Seu navegador não supoerta scripts

Busca

 

Curso a Distância - Redução do consumo de água em edificações

Curso a Distância - Eficiência Energética em Edifícios

Curso a Distância - Arquitetura Corporativa

Curso a Distância - Terra Crua

Curso a Distância - Arquitetura Acessível x Barreiras Arquitetônicas e Culturais

 

Artigos

 



Catálogo de Produtos Inclusivos

 

Acompanhe-nos

Facebook   Facebook

 

 

Em Empreendimentos Imobiliários (veja mais 119 artigos nesta área)

por Eng. Civil Caio Sergio Calfat Jacob

A Terceira Geração dos Flats



E chegamos à terceira geração de flats. A primeira ocorreu entre o final da década de 1970 e o início da década de 1980, quando houve a percepção pelo mercado imobiliário - incorporadores e imobiliárias - de oportunidade para se vender apartamentos hoteleiros a compradores individuais e oferecia um produto híbrido, para atender tanto ao morador quanto ao hóspede, com apartamentos de cerca de 50 m2 de área útil e serviços hoteleiros.

Este produto foi o responsável, como grande novidade, pela quebra de, fundamentalmente, dois paradigmas: para o setor hoteleiro, era a solução contra a dificuldade de financiamento para a construção de hotéis, após o fracasso dos planos de financiamento por meio da Embratur desde os anos 1960; e para o setor residencial, o conceito de padrão desligava-se da definição de tamanho - era possível morar com conforto e luxo em pequenas dimensões, com serviços hoteleiros e, desta forma, atender a um grande mercado de casais sem filhos e de solteiros que poderiam morar com a mesma qualidade de produtos e serviços de um quatro-dormitórios, dentro de suas necessidades.

O sucesso deste conceito foi imediato, o mercado comprou a ideia e o produto, o que gerou uma grande superoferta de flats por todo o País.

Entretanto, com o maior desgaste dos equipamentos hoteleiros, em poucos anos eram necessárias intervenções de médio a grande porte para a renovação destes produtos, o que obrigava a investimentos por parte dos proprietários - investidores reunidos em pools de locação e residentes, indistintamente - gerando enorme conflito de interesses (para piorar a situação, em São Paulo, por exemplo, a propriedade das unidades nos edifícios de flats dividia-se, rigorosamente, ao meio, entre os residentes e os investidores, com interesses antagônicos, o que acirrava mais ainda os ânimos), mostrando ao mercado que este produto híbrido deveria ser aperfeiçoado.

Em outras regiões do Brasil estes conflitos não ocorreram, pois havia maioria de proprietários de um dos lados. No Rio de Janeiro, por exemplo, o flat de primeira geração sempre foi uma ótima opção de moradia (tanto é que é chamado de apart-hotel por lá, indicando sua utilização), com poucos investidores no pool e raras e caras unidades disponíveis para a venda.

Em Brasília, o antigo flat funciona muito bem como hotel, devido às suas características de projeto, em apartamentos de até dois cômodos, próprio ao viajante a trabalho de longa permanência. Seu valor imobiliário também é crescente, apesar do aumento de oferta hoteleira nos últimos anos.

Os problemas ocorridos na maior cidade do País, a superoferta de produtos no pool de locação - e, por consequência, a pequena atratividade do investimento nos mercados primário e, principalmente, secundário - inibiram os empreendedores e afugentaram os compradores, sendo responsáveis pelo desaparecimento de novos lançamentos de flats no mercado¬ ¬durante dez anos.

Plano Real e a segunda geração

A partir do Plano Real, a estabilidade econômica proporcionou o aumento do turismo de negócios e eventos no País, o que melhorou substancialmente o desempenho hoteleiro nas principais capitais brasileiras, indicando oportunidade para a construção de novos hotéis e, com os velhos problemas de falta ou dificuldade de se obter financiamentos para este fim, surgiram os flats de segunda geração, construídos a partir de 1996, cujos projetos atendiam individualmente a segmentos específicos: aos moradores o "residencial com serviços hoteleiros" de um, dois e até três dormitórios e, aos investidores, o "flat 100% no pool de locação" com apartamentos de dimensões que inibiam à moradia - em torno de 30 m2 de área útil - corrigindo-se, desta forma, o principal problema conceitual de produto ocorrido nos flats de primeira geração.

E a "corrida do ouro" ocorrida em meados de 1980, aconteceu em proporções ainda maiores no início dos anos 2000: a superoferta de empreendimentos construídos como flats, então puramente hoteleiros, em várias cidades do País, como São Paulo, Curitiba, Porto Alegre, Belo Horizonte, entre outras, o que não ocorreu no Rio de Janeiro, por exemplo.

Em São Paulo, 400 novos edifícios de flats, totalizando mais de 40 mil apartamentos foram construídos naquela geração, quadruplicando a oferta hoteleira do município; uma pequena crise econômica ocorreu naquele início de década, fato que dificultou ainda mais a absorção pelo mercado destes novos empreendimentos, sendo que o fundo do poço foi atingido em 2003, com a taxa de ocupação média anual dos hotéis paulistanos caindo a 26% e a diária média anual a um nível 70% inferior aos valores praticados na década anterior.

