Seu navegador não supoerta scripts

Busca

 

Curso a Distância - Redução do consumo de água em edificações

Curso a Distância - Eficiência Energética em Edifícios

Curso a Distância - Arquitetura Corporativa

Curso a Distância - Terra Crua

Curso a Distância - Arquitetura Acessível x Barreiras Arquitetônicas e Culturais

 

Artigos

 



Catálogo de Produtos Inclusivos

 

Acompanhe-nos

Facebook   Facebook

 

 

por Geól. Álvaro Rodrigues dos Santos

A arrasadora componente tecnológica da corrupção das funções de estado



Em recente entrevista ao jornal Folha de São Paulo o preclaro ex-ministro Delfin Neto afirma que “o setor privado anulou a única força que controla o capitalismo, que é o Congresso”.

Um ponto culminante da eterna guerra entre o Mercado e a Política. Há que se ver, no entanto, que o fenômeno da privatização do Estado brasileiro, ou seja, do domínio do Estado, em todas suas instâncias, por interesses privados, é velho conhecido dos estudiosos da realidade brasileira; o que talvez não fosse tão claro à população, e que somente veio à tona com os desdobramentos da operação Lava Jato, é a dimensão do referido domínio. Ou seja, hoje o Estado brasileiro, abandonando por completo sua figura republicana de representação operacional dos interesses gerais da sociedade, expressa e representa, na pessoa de seus membros e instituições, fundamentalmente interesses privados, empresariais e corporativos.

Há que se ver, entretanto, que a expressão maior dessa disfunção republicana do Estado brasileiro não se traduz somente nos generalizados atos de corrupção ora trazidos em abundância à tona e ao conhecimento público.


Ou seja, a equação mais conhecida, composta por financiamentos privados de campanhas eleitorais, propinas pagas a membros da administração pública direta e indireta para arranjos licitatórios, sobrepreços, aprovação de leis e decisões de interesse empresarial, financiamentos facilitados, etc., etc., não é a única existente, e talvez não seja até a mais danosa ao país. Muito mais grave, as próprias funções de Estado foram corrompidas. Vamos entender um pouco o que isso significa.

O fenômeno de corrupção das funções de Estado ocorre em todos os ramos da ação estatal, desde a engenharia de obras de infraestrutura aos programas de saúde pública, mas vamos nos ater ao primeiro ramo como exemplificador dos processos a que estamos submetidos.

Bom entender, ao início, que um empreendimento de engenharia, seja uma obra viária, uma barragem, um porto, uma linha de metrô, uma plataforma marítima, um programa de combate às enchentes, um programa de combate às secas, etc., admite várias opções tecnológicas para a concepção de seu projeto e para a execução de sua implantação.

É dentro desse leque de opções tecnológicas que o Estado contratador concebe e escolhe, ou deveria conceber e escolher, aquela de maior interesse estratégico para o país, seja no que diz respeito a aspectos financeiros, seja no que diz respeito às características fisiográficas (clima, geologia, geotecnia...), seja no que diz respeito à capacidade de mobilização e uso das vantagens comparativas regionais ou do país, e por aí segue. Ou seja, cabe ao Estado contratante a missão de fixar, já nos termos licitatórios, as linhas e concepções tecnológicas básicas que mais interessarão à sociedade brasileira. Perde-se a autonomia dessa decisão quando se perde a competência técnica para defini-la.

O atual, e quase total, domínio do Estado brasileiro pelos interesses empresariais privados e pelos interesses corporativos é, assim, fruto de um longo e programado processo de esvaziamento desse Estado em competência política, gerencial e tecnológica. O objetivo era óbvio: um Estado incapaz de conceber (projetar), de ter idéias próprias, de exercer capacidade tecnológica crítica, de bem contratar e de bem fiscalizar.

Do ponto de vista da capacitação tecnológica da administração pública contratante, cumpre lembrar que nos órgãos da Administração Direta o processo de enfraquecimento tecnológico, no caso dentro de uma outra, mas também perversa lógica, iniciou-se ainda nos anos 50, e de sua decorrência órgãos públicos que no passado constituíram-se em verdadeiras escolas da engenharia, hoje não são mais que meras estruturas burocráticas contratantes sem nenhuma consistência técnica.

No âmbito da administração indireta, ou seja, das empresas públicas, tivemos um período de ouro que se estendeu, com naturais nuances, dos anos 1950 ao início dos anos 1980, quando o país apresentou crescimentos médios do PIB em torno de 7%/ano. Nesse período prevaleceu uma orientação governamental estratégica calcada no desenvolvimentismo e no fortalecimento da empresa nacional.

