Seu navegador não supoerta scripts

Busca

 

Curso a Distância - Redução do consumo de água em edificações

Curso a Distância - Eficiência Energética em Edifícios

Curso a Distância - Arquitetura Corporativa

Curso a Distância - Terra Crua

Curso a Distância - Arquitetura Acessível x Barreiras Arquitetônicas e Culturais

 

Artigos

 



Catálogo de Produtos Inclusivos

 

Acompanhe-nos

Facebook   Facebook

 

 

por Arqº Paulo Duarte

Esquadrias na construção civil



Neste artigo falaremos a respeito de sistemas de fechamento de edifícios, com ênfase em esquadrias para construção civil.

Os edifícios são “envelopados” por fachadas e coberturas, que constituem o fechamento e proteção do ambiente interno. O “envelope” é responsável pelas relações do interior do edifício com o ambiente externo, o que inclui a garantia de iluminação natural, a troca de ar interno/externo, que proporciona ventilação natural e simultaneamente proteção contra ventos fortes que carregam poeira e outras impurezas, e a “troca térmica” entre os ambientes – o que significa a passagem de calor, nos dois sentidos. Essa troca é necessária e saudável, mas deve ser controlada para proteção contra as altas temperaturas ou fortes radiações, que além de desconfortáveis podem ser nocivas.


Outra troca que ocorre por meio desse “envelope” é a “visão” nos dois sentidos. Ou seja, tanto a vista da paisagem e das atividades externas quanto a de fora para dentro, também desejável, dependendo do tipo de edifício, mas que em certos casos exige cuidados quanto à privacidade. O “envelope” é constituído de elementos opacos, translúcidos e transparentes, cuja participação e relação variam com o uso e finalidade do edifício.

Alguns exemplos: uma residência exige maior privacidade, ou seja, as partes opacas se apresentam em maior área do que as translúcidas; lojas e exposições devem ter grandes áreas transparentes para permitir a visibilidade dos produtos; os shoppings devem ter grandes áreas opacas nas fachadas, pois as lojas estão voltadas “para dentro”, mas é desejável que tenham grandes áreas translúcidas nas coberturas, para garantir iluminação natural, que, no entanto, deve ser controlada para evitar excesso de brilho e penetração de calor.

Esquadrias

esquadrias-01As funções das esquadrias são: vedação para água e ar, redução do ruído que penetra no ambiente, controle da passagem de luz - eventualmente, o bloqueio dessa passagem -, e controle das transferências de calor e da qualidade da visibilidade.

As esquadrias são guarnecidas por vidros e/ou elementos opacos, de modo a dosar adequadamente essas trocas entre os ambientes, de acordo com um projeto arquitetônico. As esquadrias podem constituir portas, janelas, grandes áreas e coberturas envidraçadas etc; todos esses elementos são formados por esquadrias fabricadas, predominantemente, em madeira, aço, alumínio ou PVC.

É indiscutível, há muito tempo, a predominância do alumínio como material para a fabricação de esquadrias. No entanto, não se pode esquecer que a madeira tem uma antiga tradição de uso, graças às suas qualidades que favorecem o bom desempenho de caixilhos com ela fabricados. A madeira é facilmente trabalhável e, com ferramentas manuais ou máquinas adequadas, pode-se cortá-la, furá-la ou nela fazer sulcos e rasgos, criando detalhes muito eficientes para a vedação da passagem de ar, água e ruído. Além disso, por sua “massa”, a madeira tem melhor desempenho acústico que os perfis tubulares de alumínio. É, portanto, um material muito adequado para esquadrias em construções residenciais, hotéis e escolas, desde que não haja vãos com dimensões exageradas e desde que o aspecto dos caixilhos seja esteticamente satisfatório para o tipo de edifício.

O aço é adequado para esquadrias de grandes dimensões, em que não são necessários detalhes complexos para vedação de ar, água e som, pois é um material muito resistente, mas de difícil trabalhabilidade, o que dificulta a execução de detalhes. É adequado para os reforços de partes dos fechamentos quando ocorrem grandes vãos.

Nesse caso, serve para reforçar as esquadrias em madeira, alumínio e PVC ou criar estruturas auxiliares que lhe dão apoio, o que ocorre nos térreos de edifícios residenciais, nos lobbies dos edifícios comerciais, em locais de exposição, coberturas etc.