Vários dos antigos flats foram transformados em residenciais com serviços hoteleiros, alguns hotéis de regiões degradadas da cidade mudaram de uso ou fecharam, obrigando a uma seleção natural de nosso setor de hospedagem, o que obrigou à boa qualificação da oferta hoteleira paulistana, hoje formada por 42 mil apartamentos, sendo mais de 30 mil construí¬dos há cerca de 15 anos, a maioria pertencente à segunda geração de flats.

Oportunidades da terceira geração

Em 2006, a taxa de ocupação dos hotéis paulistanos já atingia mais de 60%, porém a diária média continuava baixa; em 2010 chegamos ao nosso limite superior até agora, com a diária média atingindo os valores históricos das melhores fases e a taxa de ocupação de segunda a quinta-feira aproximando-se de 100% e a média anual em torno de 70%, o que indica oportunidade para se construir novos hotéis.

A histórica dificuldade para obtenção de financiamentos para a construção de hotéis e a grande demanda por hotéis no País, com crescimento econômico, entrada de novas e grandes redes hoteleiras internacionais e fortalecimento das nacionais, o turismo de negócios e eventos ocorrendo de forma intensa nas principais capitais, a Copa 2014 e Olimpíada 2016, a grande possibilidade de sediarmos a Exposição Universal de 2020, a interiorização das empresas, o crescimento das cidades pequenas e médias com economia forte em agroindústria, mineração, petróleo, parques empresariais, industriais e de logística, portos e aeroportos, o insuficiente, amador e familiar parque hoteleiro espalhado pelo País, são convincentes fatores que induzem ao surgimento da terceira geração de flats, seguindo o modelo adotado na segunda geração, agora sob as denominações de condo-hotéis para os empreendimentos hoteleiros e apart-hotéis para os residenciais com serviços hoteleiros.

E há dezenas de projetos, especialmente nas maiores capitais brasileiras, sendo planejados para serem lançados a investidores individuais, por meio de incorporação imobiliária ou de fundos imobiliários, com o flat, ou condo-hotel devendo continuar a desempenhar um papel importante na formação do parque hoteleiro brasileiro, pelo menos até que fontes de financiamento mais adequadas sejam viabilizadas no País.

Com isso, o Secovi-SP (Sindicato da Habitação de São Paulo), por meio do seu Núcleo Hoteleiro e Imobiliário-Turístico e da Diretoria de Flats, em parceria com a ABIH (Associação Brasileira da Indústria de Hotéis) e FOHB (Fórum das Operadoras Hoteleiras Brasileiras), com o objetivo de evitar grande parte dos problemas ocorridos nas gerações anteriores - seja em aspectos jurídicos, seja em detalhes técnicos, mercadológicos e de definição de produtos - oferecerá aos mercados imobiliário e hoteleiro, no início do segundo semestre, o Manual de Regulação e Melhores Práticas de Hotéis de Investidores Pulverizados, sugerindo normas de conduta e orientação a todos participantes deste processo: incorporadores, redes hoteleiras, consultores hoteleiros, imobiliárias e investidores.





Eng. Civil Caio Sergio Calfat Jacob, Consultor imobiliário e hoteleiro. Sócio-diretor da Caio Calfat Real Estate Consulting (www.caiocalfat.com). Conselheiro e ex-presidente da LARES - Latin American Real Estate Society (www.lares.org.br). Coord. do Núcleo de Empreend. Hoteleiros e Imobiliário-Turísticos do Secovi-SP (www.secovisp.com.br). Prof. de Análise de Empreend. Hoteleiros do MBA Real Estate FUPAM e da pós-graduação em Gerenciamento de Empreend. na Construção Civil do Mackenzie. Coord. e Prof. do curso de Planej. e Desenv. de Empreend. Hoteleiros promovido pela AEA Cursos (www.aeacursos.com.br).




Fonte:www.aeacursos.com.br





Você conhece o "Curso a distancia IBDA - SitEscola? Veja os cursos disponíveis, e colabore com o IBDA, participando, divulgando e sugerindo novos temas.

Comentários

Mais artigos

Morar em condomínio: pontos positivos e negativos

Como Escolher um Apartamento

Comprando um imóvel com segurança

Hora de reforçar a higiene nos condomínios para combater as doenças no outono/inverno

A diferença entre construtora e incorporadora

Vistoria de apartamentos novos: porque ela é tão importante.

Dicas para a compra segura de seu imóvel

Os cuidados ao contratar a administradora do condomínio

Pensando nas Crianças: geração que vive em condomínio quer desfrutar de lazer e segurança

Taxas de condomínio: alternativas são necessárias para o momento de crise

O síndico e as reformas condominiais

Acessibilidade, Condomínios devem se adaptar

Mitos e verdades na compra de uma casa

Condomínios novos reduzem o consumo de água.

Vantagens e Cuidados na hora de Comprar Imóveis na Planta.

Condomínios: Tolerar ou não barulho de vizinhos.

Imóveis, A era dos supercompactos

Como elaborar um projeto de construção de uma casa?

