Seu navegador não supoerta scripts

Busca

 

Curso a Distância - Redução do consumo de água em edificações

Curso a Distância - Eficiência Energética em Edifícios

Curso a Distância - Arquitetura Corporativa

Curso a Distância - Terra Crua

Curso a Distância - Arquitetura Acessível x Barreiras Arquitetônicas e Culturais

 

Artigos

 



Catálogo de Produtos Inclusivos

 

Acompanhe-nos

Facebook   Facebook

 

 

Sustentabilidade é uma das prioridades do IBDA , e temos a parceria com o GRUPO SUSTENTAX.
A “Sustentax – Engenharia de Sustentabilidade “ é uma empresa do grupo, que se dedica a projetos de sustentabilidade de empreendimentos, desenvolve o gerenciamento de certificação de prédios, com base no critério LEED (Leadership in Energy na Environmental Design) criado pelo USGBC (U.S. Green Building Concil).
Saiba mais: www.sustentax.com.br

Em Arquitetura sustentável (veja mais 134 artigos nesta área)

por Karolinne Sotomayor Azambuja

Acessibilidade urbana do portador de necessidades especiais e a sociedade



O presente artigo trata das dificuldades que o portador de necessidades enfrenta no meio social. O objetivo principal que desencadeou este estudo foi a necessidade de reintegração social desse indivíduo no contexto social e urbano das cidades, para que seja aceito como um integrante participativo e ativo na sociedade.
Foi elaborado primeiramente através de pesquisas a conceituação da deficiência como um fator indispensável para se entender melhor o problema físico que afeta o portador, em seguida a relação da deficiência com o indivíduo, para compreender o problema psíquico, depois a relação do portador com a sociedade a fim de possibilitar um entendimento ao preconceito existente e por último as limitações impostas ao deficiente mostrando o fruto de uma sociedade despreparada para receber esse indivíduo.

Através das pesquisas realizadas foi-se possível compreender o comportamento da sociedade e do próprio deficiente em relação ao seu problema, foi-se possível definir de um modo geral o que é a deficiência e o que ela representa para a pessoa que a adquire.

Analisando também o centro da cidade de Campo Grande em Mato Grosso do Sul, foi-se possível constatar a criação de barreiras arquitetônicas que impossibilitam a acessibilidade do portador e o por quê da existência dessas barreiras limitadoras.

Devido toda essa análise, conclui-se que o problema dos portadores não é conviver somente com suas próprias limitações mas também com as limitações que a sociedade através de seu preconceito impõe por meio de barreiras tanto atitudinais quanto arquitetônicas.

Consultando-se um dicionário, a deficiência pode ser definida como uma falha, falta , defeito. Em seu sentido mais amplo, tratando-se de deficiência no ser humano, é conceituada como um defeito no corpo, na mente ou no organismo de uma pessoa.

Em 1980, a Organização Mundial de Saúde (OMS), elaborou a Classificação Internacional de Impedimentos Deficiências e Incapacidades, na qual considera três níveis de condições, onde o organismo não desempenha satisfatoriamente suas funções. Esses níveis estão definidos a seguir:

a)IMPEDIMENTO Refere-se a uma alteração psicológica, fisiológica ou anatômica (dano ou lesão) sofrida pelo indivíduo.

b)DEFICIÊNCIA Sequelas resultantes de um impedimento e, que venha restringir a execução de uma ou mais atividades consideradas normais às pessoas.

c)INCAPACIDADE Impossibilidade de uma pessoa viver integrada ao seu meio em virtude de uma deficiência, considerando a idade, sexo, fatores sociais e culturais.

Já, as deficiências, de acordo com sua origem, e a parte do organismo que atingem, se dividem em quatro grandes grupos, que se definem e se comportam em:

a)DEFICIÊNCIA FÍSICA: É por definição uma deficiência localizada no corpo do indivíduo. Assim estão classificados a vítima da poliomielite (paralisia infantil), a vítima de uma lesão medular, os amputados e outros. Geralmente é bem visível e necessita de aparelhos auxiliares para minorar o problema.

b)DEFICIÊNCIA SENSORIAL: São aquelas localizadas nos órgãos dos sentidos, como deficiência visual e auditiva.

c)DEFICIÊNCIA MENTAL: Existe neste aspecto todo um grupo de pessoas com déficit mental como os portadores de Síndrome de Down, incluindo também as vítimas de desnutrição crônica e da completa falta de estimulação.

d)DEFICIÊNCIA ORGÂNICA: Todas aquelas que atingem um órgão ou função de um órgão, é a categoria mais difícil de se definir e classificar por ser a menos assumida e a mais esquecida. O indivíduo que se encaixa nesta categoria , sem dúvida alguma, são os cardíacos. (Moura, 1992).

