Seu navegador não supoerta scripts

Busca

 

Curso a Distância - Redução do consumo de água em edificações

Curso a Distância - Eficiência Energética em Edifícios

Curso a Distância - Arquitetura Corporativa

Curso a Distância - Terra Crua

Curso a Distância - Arquitetura Acessível x Barreiras Arquitetônicas e Culturais

 

Artigos

 



Catálogo de Produtos Inclusivos

 

Acompanhe-nos

Facebook   Facebook

 

 

por Prof. Eng. Roberto de Carvalho junior

Negligência com as instalações hidráulicas



As instalações prediais constituem subsistemas que devem ser integrados ao sistema construtivo proposto pela arquitetura, de forma harmônica, racional e tecnicamente correta.

Quando não há coordenação e/ou entrosamento entre o arquiteto e os profissionais contratados para a elaboração dos projetos complementares, pode ocorrer uma incompatibilização entre os projetos, o que, certamente, aparecerá depois, durante a execução da obra, gerando inúmeras improvisações para solucionar os problemas surgidos visando finalizar a execução das instalações.

Um projeto arquitetônico elaborado com os equipamentos adequadamente localizados, tendo em vista suas características funcionais, compatibilizado com os projetos de estrutura, fundações, instalações e outros pertinentes, é condição básica para a perfeita integração entre os vários subsistemas construtivos.

O projeto de instalações prediais harmoniosamente integrado aos demais projetos do edifício permitirá fácil operação e manutenção das instalações. A área de instalações prediais é carente de uma bibliografia que atenda às necessidades do aprendizado acadêmico, e até mesmo dos profissionais, no que se refere às interfaces físicas e funcionais da arquitetura com as instalações.

Foi no decorrer de nosso trabalho, observando e resolvendo problemas afins, que resolvemos fazer uma espécie de cartilha preventiva, de modo a melhorar a qualidade total da obra.

O livro de nossa autoria, “Instalações Hidráulicas e o Projeto de Arquitetura”, editado pela Blucher, foi desenvolvido com o intuito de abordar as principais interferências e interfaces das instalações hidráulicas prediais com o projeto arquitetônico.

Para tanto, apresenta noções básicas necessárias, ou seja, uma visão simplificada dos vários subsistemas das instalações prediais voltadas para o arquiteto, designer ou estudante de arquitetura, para que possam antecipar as soluções das interfaces e, consequentemente, desenvolver projetos harmonizados com as instalações visando seu perfeito funcionamento.

Essa compatibilização entre os vários subsistemas envolvidos na construção do edifício resultará em um correto andamento de obra evitando improvisações.

A maior parte das instalações executadas, em nosso país, são executadas fora dos padrões da ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. Como a Lei da Gravidade é gratuita, grande parte dos empreiteiros e construtores não pensam duas vezes e vão colocando as tubulações de tudo quanto é jeito, sem levar em consideração alguns conceitos importantes das instalações tais como as declividades mínimas necessárias para o escoamento do esgoto e das águas pluviais.

Outro bom exemplo são as tubulações de água potável que são projetadas e (ou) executadas sem levar em consideração a melhor forma para sua distribuição e negligencia com uso racional da água, negligenciando-se também as pressões ideais para o bom funcionamento dos aparelhos sanitários.

Como se sabe, todos os equipamentos de utilização de água (torneiras, chuveiros, entre outros) necessitam de uma pressão mínima para funcionarem satisfatoriamente. Quando esse parâmetro não é atendido alguns aparelhos não funcionam bem como, por exemplo, as duchas e os chuveiros elétricos. Isso acaba comprometendo o conforto do usuário, principalmente, na hora do banho.

Além desse descaso, ainda existem aqueles que fazem confusão com relação aos conceitos de pressão e vazão. Muitos encanadores e construtores desconhecem ou ignoram esses conceitos. Alguns acreditam que a pressão na rede de distribuição e nos pontos de utilização de água depende do tamanho do reservatório, sendo que a pressão depende exclusivamente da altura (pressão estática) e do percurso que a água percorre (pressão dinâmica).