Instalação de antena em topo do prédio

Dicas para a compra de casa de campo

Vidros na construção civil

Você sabe o que é manutenção predial?

Imóvel novo ou usado? Antes de decidir, veja o que levar em conta.

Manutenção, algo que todos precisamos

Alteração da fachada do apartamento: quem decide, o proprietário ou o condomínio?

Assembleia virtual em condomínios é tendência

Condomínio, sociedade que deve prevalecer o diálogo

Saiba como eliminar os cupins da sua casa

Ninguém quer ser síndico. E agora?

Perguntas e respostas sobre Direito Trabalhista

Como comprar um Imóvel sem acumular Dívidas.

O uso do FGTS para a compra de imóveis.

Primavera traz aumento de bichos indesejados no condomínio. Como se prevenir?

A área do Imóvel no Lugar Certo.

Como avaliar um imóvel?

Drogas em condomínios

À procura de uma administradora, Aspectos importantes a serem considerados

Com quantos shopping centers se faz uma cidade?

Quais os recursos que podem ser usados para definir um valor para o seu imóvel?

Qual a diferença entre área útil e área total?

Os criadores de um projeto imobiliário - bastidores de uma obra

Implantação do prédio no terreno

O que checar antes de assumir o cargo de síndico

Na hora de reformar, quem deve arcar com os gastos, o inquilino ou o proprietário?

Checklist contra incêndios

Guia para reciclagem em condomínios

Sazonalidades no condomínio

Festa no condomínio? Cuidado para não arranjar confusão!

Defeitos em edifícios

Imóvel na planta: sonho ou pesadelo?

Apartamentos Novos são menores?

Venda ou locação de vaga de garagem em condomínio?

Etiqueta em condomínios

Imóvel em condomínio? Dicas úteis na hora da compra.

Investir em imóveis na planta, como fazer?

Dez dicas para comprar um imóvel na planta.

Funcionalidade Importa mais que Tendências e Moda

A Terceira Geração dos Flats

Como fazer alterações na planta do apartamento sem reduzir seu preço de venda

Compra de Imóveis na Planta, o que analisar?

Alteração de fachadas e das áreas comuns

A sistemática do Projeto como empreendimento

Crédito imobiliário, saiba como escolher o melhor

Elevadores: Período de chuvas requer cuidados especiais

Sala de ginástica, como montar uma em seu prédio?

As finanças de um condomínio

Como conservar os elevadores?

As contribuições da Manutenção para a segurança do complexo predial

Síndico, quais são suas reais atribuições?

Estrangeirismos dominam lançamentos imobiliários

O mercado imobiliário e a internet

Condomínios: Critério de rateio

Comprando imóvel na planta? Cuidado com o contrato.

Sem entrar em armadilhas no Minha casa, Minha vida.

Prospecção: Os sete maiores erros cometidos pelos corretores de imóveis

Não se deixe enganar pelas áreas.

O que é necessário para fazer qualquer reforma ou obra em condomínios.

Qualidade na Construção Civil

Quanto vale seu imóvel? Quando dois mais dois, podem não ser quatro

Critério de rateio em condomínios

Construir para alugar

Pagar aluguel pode ser melhor do que fazer financiamento

Construção civil registra ritmo acelerado, diz CNI

Construtoras voltam o foco para a média e a alta renda

Financiando seu imóvel em 7 passos seguros.

Maquiagem camufla os atrasos nas obras do PAC

Crédito imobiliário bate recordes e bancos preveem mais expansão

Crédito imobiliário avança e flerta com derivativo no país

Imóveis blindados são estimulados pela violência

Construção parte para ambicioso ciclo de expansão

É possível um terceiro comprar ou alugar garagem em prédios?

Caixa pré-aprova crédito facilitado para 4,3 mil construtoras

Vida em condomínio: sonho ou pesadelo?

Shoppings fazem readequações para se manterem competitivos e lucrativos

Desempenho do PIB ainda não captou recuperação da construção no primeiro semestre.

Ritmo do emprego na construção civil vem surpreendendo positivamente.

Condômino indesejável

Déficit habitacional: 6,273 milhões de domicílios.

Glossário Imobiliário

Hotel ou residência?

Terraplanagem + erosão = desastre

A incapacidade do estado de planejar e contratar

Contratos de gaveta

Novas fontes de financiamentos sustentarão crescimento da construção civil

Construção civil: Baixa renda garante desempenho das construtoras

Imóveis : Em busca de melhores investimentos

Financiamento de R$ 3 bilhões para a construção confirmado pela Caixa Economica Federal

Viver como antigamente

Casa em Resort

A importância do Habite-se

O que significa o conceito “build to suit”?

Empreendimento usa conceito sutentável

Shopping center com Centro empresarial: uma parceria de sucesso

Na ponta do lápis: será que é bom negócio construir para vender?

Avaliação imobiliária, a velha questão do preço versus valor

Será que comprar imóvel na planta é um bom negócio?

Guia para seu cliente: etapas da construção de uma residência ou pequena obra

Que fatores valorizam ou desvalorizam um imóvel?

Qual a área real de um apartamento?

A epidemia dos Condomínio-Clube