Um problema que pode-se levantar a respeito destas conceituações é que a deficiência, se confunde muito com incapacidade , devido às condições encontradas pelos portadores de necessidades especiais , na sua tentativa de se integrar ao meio.

Porém, a incapacidade não provém de uma deficiência aparente, um indivíduo em condição de aparente normalidade pode de fato se tornar deficiente se, sentir-se incapaz de realizar as tarefas do cotidiano. Essa deficiência chama-se imaginária.

Essa deficiência imaginária é fruto do medo do fracasso e não de uma anormalidade qualquer, é o caso de Marilene que relata:"Eu tenho duas pernas e dois braços perfeitos e não consigo praticar esporte. É uma deficiência neste campo."
A deficiência poderá deixar de ser considerada como tal na medida que se conseguir levar a pessoa a se realizar em áreas em que possa desempenhar com competência. Podemos então concluir que existe uma grande diferença entre ser portador de uma deficiência e se sentir com deficiência.

O que acontece é que cada pessoa reage de uma maneira diferente em cada situação , e por falta de uma boa orientação, tende-se mais a padronizar reações negativas condicionadas por aspectos sociais, do que pelo fato em si, a definição de Moura (1992) enfatiza esse aspecto:

Assim como toda deficiência é socialmente estigmatizante, o indivíduo portador de uma deficiência se sente censurado e tende a gerar sentimentos e comportamentos comprometidos. Assim, uma mínima anormalidade, por falta de um bom trabalho de reabilitação, pode se tornar um mal incapacitante com prejuízos à pessoa e à coletividade em geral.

Ä tendência excessiva tanto da negação quanto da sua dramatização, leva à distorção da percepção, dificultando uma convivência, digamos pacífica, com um problema comum, e que poderá transformar uma deficiência real leve em uma deficiência imaginária muito mais profunda. Enfim, a deficiência – física , sensorial, mental e orgânica – só torna-se de fato um problema, quando não bem tratada.(Ferreira, 1984).

UMA QUESTÃO SOCIAL

A marginalização social em relação as pessoas deficientes se manifesta na dificuldade que o portador de necessidades especiais tem em participar do processo produtivo da sociedade, pois não lhe é acessível o direito à educação e à profissionalização.

Essas limitações são impostas pela estrutura social que não reconhece esse direito e acaba não oferecendo então, acesso a essas oportunidades. O que a sociedade não percebe é que a deficiência física não é algo que lesa ou incapacita a pessoa, nem a causa de alguém ter limitações para agir.

O que lesa ou impossibilita a ação é o preconceito em nossa sociedade, que apesar de alguns avanços, prefere ver o portador de deficiência à distância, segregado em algumas instituições especializadas ou em sua própria casa. Para enfatizar isso,basta observar o quanto a arquitetura urbana é despreparada para receber a pessoa portadora de necessidades especiais.

Isto acaba levando o portador a acreditar que ele é um problema. Nessa situação a pessoa deficiente nem chega a perceber que a deficiência, pela própria natureza, é um problema social e não individual, pois não nascemos para ser deficientes, nascemos para ter liberdade física total.

A única maneira da deficiência passar a ser extremamente suportável é quando o deficiente encontra todo um meio adequadamente preparado para poder lutar pela nova vida. Como vencer desafios é uma marca do homem, quando são desafios possíveis de serem vencidos, ele vai à luta com maior disposição e sempre contando com o apoio e estrutura que a sua situação sócio-econômica permite.(Moura, 1992)

Enquanto para o portador de deficiência, em contato com um meio inadequado, as perspectivas são as piores possíveis, a possibilidade de se tornar um inválido social é grande. Portanto um coitadinho.

REABILITAÇÃO E REINTEGRAÇÃO

Na realidade , o que se faz até hoje em reabilitação nada mais é do que seguir o modelo médico, puramente funcionalista, onde o importante é apenas reabilitar algumas funções físicas e fisiológicas do cidadão e deixar o resto para a pessoa ou a família resolver.
Como se pode deduzir, isto é apenas uma pequena parte do processo de reabilitação, uma vez que o ser humano não é um ser isolado. É preciso, de fato, pensar em um processo global de reintegração social, com todas suas implicações, tirando o indivíduo portador de uma deficiência da sua potencial condição de marginalizado.

