Seu navegador não supoerta scripts

Busca

 

Curso a Distância - Redução do consumo de água em edificações

Curso a Distância - Eficiência Energética em Edifícios

Curso a Distância - Arquitetura Corporativa

Curso a Distância - Terra Crua

Curso a Distância - Arquitetura Acessível x Barreiras Arquitetônicas e Culturais

 

Artigos

 



Catálogo de Produtos Inclusivos

 

Acompanhe-nos

Facebook   Facebook

 

 

por Arq. Fabio Rocha / Sílvia Rocha

Arquitetura além da visão: uma reflexão sobre a iluminação nos ambientes empresariais



Em razão do crescente aumento do número de atividades realizadas em espaços fechados, o conforto ambiental passou a ser ponto fundamental na idealização dos projetos arquitetônicos. A iluminação, umas das principais variáveis de conforto, é motivo de grande preocupação nas empresas, especialmente nas áreas de recursos humanos e segurança do trabalho, por estar relacionada não só ao aspecto visual, mas também ao nível de ruído e à temperatura.

Uma iluminação inadequada pode causar fadiga, cefaleia e irritabilidade ocular, que se traduzirão em diminuição da produtividade, erros e até mesmo acidentes. A cognição e a percepção visual são aspectos fortemente influenciados pela iluminação, e quando essa influência é negativa, dependendo da natureza e do conteúdo do trabalho, as consequências podem ser graves.

As principais variáveis que podem interferir na iluminação são: o tipo de fechamento utilizado na construção, a escolha das luminárias e lâmpadas, as características refletivas dos materiais de revestimento e as cores empregadas.

Quanto ao tipo, a iluminação pode ser natural, que é aquela recebida pela luz solar através das aberturas (portas, janelas, telhas translúcidas, átrios etc.) e que pode variar de acordo com as condições atmosféricas, períodos do ano e horário do dia; ou artificial, que é a iluminação feita por lâmpadas elétricas.


Aproveitamento máximo de luz natural gera economia de energia


Esta segunda é um reforço à iluminação natural e pode ser geral ou suplementar. A iluminação geral ilumina todo o ambiente, não objetivando uma única operação, e pode ser constituída, por exemplo, de luminárias instaladas no teto. A iluminação suplementar ilumina melhor um determinado objeto ou ação e complementa a iluminação geral.

A definição do tipo de lâmpada e de luminária a serem usadas é um fator importantíssimo para a qualidade da iluminação. Sua escolha depende do tipo de ambiente e de qual atividade será desenvolvida no local.

De igual importância para o resultado final será a distribuição e localização dessas peças. As luminárias devem ser posicionadas de forma que previnam (ou conforme o caso, enfatizem) sombras e contrastes do que se quer iluminar.

A quantidade de luminárias necessárias para atingir o nível de iluminância adequado à execução de determinada tarefa é estabelecida pelo projeto luminotécnico, que leva em consideração a acuidade visual dos usuários, as tarefas desenvolvidas, as dimensões dos objetos a serem visualizados, o tempo de exposição desses objetos aos olhos, o pé direito do prédio, a altura do plano de trabalho, a reflexão do entorno, o contraste, as cores e o lay-out do local e o tipo de lâmpadas usadas.

Sobre iluminação, entendemos que:

1) Iluminância: é o fluxo luminoso incidente por unidade de área iluminada. Sua unidade de medida é o lux. Fluxo luminoso é a quantidade de luz emitida por segundo por uma fonte de luz, e sua unidade é o lúmen (lm). Para fins de cálculos luminotécnicos, a luz natural é desconsiderada.

2) Seleção da iluminância: nos locais de trabalho os níveis de iluminância mínimas são definidos pela NBR 5413:92, da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). A iluminância deve ser medida no campo de trabalho, e, quando este não é definido, entende-se o nível como referente a um plano horizontal a 0,75 m do piso.

3) Acuidade visual: é o grau de aptidão do olho para discriminar os detalhes. Para seleção da iluminância, a NBR 5413:92 atribui pesos conforme a idade do observador, os quais implicarão um nível maior ou menor de iluminamento mínimo necessário. Esta NBR distingue três faixas etárias: inferior a 40 anos, de 40 a 55 anos e superior a 55 anos. Também atribui pesos à velocidade e precisão da tarefa e à refletância de fundo da atividade.

4) Lâmpadas: basicamente há dois tipos de lâmpadas, as incandescentes e as de descarga. Entre as incandescentes temos as comuns, as halógenas e as dicroicas. Entre as de descarga temos as de baixa pressão (fluorescentes e sódio baixa pressão) e as de alta pressão (mercúrio, sódio, mista e vapores metálicos). As lâmpadas incandescentes geram luz pela incandescência de um fio percorrido por corrente elétrica devido a seu aquecimento quando este é colocado no vácuo ou meio gasoso. As incandescentes halógenas contêm halogênio (iodo, flúor, bromo) em seu bulbo. As dicroicas funcionam similarmente às halógenas e têm um refletor dicroico que produz um facho concentrado de luz brilhante e impede a emissão de calor.

5) Tecnologia LED: o LED é um componente eletrônico semicondutor, ou seja, um diodo emissor de luz (do inglês light emitter diode). Fonte luminosa produzida à base de compostos orgânicos, um led típico funciona por mais de 11 anos, se usado por até 12 horas por dia. Mesmo com um custo de aquisição mais elevado que o de qualquer tecnologia que tenha recentemente alcançado o mercado, o uso de leds faz a conta de luz ficar mais barata. Usados, hoje em dia, especialmente em lugares em que as lâmpadas compactas fluorescentes não servem, os leds são a grande promessa do futuro no que diz respeito à iluminação em geral.

