Seu navegador não supoerta scripts

Busca

 

Artigos

 



Catálogo de Produtos Inclusivos

 

Acompanhe-nos

Facebook   Facebook

 

 

Em Marketing para profissionais (veja mais 99 artigos nesta área)

por Carlos Hilsdorf

Humildade: A Melhor Prática Corporativa



A arrogância humana sofreu ao longo da história golpes contundentes. Galileu tirou a Terra do centro do universo, não meramente físico e astronômico, mas do centro da noção de que nós seres humanos teríamos o universo todo gravitando ao nosso redor.


Darwin questionou as bases de que os seres humanos fossem o centro da criação, submetendo-nos ao conjunto de um processo evolutivo onde nossos “parentes” animais, vegetais e minerais tornam-se condição sine qua non da nossa momentânea superioridade.

Freud lançou as bases que permitiram compreender que não somos senhores sequer de nós mesmos, uma vez que o inconsciente é protagonista de fenômenos complexos que alteram o exercício do nosso livre arbítrio. Gandhi praticando ahimsa (a resistência pacífica – não violência) derrotou o poder inglês. Jesus Cristo apresentou como Caminho, Verdade e Vida o Amor que compreende, auxilia, perdoa e ajuda sempre, provando ser a Vida maior que a morte.

E no meio corporativo, teriam sido assimiladas e absorvidas as lições da humildade?

Ainda é frequente encontrarmos pessoas que confundem humidade com servidão e subserviência. Humildade é frequentemente, apontada como falta de coragem e baixa autoestima. A atitude não humilde, uma certa arrogância, embora seja, nitidamente, percebida como um entrave ao relacionamento interpessoal, é valorizada pelos pares não envolvidos “no conflito” como uma representação de desejos contidos de enfrentamento a atitudes, ideias e autoridades impostas. É natural...

O equívoco é confundir a atitude humilde de quem, longe de possuir a certeza de quem detém a ampla visão das coisas, busca apreender o todo e aprender com todos. Alguém que não pretende dar ou receber “carteiradas” psicológicas de nenhuma espécie, para obter ou oferecer respeito ou “obediência”, é humilde sem ser, necessariamente, subserviente ou vassalo de qualquer espécie.

Devemos entender a humildade como uma liga psicológica e social que nos permite relacionar com os outros com base no que, essencialmente, somos e não com o que circunstancialmente possuímos (um cargo, por exemplo).

Daí a dificuldade de muitos gestores e líderes em conviverem com a geração Y e subsequentes. Esta gerações não herdaram o puxa-saquismo de algumas anteriores e sua noção de liderança está ligada a admiração. Sem admiração o nível de contestação será sempre maior.

Trata-se de uma geração que cresceu expondo seus pontos de vista, doa a quem doer... Claro que um certo verniz social agregaria muito a esta qualidade, que desprovida dele torna-se demasiado ácida e áspera em determinados momentos, mas ela presta-nos um grande serviço ao desmitificar mitos criados pelo distanciamento de um falso respeito que não era respeito de fato, mas medo.

É necessário possuir a verdadeira humildade para escutar críticas provenientes de pessoas com menor história e experiência que você, mas nem por isso dotadas de menor visão e inteligência.

O exercício da verdadeira humildade, aquela que compreende que muitos dos privilégios que dispomos hoje são fruto, não somente do nosso talento, mas também, das circunstâncias e votos de confiança que recebemos, nos torna mais amáveis com todos os outros que, com talento menor, igual ou superior ao nosso, mesmo em ensaios de meritocracia, ainda não puderam estar submetidos a iguais ou melhores condições que as que nos concederam liderança ou destaque.

Para muitos, a “Terra de si mesmo” continua gravitando no centro do Universo, acreditando-se criados prontos. Não respeitam todos os seres e processos que o conduziram à primazia atual e por isso não se solidarizam com os que estão no início da “cadeia evolutiva” auxiliando-as a caminhar mais rápido.

Para estes que acreditam que são senhores de sua razão infalível, sem dar-se conta dos mecanismos complexos de um inconsciente repleto de medos, inferioridades, frustrações e neuroses, agir de maneira arrogante será sempre um disfarce, evidente para os outros mas oculto a si mesmo, de que o único remédio é a humildade verdadeira.

A humildade é a melhor prática corporativa, a única que permite real trabalho em equipe, tudo mais são grupos disfarçados em equipes, conjuntos de egos individualistas que até atingem metas e resultados consideráveis, mas ao custo de minar os alicerces da sustentabilidade.

Ao abandonar os disfarces de superioridade e aprender a apreciar a singularidade de cada ser humano, uma empresa passa a possuir o direito de dizer: As pessoas são nosso maior capital! O resto é discurso.