É necessário reabilitar nossa sociedade, para que o portador de necessidades especiais seja visto como pessoa, como um ser que sente e vive, e não pela sua deficiência.

A reabilitação deve ser um processo global de reintegração social da pessoa com deficiência , que vai desde a reorganização psico-física do indivíduo à uma revisão ampla e irrestrita de todo o processo educacional da sociedade, propiciando ao portador o desenvolvimento de todo o deu potencial humano.(Botomé, 1984).

BARREIRAS ATITUDINAIS

Chamamos de barreiras tudo aquilo que impede uma pessoa reabilitada de desempenhar o seu livre direito de ir e vir, em última análise o seu papel de cidadão, com direitos e deveres comuns a todos. Podemos dividi-las simplesmente em barreiras naturais e barreiras sociais ou culturais.

Tirando as barreiras naturais que são relativas à topografia e as condições climáticas naturais do meio ambiente, vamos nos deter nas barreiras sociais, pois estas são as que mais interferem na vida do portador de deficiência atualmente.

Como barreiras sociais ou culturais, isto é, construídas ou criadas pelo homem na sua relação com o meio social, temos as barreiras atitudinais e as barreiras arquitetônicas, sendo esta última em nosso entender, fruto da primeira, uma vez que tendo uma atitude de “não ver” o portador de deficiência, o homem constrói coisas de acordo com a sua necessidade e capacidade orgânica: basta olhar a arquitetura das cidades.(Moura, 1992)

A conclusão é obvia, são as barrreiras atitudinais. O preconceito, o fator maior que dificulta a completa integração social da pessoas com deficiência. O preconceito ou barreiras atitudinais são o elemento impeditivo. Estes de maneira geral aparecem mascarados na forma de excesso de piedade ou na forma de elogio exagerado.

É portanto, o portador de deficiência um coitadinho em potencial, com mil e uma barreiras a serem vencidas , todas elas a impedi-lo de ter uma vida normal. Se olharmos com atenção à nossa volta, poderemos perceber com facilidade as barreiras arquitetônicas. Uma escada íngreme sem corrimão, ou uma porta estreita demais, um piso escorregadio, enfim um sem número de elementos arquitetônicos a impedir o livre acesso dos portadores. Se prestarmos atenção, a diminuição de várias barreiras não teria um custo absurdo e facilitaria a vida não só da pessoa com deficiência, mas de toda uma população, urbana principalmente.

A ansiedade e a frustração causada por uma barreira, seja arquitetônica ou atitudinal, é de tal magnitude que na prática determina o início de um processo de incapacitação da pessoa com deficiência, a partir da própria pessoa, pela introjeção do olhar público, do preconceito.

O processo de reintegração social só irá de fato acontecer quando a atitude preconceituosa , tanto da sociedade quanto do portador, deixar de existir, e só acontecerá quando um programa de conscientização for elaborado com a colaboração de toda a sociedade civil.

BARREIRAS ARQUITETÔNICAS NOS CENTROS URBANOS

O centro urbano de Campo Grande, Mato Grosso do Sul, usado neste estudo, apresenta diversas barreiras que impedem o livre acesso do Portador de necessidades especiais.

As calçadas do centro até apresentam uma continuidade regular, porém o comércio em sua maioria possui lojas que compõem degraus em seus acessos principais. Degraus mínimos que facilmente poderiam ser substituídos por pequenas rampas de acesso.

Em alguns trechos da cidade, nas áreas com aclives ou declives, as calçadas não apresentam continuidade, a construção e manutenção cabe ao responsável pelo imóvel, que não tem conscientização de seu uso coletivo. Se não há preocupação em facilitar o acesso para pessoas sem deficiência, imagine para as pessoas com limitações.

O mobiliário urbano também pode ser considerado uma barreira arquitetônica se estiver localizado em um espaço urbano específico que não permite um deslocamento seguro para o portador.
Concluindo, É importante darmos continuidade às calçadas sem criarmos desníveis muito acentuados, evitarmos plantar espécies vegetais que prejudicam a circulação e estarmos atentos na eliminação de obstáculos que possam prejudicar a passagem do portador pela calçada, já, esta deve possuir 1,50m de largura no mínimo.

A inserção social é indispensável para que todo homem seja aceito como um integrante participativo na sociedade. Ter livre acesso ao espaço urbano é de fundamental importância para o portador de deficiência física.
Disso depende o seu crescimento pessoal, político e social. A simples constatação de que existem barreiras arquitetônicas e ambientais já limita por si só, o espaço existencial do portador de deficiência, que fica sem motivação para sair de casa e integrar-se na vida de sua comunidade.

