Seu navegador não supoerta scripts

Busca

 

Curso a Distância - Redução do consumo de água em edificações

Curso a Distância - Eficiência Energética em Edifícios

Curso a Distância - Arquitetura Corporativa

Curso a Distância - Terra Crua

Curso a Distância - Arquitetura Acessível x Barreiras Arquitetônicas e Culturais

 

Artigos

 



Catálogo de Produtos Inclusivos

 

Acompanhe-nos

Facebook   Facebook

 

 

A Ergo Tecnologia, uma empresa do Grupo Delbras, que conta com mais de 20 anos de mercado, desenvolve equipamentos que oferecem meios para a prática de atividades físicas em locais de uso comum, as chamadas “Academias ao Ar Livre”.
Acesse : http://www.ergotecnologia.com.br

Em Marketing para profissionais (veja mais 96 artigos nesta área)

por Luís Sérgio Lico

Ao sucesso!



Há neste país (e na América Latina, em geral) uma cultura pequena de "não valorizar o trabalho". Empreender sem risco, investimento ou esforço é o ouro de tolo.Todos esperam ser atendidos em suas necessidades, de acordo com suas idiossincrasias e, pasmem, na hora que têm vontade.

Esperamos que terceiros nos digam o que fazer, que “especialistas” validem opiniões e por aí vai.Isto é sintoma de que ainda estamos na "menoridade", por nossa própria falta de esclarecimento ou, em bom alemão: Aufklarüng.

Mas, deixemos a profundidade de lado, para não aumentar nossa culpa.

Como eu estava dizendo, de alguma forma não acreditamos em nosso potencial. A maioria das pessoas, quando não está sonhando em ganhar na loteria, exige que o governo resolva seus problemas e sejam abolidos os impostos. Em casa, demandamos compreensão da família, diminuição da violência, preços baixos e respeito dos filhos.

Normalmente o que vemos de manhã à tarde é um desfile de ressentimentos. Pergunte a alguém: - Como vai. Tudo bem? Se ele for sincero: Senta que lá vem a história!

Na vida profissional a ladainha do “alguém precisa me ajudar” é uma triste constante: os fornecedores devem ser "parceiros", os compradores precisam notar o “valor agregado” dos produtos; o patrão tem de reconhecer e valorizar nosso trabalho! Já nossos subordinados devem dar “mais contribuição” e menos problemas. Se a coisa não vende, o produto é ruim, o preço é alto ou os dois. Quando o prazo estoura, houve necessidade de contingenciamento. Se estivermos soltos no “mercado” é preciso que apareçam vagas e quando acaba a reunião, esperamos que aplaudam nossas idéias. Para nossas empresas queremos eliminar a concorrência e baixar dramaticamente os custos, mantendo margem.

Apostamos nossa existência em fatores externos, tidos sempre como “direitos” embora poucos saibam o que significam deveres. Isto está presente em todas as áreas.

Do que falo? Além do “efeito vaselina”, sofremos da falta crônica de visão de longo prazo. E, para piorar, estamos voltando ao dualismo primário dos utilitarismos, ou como dizem hoje em "informatiquês": pensamento binário. Simples: É ou não é! Server ou não server! Velho ou novo! Bom ou ruim! Contra ou a favor!

Mas o que é a realidade: Como consultor, analiso todos os dias pérolas e absurdos, que são tratados como "verdadeiras" questões vitais:
- Pô! Fui lá e não tinha nada! Eu avisei.
- Gente! Não pode mandar email fora do perfil!
- Dane-se o seu departamento. O mundo não é justo e as empresas também não (putz!)
- Alguém sabe como trabalhar aqui? Me mande de novo as planilhas...
- Pode olhar no estoque... Sumiram 14 toneladas!
- Pra quê EPI? Vamo lá assim mesmo (Ui!)
- Gerir é só cortar custos, ter mão forte e sempre dar sustos.

O ponto culminante desta situação é que, mesmo as organizações demandando cada vez mais “competências” para uma função, o negócio não vai para frente. Há muito ralo, muita “fábrica oculta” e apodrecimento organizacional. Tudo bem diante do nariz do “board” ou ao lado do “management” e o pessoal só fala o dia inteiro nas “5 forças de Porter”, “Gestão Estratégica” ou a necessidade do “Tarot Siberiano” na seleção de pessoal.

Agir em bases racionais, recompensar talentos, rever processos, demolir os preconceitos, qualificar ou implantar inovações, não! Aí estraga a brincadeira! Tem que melhorar sem mudar, treinar ou gastar, gritam os tiranos do alto de suas “Workstations”.

Eu tenho a impressão que o CHA que as pessoas tanto falam deve ser de cogumelos! Mas a questão principal não é "técnica", mas ética: Vemos os outros, seus serviços, seus pertences, suas idéias, suas vidas, sentimentos, corpos, experiências e domínios como "parte da sociedade" e, por extensão de nosso mundo. Então chutamos o pau da barraca logo de cara, pois nossa individualidade narcisística exige reparação. Ficamos indignados com a distância a que são relegados nossos anseios e descontamos no primeiro que aparece.

Ao nos sentirmos desvalorizados, desvalorizamos o entorno de nossas relações. Quando vemos, estamos distantes de nossas metas e desgastados precocemente. A falta ética também é ignorância dos problemas comuns e que recusamos a considerar como importantes. Quem deseja rumar em direção ao sucesso deve estar consciente da topografia a ser vencida.

Isto inclui, desde as mais imponentes muralhas, até o insignificante pedregulho. Aliás, cuidado com eles, pois a maioria não tromba com a montanha, mas é derrubado pela sucessão de pequenas coisas. O que eu relato aqui pode ser estendido para toda a nossa gestão. Ela deve ser sustentável ou perecerá.