Portanto, o volume do reservatório não determina o aumento ou diminuição das pressões, existentes numa instalação predial de água. As pressões dependem exclusivamente da altura. Quanto mais alto for o reservatório, maior será a pressão na rede e nos pontos de utilização de água.

Além de mal dimensionados, também se comete muitos equívocos com relação ao posicionamento desses reservatórios. A posição ideal, obviamente, quando não existem barreiras arquitetônica e estrutural, deve ser tal que fiquem o mais próximo possível dos pontos de consumo. Isso se deve a dois fatores: perda de carga e economia.

A perda de carga numa canalização pode ser entendida como sendo a diferença de energia inicial e a energia final de um liquido, quando o mesmo flui numa canalização de um ponto ao outro. Essas perdas poderão ser: distribuídas (ocasionadas pelo movimento da água na tubulação) e localizadas (ocasionadas pelas conexões, válvulas, registros, etc.).

Portanto, quando se coloca tubulações e conexões de forma aleatória essa perda de carga aumenta ocasionando conseqüentemente uma diminuição das pressões nos pontos de utilização de água.

Portanto, é preciso muito cuidado na hora de construir. Ás vezes o barato sai caro. Além do desconforto e das dores de cabeça, os prejuízos são enormes com os futuros vazamentos, entupimentos e mal funcionamento das instalações de água e esgoto.




Roberto de Carvalho Junior, Engenheiro civil, licenciado em matemática, com habilitação em física e desenho geométrico. Pós-graduado em didática do ensino superior. Mestre em hidráulica e saneamento e em arquitetura e urbanismo.




Fonte:www.aea.com.br




Você conhece o "Curso a distancia IBDA - CentrodEstudos? Veja os cursos disponíveis, e colabore com o IBDA, participando, divulgando e sugerindo novos temas.

Visite nossa página no facebook -www.facebook.com/forumconstrucao - Curta, Divulgue

Comentários

Mais artigos

Micos na obra: oito erros hidráulicos comuns em construção e reforma

A pressão d'água do meu chuveiro (da minha torneira ou vaso sanitário) está baixa. como resolver?

Conheça seis manifestações patológicas nas instalações hidráulico-sanitárias

Tipos de tubos: PVC, CPVC, PPR, PEX, PVC Esgoto!

Os erros mais comuns em reformas hidráulicas, e como evitá-los

6 dicas hidráulicas para a construção da sua nova casa

12 formas de economizar e reaproveitar água

Truques para descobrir se há vazamento de água na sua casa

Evite problemas com o encanamento

Vantagens de encanamento de PVC

Você acha que está com um vazamento de água?

Negligência com as instalações hidráulicas

Automação aplicada ao tratamento de efluentes. Preservação do meio ambiente.

Solução para falta d’água está sob a terra

Eterclean: filtro para tubulação de água

O saneamento paulista e uma frase histórica de Churchill

Desenvolvimento de novas técnicas de irrigação de precisão que garante uso racional da água

Os esgotos na Região Metropolitana de São Paulo

Alta tecnologia para H2O - tecnologias da água no Pavilhão Alemão Expo de Zaragoza

Brasil expõe projetos de saneamento básico em Zaragoza

Patologias freqüentes em sistemas prediais hidráulicos sanitários e de gás combustível decorrentes de falhas no processo

Água feita pelo homem tem química diferente

Aqua Vitae.com: blog latino-americano especializado no tema da água

Empresas e condomínios já tratam esgoto

Múltiplas necessidades, soluções variadas

Saneamento Básico e seu impacto no setor da construção

Revolução no Saneamento Básico

Doutores da Construção

Sistema compacto de tratamento de esgoto no formato vertical

Aquecedores a gás: não seja você a próxima vítima!

Transbordamento: antes de aumentar as secções das calhas, amplie a capacidade dos condutores verticais

Esquema de funcionamento e dimensionamento da instalação de água fria em residências

Água quente nos banheiros: qual é a melhor opção de aquecedor, elétrico, gás ou solar? Central ou localizado?

Qual a durabilidade do encanamento de um edifício? Qual o melhor material para as tubulações hidráulicas?

Pressão disponível, pressão estática e pressão dinâmica. O que é isto?

Conexão à rede pública de esgoto e o controle de roedores