O alumínio tornou-se o material predominante na construção de esquadrias para edifícios por suas qualidades estruturais: obtêm-se perfis de grande resistência a partir de elementos tubulares com dimensões adequadas, incluindo espessuras; sua trabalhabilidade é bem maior que a do aço, principalmente por possibilitar a criação de perfis pelo processo de extrusão – o que é muito difícil de conseguir com o aço.

Isso permite criar detalhes de reentrâncias, sulcos, encaixes etc,, que resultam em excelentes vedações ao ar, água e ruído; acusticamente, o alumínio tem comportamento inferior ao da madeira, em razão de ter menor massa e também pelo “efeito de tubo”, que cria sons harmônicos ao som principal.

Já o PVC é um material que ganha cada vez mais espaço no Brasil. Também pode ser extrudado, resultando em formas eficientes semelhantes às do alumínio e da madeira. Por sua pouca resistência estrutural, os perfis em PVC são sempre reforçados internamente com perfis formatados em aço galvanizado, que lhes dão resistência na medida das necessidades estruturais.

“O aço é adequado para esquadrias de grandes dimensões, em que não são necessários detalhes complexos para vedação de ar, água e som, pois é um material muito resistente, mas de difícil trabalhabilidade, o que dificulta a execução de detalhes.”

Algumas diferenças entre os três principais materiais

1. Os vidros devem sempre ser “encaixilhados” nas esquadrias em madeira ou PVC (encaixados no perfil, com complementos que os mantêm posicionados). Os vidros não podem ser “colados” nessas esquadrias; Nos perfis em alumínio, ao contrário, os vidros podem ser tanto encaixilhados – em especial em sistemas residenciais – como colados, criando fachadas em que as partes de alumínio não ficam aparentes no lado externo do edifício. É o sistema conhecido como “silicone estrutural” ou “silicone glazing”, que predomina hoje em edifícios comerciais, corporativos, hospitais, escolas, shopping centers etc.

2. A textura da madeira é a mais agradável ao toque, principalmente internamente: sua temperatura é próxima a da pele humana. Além disso, há uma certa atração do homem por materiais “naturais”, como madeira, cerâmica, tijolo etc.

3. O PVC não tem toque tão agradável como o da madeira, mas é um material macio e sua temperatura também é amigável. Essas características não se aplicam ao alumínio, que é frio e mais “duro” ao toque.

O resultado é que, para os edifícios corporativos, o alumínio é perfeitamente adequado, e, em edifícios residenciais ou hospitais (principalmente na internação), o ideal é optar pela madeira ou PVC, que oferecem mais conforto. No entanto, é preciso levar em conta, no caso de hospitais e similares, o problema da “contaminação dos materiais”. São locais que exigem limpeza e descontaminação constante, o que requer a aplicação de produtos agressivos. A madeira deixa de ser adequada nesses ambientes; o PVC ainda pode ser considerado, dependendo dos produtos para limpeza.

Como se conclui, nem sempre é fácil a escolha do tipo de esquadria e do material a ser empregado.




Fonte:www.metalica.com.br



Você conhece o "Curso a distancia IBDA - CentrodEstudos? Veja os cursos disponíveis, e colabore com o IBDA, participando, divulgando e sugerindo novos temas.

Visite nossa página no facebook -www.facebook.com/forumconstrucao - Curta, Divulgue

Comentários

Mais artigos

Documentação: o que é necessário saber antes de uma reforma

A importância de Inspeção Predial Periódica

Dicas de construção e reforma

Não esqueça a calçada na hora de reformar

Tenho que reformar, e agora?

Construir uma casa geminada: Boa ideia ou dá problemas?

Oito regras de ouro para poupar dinheiro na construção

Quais os 5 problemas mais comuns na reforma

Cuidados na compra de um imóvel usado

Vai reformar? Locação de galpão é uma opção.

Dicas para organizar a casa antes da reforma

5 vantagens do gás canalizado para sua residência

Como vistoriar o Imóvel Alugado.

Pavimento permeável

A nova perícia e o mercado imobiliário

Como conservar peças de madeira na sua casa

Dicas para reforma e ampliação de residências

Vai começar uma reforma?