Ou seja, vale desde o topo ao chão de fábrica, dentro de uma espiral lógica w dentro de uma visão 360º. Inclui a “tomada de posição”, mas principalmente consciência da missão.

Esta postura deve ser retransmitida não só por todas as formas de comunicação, mas a todos os relacionamentos: aos emails que não respondemos; aos olhares que desviamos,aos telefonemas que não retornamos; a atenção às pessoas importantes que nunca ouviram de nós que as amamos; às desculpas que nunca pronunciamos, aos profissionais que retiramos da invisibilidade ao dizer: bom trabalho!

Não é suficiente acreditar que basta nos indignarmos, para tomar as rédeas de situação.Quem pensa assim está fora da realidade: A Indignação é revolta contra um estado de coisas e pressupõe AÇÃO.

Normalmente apenas reclamamos e em nossa covardia frente às "economias de mercado" ao mundo ou às opiniões aceitas, nos escondemos na hora do combate.

Para usar uma expressão desgastada de Hannah Arendt, sofremos de uma "banalização do mal". Para sair desta situação é preciso determinação, sentimento,racionalidade e valor.

Parafraseando Gandhi: O sucesso não é uma meta, mas o próprio caminho! Você vai prá onde?

Comentários

Mais artigos

Sob pressão

O que se espera de um profissional moderno ?

7 táticas inteligentes para desenvolver sua carreira

10 maneiras de blindar sua empresa contra a crise

8 Lições para Impressionar na Entrevista

Meus funcionários me detestam, o que faço?

Quanto tempo você sobrevive sem INTERNET?

Como a internet mudou a forma de se relacionar

Como superar barreiras e melhorar seus resultados

Marketing Pessoal

Processo produtivo e o marketing

Qual o problema da zona de conforto?

Crise? E qual a sua atitude?

Como arrumar um emprego com 14 dicas simples

O Paradoxo da Produtividade

10 Dicas para o seu Marketing Pessoal

O que é um bom profissional de marketing?

Alguém está apostando em você?

Como potencializar uma reunião

10 situações que podem espantar seu cliente

Cinco dicas para desenvolver sua inteligência emocional

Dicas para organizar a carreira

Desemprego, estatísticas e manipulações

Vendendo para mulheres

Sucesso é uma questão de atitude

Por que engenheiros e arquitetos não cobram consulta?

Melhore a qualidade de vida no trabalho

Falha humana

10 coisas que grandes oradores nunca dizem em palestras

Uma reflexão sobre o valor comercial do seu tempo (ou de quanto podemos cobrar pelo uso do nosso tempo).

Construindo metas – seu sucesso nesse novo ano

10 razões para se manter motivado no trabalho

Não estar preparado para defender as suas decisões técnicas.

Quanto vale a marca, fulano de tal?

5 Desafios para alcançar uma carreira de sucesso

Qualificado, mas sem emprego. Por quê?

Estresse corporativo

A repercussão do quadro atual para as empresas e famílias

Pecados cometidos por engenheiros e arquitetos na escolha de sócios.

Diga-me o que retwittas...

Marketing de Relacionamento e Tecnologia da Informação

Serviço de arquitetura e engenharia não é fácil!

Pague seus impostos, ou morra!

Projeto atraso zero.

Dezembro é um mês incrível, impressionante, inacreditável!

A Eterna Guerra Entre o Empreendedor, o Técnico e o Gerente

Ninguém gosta de contratar engenheiros ou arquitetos

Os 7 Pecados Capitais do Marketing Direto

Talento, Organização e Disciplina

Organização do Tempo: Como dar conta do recado?

Recepção e Atendimento: A Chave para Fidelização

Administração Financeira: Quanto Custa Abrir um Escritório de Arquitetura/Engenharia?

Carta para a recém-contratada secretária do engenheiro

As 13 características das Pessoas de Sucesso

Quanto Vale um Cliente Fidelizado?

Oito Dicas para um Feedback Honesto

Feliz 2012

Seja um idiota neste Natal

Contra a Mão do Mercado

O Papel do Gerente de Vendas

O Líder e o Gestor

A culpa é do RH?

Perguntas Clássicas em uma Entrevista de Emprego.

Consultoria: o joio e o trigo

Como superar uma demissão

Enquanto o talento não vem

Treinamentos Inovadores

A importância da publicidade imobiliária

Supere a dificuldade de falar em público

Pequenos Grandes Compradores

Por que os clientes só querem saber de preço?

As coisas mudaram: pode parar de procurar “emprego”. E comece a procurar “clientes”!

Marketing para Engenharia

Pecados de marketing na engenharia e arquitetura

Dar desconto não é pecado. É estratégia

Mulher: Todos os Dias são Seus!

O marketing e os erros profissionais

A barreira dos 40

Ensinar a pensar.

Ao sucesso!

Os anjos e o executivo

Marketing de relacionamento: Café invisível

Marketing de relacionamento: Café em Taça

Marketing de Relacionamento: Dez coisas para não esquecer em tempos de crise

A Executiva

Marketing de relacionamento: Café fantasma com o saci

Marketing de relacionamento na crise. Dois cafezinhos novos

Marketing de relacionamento : Cafezinho Gelado! O “boca a boca” não funciona mais, você já pensou nisso?

Marketing pessoal: A elegância profissional

Marketing de relacionamento: Promessas de ano novo!

Marketing de relacionamento: Cafezinho com Ternura neste Natal!

Como ser um profissional de sucesso!

Marketing de relacionamento - Cliente exclusivos.

Marketing de relacionamento - Desconstruindo o mito, enquanto tomamos nosso café!!

Marketing pessoal? O que é isto? Café forte para profissionais.

O nosso cafezinho gourmet
Marketing de serviços: o projeto é o meu produto

O Cafézinho Eletrônico