para dar conta do serviço. Temos? Ainda não. Temos recebido, isto sim, empresas estrangeiras, mais bem preparadas e com experiências bem sucedidas, especialmente no atlântico norte. O que é necessário? Informação e formação técnica, além, é claro, de inteligência para aprender com a experiência de quem sabe mais.

C) Infra-estrutura


Aeroporto Internacional de Guarulhos, o maior do país, hoje já saturado.



Para que o país possa dar vazão aos estímulos do crescimento, sem entraves, é preciso construir, e rapidamente, estrutura física adequada em diferentes setores: estradas, ferrovias, hidrovias, portos, aeroportos, metrôs, avenidas, viadutos, sistemas de telecomunicações e internet, estádios, residências e edifícios comerciais e industriais, tudo de maneira mais sustentável possível. É um desafio e tanto.

A questão, mais uma vez, é: temos gente qualificada em quantidade suficiente para dar conta do recado? Certamente ainda não. Temos que empreender um grande esforço na preparação de mão de obra e intelecto de alto nível para desenvolver estes projetos e obras. E aqui entra a questão do tempo. Não basta investir em formação técnica fundamental e de graduação. É preciso especialização. Rápida, eficiente e focada. Dirigida a aplicações de técnicas e tecnologias para acelerar a realização destas importantes obras. Ao governo cabe, a meu ver, estimular ações neste sentido, além de desregulamentar e desburocratizar a implantação destes projetos, deixando a iniciativa privada fazer o que sabe: empreender.

D) Construções Sustentáveis

No mundo todo, a construção é responsável por em torno de 30% das emissões de gases de efeito estufa e pela utilização de ¾ de todos os recursos naturais. No Brasil, a construção tem crescido a taxas superiores às do PIB e é responsável por algo em torno de 2 milhões de empregos formais diretos. Estes números devem crescer ainda mais nos próximos anos, ajudando em grande parte a estimular o crescimento do PIB do país. Os edifícios são ainda responsáveis por algo em torno de 45% do consumo de energia elétrica no Brasil, 20 % do consumo de água e suas construções por 2/3 da produção de resíduos sólidos urbanos. Estes números deixam claro, portanto, que estamos falando de uma atividade de alto impacto ambiental.


Eldorado Office Tower, primeiro certificado LEED platina da América Latina



Construções sustentáveis são aquelas que são projetadas, construídas e operadas de maneira a otimizar o uso de materiais, água e energia, bem como gerar menos resíduos e impactos ambientais, além de oferecer melhor qualidade dos espaços e do ar interior. Com isto melhoram o nível de conforto e de qualidade de vida, proporcionando maior eficiência e produtividade, além de valorização comercial e menor impacto ambiental. Ou seja, temos que fazer construções sustentáveis. O mundo todo está tentando fazer isto.

Para fazer edifícios sustentáveis, é preciso, necessariamente, partir de um processo de projeto integrado. Todos os envolvidos, não apenas projetistas, mas também proprietários, usuários, administradores, construtores, fornecedores, devem estar comprometidos em buscar os melhores resultados.

Em se tratando de projeto, não é mais possível seguir o processo tradicional, unidirecional, que parte do arquiteto, vai para o estruturalista, para o projetista de instalações, ar condicionado, etc. É preciso que todos trabalhem juntos, em um processo de alimentação mútua contínuo. Para isto, é fundamental melhor capacitação técnica de todos, não só para que entendam em que condições cada um pode melhor colaborar para o melhor desempenho do edifício como um todo, como até mesmo para conseguir desenvolver projetos que podem requerer detalhamentos profundos e simulações computacionais de desempenho.

E) Certificações ambientais e etiquetagem de edificações



Certificações ambientais podem ser obtidas por construções sustentáveis para garantir e atestar que tais edificações de fato possam ser assim consideradas. São promovidas por entidades acreditadas nacionais e internacionais e requerem o atendimento por estas edificações a um conjunto de requisitos e recomendações muitas vezes extenso e detalhado, para que possam ser certificadas.

No Brasil as certificações mais utilizadas são o LEED - Leadership in Energy and Environmental Design, promovida pelo US Green Building Council e o Processo AQUA, desenvolvido a partir do modelo francês HQE – Haute Qualité Environnementale, pela Fundação Vanzolini, que a promove no Brasil. Há ainda o programa brasileiro de etiquetagem de edificações Procel Edifica, da Eletrobrás / Procel, que avalia o desempenho energético de novas construções.