Para concluir este artigo, deve-se aprofundar um estudo mais detalhado das cidades em relação as suas barreiras arquitetônicas a fim de integrar o deficiente em seu meio, sem impedimentos, e é necessário também uma conscientização geral da sociedade, mudar o seu modo de pensar, para aceitar a necessária convivência deste cidadão com a população que o cerca.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Adequação das edificações e do mobiliário urbano à pessoa deficiente.Rio de Janeiro,CE2065, CB2 1991.
FERREIRA, Rafael C. V. Ser deficiente não é defeito. São Paulo, PBQ.
FERREIRA, Marcos R. BATOMÉ. Silvio P . Deficiência Física e Inserção Social A Formação dos Recursos Humanos. Caxias do Sul, EDUCS, 1984.
MOURA, Luiz C.M. A Deficiência nossa de cada dia De coitadinho a super-herói. São Paulo, IGLU.
PAIVA, Marcelo R. Feliz Ano Velho. São Paulo, Brasiliense, 1983.
PROENÇA, Iva F. Posso ajudar você? Minha experiência com meu filho excepcional. São Paulo, EDICON, 1987.
Projeto Rio-Cidade e a Questão da Acessibilidade para as pessoas com Dificuldade de Locomoção.
RUSK, Howard A. Vença a Incapacidade Física . São Paulo, IBRASA, 1979.



Você conhece o "Curso a distancia IBDA - SitEscola? Veja os cursos disponíveis, e colabore com o IBDA, participando, divulgando e sugerindo novos temas.

Comentários

Mais artigos

Sustentabilidade na arquitetura: o que é arquitetura vernacular?

O que é Ecoeficiência e Sustentabilidade ?

Arquitetura Sustentável - O que é um projeto sustentável

Arquitetura ecológica x Arquitetura sustentável

Iluminação natural, uma questão de sustentabilidade

Cobertura Verde: Um Conceito Barato e Ecológico para a Engenharia Civil

O Impacto da Construção Civil no Meio Ambiente

Acessibilidade para os mais velhos

Como assim, arquitetura sustentável...

Como Transformar Empreendimentos Existentes em Sustentáveis

Princípios básicos para uma Arquitetura Sustentável e Materiais Sustentáveis

Cenário da Construção Civil e Conceito de Construção Sustentável

Sustentabilidade Social Também é Fundamental

Materiais de construção sustentáveis

Arquitetura Sustentável

Infraestrutura verde e qualidade de vida

Acessibilidade para os mais velhos

Prédios verdes em crescimento?

Casas sustentáveis, o futuro das cidades

Como identificar os falsos produtos sustentáveis

Dicas de sustentabilidade para sua cozinha

Materiais Sustentáveis

Como reaproveitar a água da chuva?

Casas Sustentáveis: Lucro Certo.

Meio Ambiente e Construção Civil

Como Aplicar a Sustentabilidade em Casa?

Sustentabilidade é pura bobagem

Sustentabilidade: pequenas atitudes podem fazer a diferença.

Novos hábitos para uma cozinha ecológica

Ecologia Urbana – Ações Simples que Podem Preservar

Sustentabilidade no segmento de shoppings centers

Arquitetura Sustentável, seus conceitos

Panorama da sustentabilidade de empreendimentos no Brasil

Sustentabilidade na prateleira

Ecologia Urbana – Ações Simples que Podem Preservar o Meio Ambiente

Casas ecológicas, o que são?

RIO+20: As Delícias da Crítica Fácil ou O Manifesto da Contra-Indignação

Padrões de construção verde

Bambu é adotado como material de construção sustentável

Conheça o conceito de sustentabilidade e construção sustentável

Casas Ecológicas – Tenha um Lar Sustentável

Referências para o varejo sustentável

Hotéis verdes

Lojas mais sustentáveis

Meio Ambiente: Trabalhar sob a ótica da solução

Arquitetura Sustentável - O que é um projeto sustentável

Decoração ecológica

Como escolher produtos mais sustentáveis?

As várias faces da Sustentabilidade

Novas Referências na Sustentabilidade Empresarial

Seja sustentável no escritório também!

Pratique Sustentabilidade

Soluções incompletas para a substituição de sacolas plásticas

Arquitetura sustentável, o que é?

Sustentável no dia-a-dia

Concreto com menos cimento reduz impacto ambiental

As várias faces da Sustentabilidade

As Ecoineficiências dos Ecoeficientes

Prioridades na Sustentabilidade Corporativa

O varejo, os consumidores e os produtos sustentáveis

Acessibilidade urbana do portador de necessidades especiais e a sociedade

Como identificar produtos sustentáveis?