Foi dessa época a criação de inúmeras empresas estatais federais e estaduais, as quais constituíram equipes técnicas permanentes de excelência, o que refletiu e induziu a formação de equipes técnicas permanentes no mesmo patamar de excelência em um enorme elenco de empresas de consultoria e projetos criadas e estimuladas a atender as demandas públicas e privadas que se multiplicavam na área de infraestrutura.

Institutos de Pesquisa e Universidade, de sua parte, investiram pesadamente na pesquisa e nos serviços de apoio tecnológico a todo o parque empresarial público e privado que vinha sendo criado. Foi um período de intensa efervescência tecnológica, que guindou nossa engenharia ao mais alto nível de reconhecimento nacional e internacional.

Essas equipes técnicas foram responsáveis pelo desenvolvimento de uma engenharia nacional aplicada às características econômicas, sociais e fisiográficas próprias do país e de suas diferentes regiões, compondo uma abordagem tecnológica associada à visão estratégica de um país nação.

Em período subsequente, que se estendeu de meados dos anos 1980 ao ano de 2004, o país entrou em período econômico recessivo, o que resultou em dificuldades enormes e grande número de extinções para as empresas privadas de consultoria e projetos.

Paralelamente, obedecendo novas orientações para a economia, é implementado um amplo processo de privatização de empresas públicas nas áreas de energia, telecomunicações, transportes e infra-estrutura que implicou na dissolução de equipes técnicas de altíssima capacitação e experiência, constituídas nessas empresas ao longo de décadas, assim como uma temerária fragilização tecnológica de toda uma cadeia empresarial privada mobilizada por contratação das estatais e implicada na produção de estudos e projetos, na implantação dos empreendimentos e no fornecimento de insumos gerais, equipamentos e componentes.

As consequências foram terríveis: dissolução das equipes técnicas permanentes no setor público, enfraquecimento orientado dos Institutos de Pesquisa e da Universidade. Estava sendo ferido de morte o Estado com competência tecnológica e gerencial para conceber, contratar e fiscalizar.

São agora as grandes empresas empreiteiras de obras que definem o conteúdo tecnológico das obras licitadas pela administração pública, via pré-definição de seus editais de licitação.

E esses conteúdos tecnológicos, como também a própria escala de priorização dos empreendimentos a serem contratados, ou seja, o que e quando deve ser contratado, são pensados invariavelmente para atender exclusivamente os interesses específicos das empresas envolvidas, naquilo que poderão potencializar seus lucros. O Estado pensante e assegurador dos interesses nacionais e da sociedade brasileira foi radicalmente desarmado. Em linguagem mais vulgar, o galinheiro foi entregue à responsabilidade das raposas.

De 2005 a 2013/14, refletindo políticas nacionais e uma boa situação da economia mundial, houve, com a retomada de investimentos, com um forte ensaio de recuperação do país e da engenharia brasileira. Nesse curto período observou-se também um início de reorganização do setor de consultoria e projetos com o advento do protagonismo de empresas de tamanho médio.

Entretanto, no período que se estende de 2014 aos dias atuais, com o retorno de aguda recessão econômica e circunstâncias onde pontuam três graves ingredientes, a falta de recursos para investimentos em obras de infraestrutura, o empobrecimento geral da população e, em especial, a obsessão neoliberal do atual governo em internacionalizar a economia nacional e demonizar tudo que se refira à administração pública, o domínio privado do estado se expande e se consolida.

O fato resultante é que na área pública vivemos um cotidiano marcado pela execução de obras e empreendimentos não exatamente prioritários frente às nossa ordem de necessidades, mal concebidos tecnologicamente frente às características da região onde se instalam, não utilizadores de nossas vantagens comparativas, não conseguindo via de regra resolver os problemas para os quais foram propostos e comumente entrando em deterioração precoce, o que vai exigir do Estado uma sobre manutenção não prevista.

Os prejuízos advindos desse maquiavélico processo de corrupção das funções de Estado são de uma ordem inimaginável para a sociedade brasileira. É de se esperar que uma eventual oportunidade histórica de reconstrução ética e patriótica de nossa realidade os considere em sua verdadeira e dramática dimensão.




Visite nossas páginas no facebook -www.facebook.com/forumconstrucao e Twitter - www.twitter.com/forumconstrucaoCurta, Divulgue

Comentários

Mais artigos

A arrasadora componente tecnológica da corrupção das funções de estado

Seriam mesmo exageradas as exigências ambientais?

Como escolher o terreno certo pra construir sua casa

Documentação: o que é necessário saber antes de uma reforma

A importância de Inspeção Predial Periódica

Dicas de construção e reforma

Não esqueça a calçada na hora de reformar

Tenho que reformar, e agora?