Em linhas gerais, entendemos: um bom projeto de iluminação deve contemplar, no mínimo, as seguintes ações:

a) alcançar um nível de iluminância adequado à utilização do ambiente;
b) escolher corretamente as lâmpadas e luminárias que serão empregadas, levando-se em conta também o fator economia;
c) reproduzir fielmente as cores dos objetos e do ambiente;
d) criar impressão de bem-estar e conforto aos usuários;
e) harmonizar a iluminação com o projeto global do ambiente, ou seja, diferenciar sempre os ambientes cuja iluminação deve ter função decorativa e/ou funcional;
f) criar circuitos elétricos independentes conforme o uso.

Ao projetar espaços corporativos, o arquiteto deverá entender o negócio de uma maneira ampla, porém conhecendo detalhadamente a situação de trabalho em que cada usuário, ou equipe, está inserido, de forma que compreenda todos os aspectos físicos e mentais envolvidos e os relacione aos princípios da ergonomia.

Frequentemente, os aspectos físicos são mais visíveis, pois estão associados ao modo operatório, às ações, aos gestos e movimentos de quem realiza as tarefas, diferentemente dos aspectos mentais, que abrangem a cognição e o psiquismo.

A cognição diz respeito ao raciocínio, à tomada de decisões, à memorização, ao planejamento, enfim, ao lado intelectual das atividades, e está diretamente ligada ao psiquismo, que contempla os sentimentos, as emoções, o comportamento e a percepção.

Sendo o local de trabalho um produtor de sensações (o que é sentido) que conduzem às percepções (o que é compreendido), todo cuidado é pouco no momento de sua concepção.


Você conhece o "Curso a distancia IBDA - SitEscola? Veja os cursos disponíveis, e colabore com o IBDA, participando, divulgando e sugerindo novos temas.

Comentários

Mais artigos

Projetos de luminotécnica na decoração de interiores

Iluminação residencial transformando ambientes

Iluminação em LED: vantagens e desvantagens.

Dicas de iluminação de interiores para sua casa

Como planejar a iluminação da sua casa

As dez regras de ouro de iluminação na casa

Níveis recomendados para iluminação de escritórios

Iluminação natural eficiente!

A iluminação direciona os sentimentos

A importância da iluminação na arquitetura

Iluminação para seu jardim II

Iluminação para seu jardim

Como iluminar o jardim durante a noite?

Uso de LED em projetos luminotécnico podem economizar até 70% de energia.

Cuidados com a boa iluminação do ambiente de trabalho

Acerte na escolha da luminária

Melhore a iluminação da cozinha

Como planejar adequadamente a iluminação de salas e cozinhas

O poder da iluminação

Iluminação residencial sem erros

LED - O que é?

Os segredos de uma boa iluminação na sala de estar

Dicas para Iluminação residencial

Lâmpadas para todos os gostos

O sentido da luz (uma reflexão)

Iluminação da cozinha, como melhorar?

Lâmpada LED tubular, vale a pena usar?

Nova norma de luminotécnica : NBR-8995-1

Afinal porque escolher lâmpadas LED?

Como iluminar bem as suas salas

Acertos na Iluminação

A importância da iluminação na arquitetura

Efeitos de iluminação

Iluminação natural eficiente!

Iluminação pública e segurança

Poluição Luminosa

Começa banimento das lâmpadas incandescentes

Iluminação e Sustentabilidade

Estudo de Caso - Sheraton Tribeca - 370 Canal Street NY, NY

Retrofit de Sistemas de Iluminação

Ilumine sua casa com luz natural!

Iluminação Comercial

Aproveitando a luminosidade para decorar ambientes

Iluminação de Fachadas

The next big change!

Iluminação certa para a cozinha

Projetando com LEDs

Iluminação residencial com Leds

Iluminação – A importância de um bom projeto

Projeto luminotécnico otimiza distribuição da luz artificial

Iluminação. Como deixar seu espaço mais agradável.

Tipos de iluminação na decoração

LEDs – Campeões da iluminação sustentável

Iluminação elaborada em casa!

Iluminação, a arte de criar ambientes decorados

Efeitos da iluminação no comportamento humano

Cuidados no descarte de lâmpadas queimadas: fluorescente x incandescente x led

Iluminação? Dicas para iluminar com economia

Iluminação residencial passo a passo.

Iluminação adequada nos ambientes. Dicas importantes.

Arquitetura além da visão: uma reflexão sobre a iluminação nos ambientes empresariais

Controlar a iluminação das ruas protege humanos e insetos

Iluminação sustentável

Lâmpadas fluorescentes compactas ganham eficiência e controle de brilho

A estética da luz e o designer das luminárias.

LED orgânico azul tem aumento de eficiência de 25%

Iluminação : Casa Alto Astral, sempre!

Luz branca de alta qualidade é produzida em lâmpada de estado sólido

LEDs orgânicos ganham 60% em eficiência e se aproximam da comercialização

Esponja absorvente de mercúrio pode resolver dilema das lâmpadas fluorescentes compactas

Iluminação Sustentável

Sistema híbrido utiliza luz solar para substituir lâmpadas

Em busca da luz natural