Politica e Gestão Ambiental – Proposta de Ecovilas para a população de baixa renda no Brasil

É chegada nossa hora?

Gestão Sustentável de Resíduos Sólidos da Construção Civil (GBC Brasil)

Casa com grama no telhado aposentaria ar-condicionado

Imóveis ‘verdes’: o uso de soluções para sustentabilidade

Simulação de Iluminação Natural para Certificação LEED

Primeiro empreendimento comercial certificado AQUA do Brasil

Sustentabilidade é, antes de tudo, um bom negócio!

Seminário da Construção e Certificação Sustentável (GBC Brasil)

A rotulagem ambiental e a competitividade no mercado interno

Produtos ecológicos? O detetive verde vai dizer.

Eficiência energética: CENPES - Centro de Pesquisas e Desenvolvimento da Petrobrás

Ventura Corporate Towers - Fortalecendo o movimento verde no Rio de Janeiro

Ambientes termicamente mais confortáveis

Tecnologias ambientais e sociais: uma condição essencial para um futuro sustentável

Cursos EcoBuilding

A importância dos selos verdes

Prédios verdes, o que considerar.

Lançamento do Projeto Residência Sustentável

O impacto dos materiais em projetos e na construção de empreendimentos sustentáveis.

Olimpíadas sustentáveis, mãos à obra!

Moradias mais eficientes, com melhor qualidade de vida e menor impacto socioambiental

Prédios Verdes: Rochaverá Corporate Towers: recebe certificação ambiental

CASA COR - Interiores sustentáveis

A sustentabilidade na construção civil

Inclusão social com sustentabilidade

Uma Floresta Pouco Ecológica

Moradias mais eficientes, com melhor qualidade de vida e menor impacto socioambiental

Telhado Vivo ou Telhado claro?

Desenvolvimento Urbano Sustentável: uma proposta para o cinturão verde de São Paulo

Copa do Mundo Verde

Etiquetagem de Imóveis: uma questão de números

Materiais com baixos impactos no meio ambiente, na sua saúde e no seu bolso.

Desenvolvimento urbano sustentável : uma questão de espaço.

A casa de emissão zero

Arquitetura sustentável : Ubatuba - SP ganha o primeiro residencial clube.

Quanto Custa uma Casa?: uma nova abordagem sustentável

Arquitetura Apropriada em busca da Sustentabilidade

Arquitetura sustentável: ONU pede para construção civil reduzir emissões de carbono

Arquitetura Sustentável : O green building ficou pronto e agora?

Sustentabilidade orientou obra pública da Todescan e Siciliano em São Paulo

Sustentabilidade na Construção: nem Flinstones, nem Jetsons.

Antes de pintar seu imóvel pense na saúde de sua família

Arquitetura Verde: O Edifício Harmonia 57 - Admirável verde vivo

Contribuindo com a sustentabilidade: indústria cimenteira transforma pneus e resíduos em cimento

Edifícios Ecológicos

Antigo prédio de Museu de História Natural reabrirá sob um cobertor verde

Produtos recomendados para construções sustentáveis recebem atestado na Mostra do sistema FIESP

O que é Arquitetura sustentável?

Geoengenharia pode desacelerar ciclo global da água

A Liderança Empresarial e a Sustentabilidade

Arquiteta insere conceito de sustentabilidade em projeto de bar na mostra B Gourmet

A educação do cliente final vai criar demanda por imóveis sustentáveis

Diretora da Anab incita empresários a buscar inovações nas universidades

Sustentabilidade para Educar

Sustentabilidade para o mercado de construção

Indicador de dispersão urbana mostra impacto ambiental das cidades

Curso Intensivo de Geobiologia no Rio de Janeiro com Allan Lopes Pires

Telhados verdes - O valor das coberturas verdes leves

Seminário de Sustentabilidade

Por que durabilidade?

Casa - uma questão de pele

Asfalto de borracha utilizado para repavimentar vias

Turbinas submersas vão gerar energia a partir das marés

Os critérios LEED de avaliação para construção verde

Construção verde: orientada para o mercado, sem perder de vista o meio ambiente

O Brasil e a necessidade de aplicar os conceitos da arquitetura sustentável

Solo-cimento, solução para economia e sustentabilidade

Dicas básicas para um edifício sustentável

Arquitetura da preservação na nova sede da Ipel

Casateliê, um exemplo de arquitetura sustentável

O que é Arquitetura sustentável?

Soluções em tratamento de esgoto da Alpina