Conheça (e fuja) dos erros em construções e reformas

Dez revestimentos fáceis de limpar para diferentes ambientes da casa

Mercado imobiliário: O que você precisa saber antes de comprar um imóvel?

A inclinação do terreno influencia no preço da construção de uma casa?

Nova norma para a regularização de reformas - ABNT NBR 16280

7 sinais de que sua casa precisa de uma reforma

O que é um telhado de treliça de madeira?

Qual a altura ideal para tomadas na parede: em cima, no meio ou em baixo?

Como comprar um lote com segurança: 10 principais cuidados para não ter problemas.

Imóvel na planta sem registro é crime.

Esquadrias na construção civil

Vai reformar a casa? Confira dicas importantes

Como construir duas casas em um lote ou terreno?

Ventilador de Teto: Confira as dicas para não errar na escolha.

As primeiras coisas que deve fazer agora que comprou um imóvel.

Que cuidados tomar ao contratar a mão de obra para uma reforma ou construção?

Dicas para planejar e concluir a reforma sem sofrimento

10 Cuidados para Comprar Terrenos em Loteamentos.

Dezesseis principais riscos em um canteiro de obras

Quais são as diferenças entre os vários tipos de esquadrias?

Recomendações na compra de terrenos

Concreto moderno importa tecnologia da Roma Antiga

Os cuidados que você deve ter ao contratar profissionais para sua obra ou reforma

Tenho que reformar, e agora?

Quem faz o que em um projeto de construção, reforma, decoração ?

Desperdício na obra, como evitar.

Concreto e PVC, um casamento promissor.

Normas para andar de elevador?

Acerte na Escolha do Terreno Ideal

Procedimentos Para Legalizar Uma Obra

Materiais de Construção - Como Comprar?

Quem é o profissional que vai cuidar de sua obra?

Utilização de Elevadores e Escadas Rolantes

Obras públicas: conheça seus direitos

E o terreno? Dicas de construção.

Aspectos legais, dicas de construção.

Projeto, dicas de construção.

A indústria nacional na UTI

Qualidade da acústica começa com a escolha dos tijolos

Portas e janelas de alumínio, como conservar.

Planta Baixa – Traçando linhas e medidas

Regime Diferenciado de Contratações: um erro de proporções olímpicas

Contratar ou não contratar?

Vai ter que mudar? Como planejar e organizar

Sonho da casa própria e suas armadilhas

Vale a pena comprar imóvel por meio de consórcio?

Preocupação estética reduz custos de manutenção em elevadores

Como economizar água e energia elétrica

Comércio, desindustrialização e violência

Avaliação imobiliária : a técnica vencendo a intuição

Documentação do imóvel. O que é necessário na hora da compra?

Arquitetura que cola: obra exigiu nova técnica de construção civil

Na compra de um imóvel usado, saiba avaliar as condições

Copa de 2014: É hora de falar sério, Brasil

Planejando sua construção. Ou, evitando surpresas desagradáveis.

O pior gargalo é o governo

PAC: Gargalos e tropeços!

As catástrofes não avisam, o que fazer frente a isso? - O conceito de Arquitetura Emergencial

Construção civil: Pesquisa mostra otimismo do setor com economia em 2010

11,5 Bilhões. Bondes modernos.

Incompetência para investir.

A Década da Infraestrutura.

Vai construir? Planejando para economizar.

Imóvel na praia: investimento ou despesa?

Água como material de construção

Vai construir? E os aspectos legais?

Vai construir? E o terreno?

Arquitetura brasileira contemporânea: caminhos - final

Arquitetura brasileira contemporânea: caminhos - parte 03

Dicas de construção: Quem contratar?

Serviços de engenharia e as dúvidas dos síndicos

Arquitetura brasileira contemporânea: caminhos - parte 02

Arquitetura brasileira contemporânea: caminhos - parte 01

Construção civil e sua eterna crise

Dicas de construção: e os Projetos?

Dicas para construir a casa dos seus sonhos

Construção confia em excelente 2º semestre.

A Construção Civil e seus Resíduos

Forros: além de decorativos podem ser solução para “aumentar” o pé-direito

Nova lei para elevadores e andaimes