Etiqueta Procel Edifica



A adesão a quaisquer destas certificações é voluntária e os primeiros edifícios certificados do país confirmaram a expectativa e se tornaram sucesso comercial. Alguns estão inclusive buscando obter recursos com a venda de créditos de carbono, algo que ainda é recente, mas certamente irá crescer muito em todo o mundo.


O que se observa agora, no entanto, é que está faltando mão de obra técnica habilitada a lidar com as certificações, para assessorar os projetistas e construtores neste processo, em todo o país. Posso apenas imaginar como será quando o Procel Edifica vier a se tornar obrigatório - como já ocorreu em outros países e também no Brasil em outros setores, como o de eletrodomésticos - e todos os arquitetos tiverem que saber, ainda em projeto, quanto o edifício que estiver projetando consumirá de energia, em kWh / m2 / mês, quando construído e em operação. Quantos podem dizer que sabem fazer esta conta?

Precisamos de muitos mais LEED AP´s, Auditores AQUA e profissionais preparados para utilizar bem o Procel Edifica e para lidar com as demais questões relacionadas à construção sustentável. O que é necessário? Uma vez mais: formação, atualização e capacitação profissional.

Este, acredito, é um dos maiores desafios ao desenvolvimento sustentável do país.


Conheça Agenda de cursos EcoBuilding


Você conhece o "Curso a distancia IBDA - SitEscola? Veja os cursos disponíveis, e colabore com o IBDA, participando, divulgando e sugerindo novos temas.

Comentários

Mais artigos

O que é Ecoeficiência e Sustentabilidade ?

Arquitetura Sustentável - O que é um projeto sustentável

Arquitetura ecológica x Arquitetura sustentável

Iluminação natural, uma questão de sustentabilidade

Cobertura Verde: Um Conceito Barato e Ecológico para a Engenharia Civil

O Impacto da Construção Civil no Meio Ambiente

Acessibilidade para os mais velhos

Como assim, arquitetura sustentável...

Como Transformar Empreendimentos Existentes em Sustentáveis

Princípios básicos para uma Arquitetura Sustentável e Materiais Sustentáveis

Cenário da Construção Civil e Conceito de Construção Sustentável

Sustentabilidade Social Também é Fundamental

Materiais de construção sustentáveis

Arquitetura Sustentável

Infraestrutura verde e qualidade de vida

Acessibilidade para os mais velhos

Prédios verdes em crescimento?

Casas sustentáveis, o futuro das cidades

Como identificar os falsos produtos sustentáveis

Dicas de sustentabilidade para sua cozinha

Materiais Sustentáveis

Como reaproveitar a água da chuva?

Casas Sustentáveis: Lucro Certo.

Meio Ambiente e Construção Civil

Como Aplicar a Sustentabilidade em Casa?

Sustentabilidade é pura bobagem

Sustentabilidade: pequenas atitudes podem fazer a diferença.

Novos hábitos para uma cozinha ecológica

Ecologia Urbana – Ações Simples que Podem Preservar

Sustentabilidade no segmento de shoppings centers

Arquitetura Sustentável, seus conceitos

Panorama da sustentabilidade de empreendimentos no Brasil

Sustentabilidade na prateleira

Ecologia Urbana – Ações Simples que Podem Preservar o Meio Ambiente

Casas ecológicas, o que são?

RIO+20: As Delícias da Crítica Fácil ou O Manifesto da Contra-Indignação

Padrões de construção verde

Bambu é adotado como material de construção sustentável

Conheça o conceito de sustentabilidade e construção sustentável

Casas Ecológicas – Tenha um Lar Sustentável

Referências para o varejo sustentável

Hotéis verdes

Lojas mais sustentáveis

Meio Ambiente: Trabalhar sob a ótica da solução

Arquitetura Sustentável - O que é um projeto sustentável

Decoração ecológica

Como escolher produtos mais sustentáveis?

As várias faces da Sustentabilidade

Novas Referências na Sustentabilidade Empresarial

Seja sustentável no escritório também!

Pratique Sustentabilidade

Soluções incompletas para a substituição de sacolas plásticas

Arquitetura sustentável, o que é?

Sustentável no dia-a-dia

Concreto com menos cimento reduz impacto ambiental

As várias faces da Sustentabilidade

As Ecoineficiências dos Ecoeficientes

Prioridades na Sustentabilidade Corporativa

O varejo, os consumidores e os produtos sustentáveis

Acessibilidade urbana do portador de necessidades especiais e a sociedade

Como identificar produtos sustentáveis?