Carlos Hilsdorf, Economista, Pós-Graduado em Marketing pela FGV, consultor e pesquisador do comportamento humano. Autor do best seller Atitudes Vencedoras, apontado como uma das 5 melhores obras do gênero (VEJA, “Guia de Carreira”, Ed. 1832). Referência nacional em desenvolvimento humano.(carloshilsdorf.com.br)


Visite nossas páginas no facebook -www.facebook.com/forumconstrucao e Twitter - www.twitter.com/forumconstrucaoCurta, Divulgue

Comentários

Mais artigos

Humildade: A Melhor Prática Corporativa

Lições trazidas do atletismo

De que lado você está?

Sob pressão

O que se espera de um profissional moderno ?

7 táticas inteligentes para desenvolver sua carreira

10 maneiras de blindar sua empresa contra a crise

8 Lições para Impressionar na Entrevista

Meus funcionários me detestam, o que faço?

Quanto tempo você sobrevive sem INTERNET?

Como a internet mudou a forma de se relacionar

Como superar barreiras e melhorar seus resultados

Marketing Pessoal

Processo produtivo e o marketing

Qual o problema da zona de conforto?

Crise? E qual a sua atitude?

Como arrumar um emprego com 14 dicas simples

O Paradoxo da Produtividade

10 Dicas para o seu Marketing Pessoal

O que é um bom profissional de marketing?

Alguém está apostando em você?

Como potencializar uma reunião

10 situações que podem espantar seu cliente

Cinco dicas para desenvolver sua inteligência emocional

Dicas para organizar a carreira

Desemprego, estatísticas e manipulações

Vendendo para mulheres

Sucesso é uma questão de atitude

Por que engenheiros e arquitetos não cobram consulta?

Melhore a qualidade de vida no trabalho

Falha humana

10 coisas que grandes oradores nunca dizem em palestras

Uma reflexão sobre o valor comercial do seu tempo (ou de quanto podemos cobrar pelo uso do nosso tempo).

Construindo metas – seu sucesso nesse novo ano

10 razões para se manter motivado no trabalho

Não estar preparado para defender as suas decisões técnicas.

Quanto vale a marca, fulano de tal?

5 Desafios para alcançar uma carreira de sucesso

Qualificado, mas sem emprego. Por quê?

Estresse corporativo

A repercussão do quadro atual para as empresas e famílias

Pecados cometidos por engenheiros e arquitetos na escolha de sócios.

Diga-me o que retwittas...

Marketing de Relacionamento e Tecnologia da Informação

Serviço de arquitetura e engenharia não é fácil!

Pague seus impostos, ou morra!

Projeto atraso zero.

Dezembro é um mês incrível, impressionante, inacreditável!

A Eterna Guerra Entre o Empreendedor, o Técnico e o Gerente

Ninguém gosta de contratar engenheiros ou arquitetos

Os 7 Pecados Capitais do Marketing Direto

Talento, Organização e Disciplina

Organização do Tempo: Como dar conta do recado?

Recepção e Atendimento: A Chave para Fidelização

Administração Financeira: Quanto Custa Abrir um Escritório de Arquitetura/Engenharia?

Carta para a recém-contratada secretária do engenheiro

As 13 características das Pessoas de Sucesso

Quanto Vale um Cliente Fidelizado?

Oito Dicas para um Feedback Honesto

Feliz 2012

Seja um idiota neste Natal

Contra a Mão do Mercado

O Papel do Gerente de Vendas

O Líder e o Gestor

A culpa é do RH?

Perguntas Clássicas em uma Entrevista de Emprego.

Consultoria: o joio e o trigo

Como superar uma demissão

Enquanto o talento não vem

Treinamentos Inovadores

A importância da publicidade imobiliária

Supere a dificuldade de falar em público

Pequenos Grandes Compradores

Por que os clientes só querem saber de preço?

As coisas mudaram: pode parar de procurar “emprego”. E comece a procurar “clientes”!

Marketing para Engenharia

Pecados de marketing na engenharia e arquitetura

Dar desconto não é pecado. É estratégia

Mulher: Todos os Dias são Seus!

O marketing e os erros profissionais

A barreira dos 40

Ensinar a pensar.

Ao sucesso!

Os anjos e o executivo

Marketing de relacionamento: Café invisível

Marketing de relacionamento: Café em Taça

Marketing de Relacionamento: Dez coisas para não esquecer em tempos de crise

A Executiva

Marketing de relacionamento: Café fantasma com o saci

Marketing de relacionamento na crise. Dois cafezinhos novos

Marketing de relacionamento : Cafezinho Gelado! O “boca a boca” não funciona mais, você já pensou nisso?

Marketing pessoal: A elegância profissional

Marketing de relacionamento: Promessas de ano novo!

Marketing de relacionamento: Cafezinho com Ternura neste Natal!

Como ser um profissional de sucesso!

Marketing de relacionamento - Cliente exclusivos.

Marketing de relacionamento - Desconstruindo o mito, enquanto tomamos nosso café!!

Marketing pessoal? O que é isto? Café forte para profissionais.

O nosso cafezinho gourmet
Marketing de serviços: o projeto é o meu produto

O Cafézinho Eletrônico