Politica e Gestão Ambiental – Proposta de Ecovilas para a população de baixa renda no Brasil

É chegada nossa hora?

Gestão Sustentável de Resíduos Sólidos da Construção Civil (GBC Brasil)

Casa com grama no telhado aposentaria ar-condicionado

Imóveis ‘verdes’: o uso de soluções para sustentabilidade

Simulação de Iluminação Natural para Certificação LEED

Primeiro empreendimento comercial certificado AQUA do Brasil

Sustentabilidade é, antes de tudo, um bom negócio!

Seminário da Construção e Certificação Sustentável (GBC Brasil)

A rotulagem ambiental e a competitividade no mercado interno

Produtos ecológicos? O detetive verde vai dizer.

Eficiência energética: CENPES - Centro de Pesquisas e Desenvolvimento da Petrobrás

Ventura Corporate Towers - Fortalecendo o movimento verde no Rio de Janeiro

Ambientes termicamente mais confortáveis

Tecnologias ambientais e sociais: uma condição essencial para um futuro sustentável

Cursos EcoBuilding

A importância dos selos verdes

Prédios verdes, o que considerar.

Lançamento do Projeto Residência Sustentável

O impacto dos materiais em projetos e na construção de empreendimentos sustentáveis.

Olimpíadas sustentáveis, mãos à obra!

Moradias mais eficientes, com melhor qualidade de vida e menor impacto socioambiental

Prédios Verdes: Rochaverá Corporate Towers: recebe certificação ambiental

CASA COR - Interiores sustentáveis

A sustentabilidade na construção civil

Inclusão social com sustentabilidade

Uma Floresta Pouco Ecológica

Moradias mais eficientes, com melhor qualidade de vida e menor impacto socioambiental

Telhado Vivo ou Telhado claro?

Desenvolvimento Urbano Sustentável: uma proposta para o cinturão verde de São Paulo

Copa do Mundo Verde

Etiquetagem de Imóveis: uma questão de números

Materiais com baixos impactos no meio ambiente, na sua saúde e no seu bolso.

Desenvolvimento urbano sustentável : uma questão de espaço.

A casa de emissão zero

Arquitetura sustentável : Ubatuba - SP ganha o primeiro residencial clube.

Quanto Custa uma Casa?: uma nova abordagem sustentável

Arquitetura Apropriada em busca da Sustentabilidade

Arquitetura sustentável: ONU pede para construção civil reduzir emissões de carbono

Arquitetura Sustentável : O green building ficou pronto e agora?

Sustentabilidade orientou obra pública da Todescan e Siciliano em São Paulo

Sustentabilidade na Construção: nem Flinstones, nem Jetsons.

Antes de pintar seu imóvel pense na saúde de sua família

Arquitetura Verde: O Edifício Harmonia 57 - Admirável verde vivo

Contribuindo com a sustentabilidade: indústria cimenteira transforma pneus e resíduos em cimento

Edifícios Ecológicos

Antigo prédio de Museu de História Natural reabrirá sob um cobertor verde

Produtos recomendados para construções sustentáveis recebem atestado na Mostra do sistema FIESP

O que é Arquitetura sustentável?

Geoengenharia pode desacelerar ciclo global da água

A Liderança Empresarial e a Sustentabilidade

Arquiteta insere conceito de sustentabilidade em projeto de bar na mostra B Gourmet

A educação do cliente final vai criar demanda por imóveis sustentáveis

Diretora da Anab incita empresários a buscar inovações nas universidades

Sustentabilidade para Educar

Sustentabilidade para o mercado de construção

Indicador de dispersão urbana mostra impacto ambiental das cidades

Curso Intensivo de Geobiologia no Rio de Janeiro com Allan Lopes Pires

Telhados verdes - O valor das coberturas verdes leves

Seminário de Sustentabilidade

Por que durabilidade?

Casa - uma questão de pele

Asfalto de borracha utilizado para repavimentar vias

Turbinas submersas vão gerar energia a partir das marés

Os critérios LEED de avaliação para construção verde

Construção verde: orientada para o mercado, sem perder de vista o meio ambiente

O Brasil e a necessidade de aplicar os conceitos da arquitetura sustentável

Solo-cimento, solução para economia e sustentabilidade

Dicas básicas para um edifício sustentável

Arquitetura da preservação na nova sede da Ipel

Casateliê, um exemplo de arquitetura sustentável

O que é Arquitetura sustentável?

Soluções em tratamento de esgoto da Alpina