Construir uma casa geminada: Boa ideia ou dá problemas?

Oito regras de ouro para poupar dinheiro na construção

Quais os 5 problemas mais comuns na reforma

Cuidados na compra de um imóvel usado

Vai reformar? Locação de galpão é uma opção.

Dicas para organizar a casa antes da reforma

5 vantagens do gás canalizado para sua residência

Como vistoriar o Imóvel Alugado.

Pavimento permeável

A nova perícia e o mercado imobiliário

Como conservar peças de madeira na sua casa

Dicas para reforma e ampliação de residências

Vai começar uma reforma?

Conheça (e fuja) dos erros em construções e reformas

Dez revestimentos fáceis de limpar para diferentes ambientes da casa

Mercado imobiliário: O que você precisa saber antes de comprar um imóvel?

A inclinação do terreno influencia no preço da construção de uma casa?

Nova norma para a regularização de reformas - ABNT NBR 16280

7 sinais de que sua casa precisa de uma reforma

O que é um telhado de treliça de madeira?

Qual a altura ideal para tomadas na parede: em cima, no meio ou em baixo?

Como comprar um lote com segurança: 10 principais cuidados para não ter problemas.

Imóvel na planta sem registro é crime.

Esquadrias na construção civil

Vai reformar a casa? Confira dicas importantes

Como construir duas casas em um lote ou terreno?

Ventilador de Teto: Confira as dicas para não errar na escolha.

As primeiras coisas que deve fazer agora que comprou um imóvel.

Que cuidados tomar ao contratar a mão de obra para uma reforma ou construção?

Dicas para planejar e concluir a reforma sem sofrimento

10 Cuidados para Comprar Terrenos em Loteamentos.

Dezesseis principais riscos em um canteiro de obras

Quais são as diferenças entre os vários tipos de esquadrias?

Recomendações na compra de terrenos

Concreto moderno importa tecnologia da Roma Antiga

Os cuidados que você deve ter ao contratar profissionais para sua obra ou reforma

Tenho que reformar, e agora?

Quem faz o que em um projeto de construção, reforma, decoração ?

Desperdício na obra, como evitar.

Concreto e PVC, um casamento promissor.

Normas para andar de elevador?

Acerte na Escolha do Terreno Ideal

Procedimentos Para Legalizar Uma Obra

Materiais de Construção - Como Comprar?

Quem é o profissional que vai cuidar de sua obra?

Utilização de Elevadores e Escadas Rolantes

Obras públicas: conheça seus direitos

E o terreno? Dicas de construção.

Aspectos legais, dicas de construção.

Projeto, dicas de construção.

A indústria nacional na UTI

Qualidade da acústica começa com a escolha dos tijolos

Portas e janelas de alumínio, como conservar.

Planta Baixa – Traçando linhas e medidas

Regime Diferenciado de Contratações: um erro de proporções olímpicas

Contratar ou não contratar?

Vai ter que mudar? Como planejar e organizar

Sonho da casa própria e suas armadilhas

Vale a pena comprar imóvel por meio de consórcio?

Preocupação estética reduz custos de manutenção em elevadores

Como economizar água e energia elétrica

Comércio, desindustrialização e violência

Avaliação imobiliária : a técnica vencendo a intuição

Documentação do imóvel. O que é necessário na hora da compra?

Arquitetura que cola: obra exigiu nova técnica de construção civil

Na compra de um imóvel usado, saiba avaliar as condições

Copa de 2014: É hora de falar sério, Brasil

Planejando sua construção. Ou, evitando surpresas desagradáveis.

O pior gargalo é o governo

PAC: Gargalos e tropeços!

As catástrofes não avisam, o que fazer frente a isso? - O conceito de Arquitetura Emergencial

Construção civil: Pesquisa mostra otimismo do setor com economia em 2010

11,5 Bilhões. Bondes modernos.

Incompetência para investir.

A Década da Infraestrutura.

Vai construir? Planejando para economizar.

Imóvel na praia: investimento ou despesa?

Água como material de construção

Vai construir? E os aspectos legais?

Vai construir? E o terreno?

Arquitetura brasileira contemporânea: caminhos - final

Arquitetura brasileira contemporânea: caminhos - parte 03

Dicas de construção: Quem contratar?

Serviços de engenharia e as dúvidas dos síndicos

Arquitetura brasileira contemporânea: caminhos - parte 02

Arquitetura brasileira contemporânea: caminhos - parte 01

Construção civil e sua eterna crise

Dicas de construção: e os Projetos?

Dicas para construir a casa dos seus sonhos

Construção confia em excelente 2º semestre.

A Construção Civil e seus Resíduos

Forros: além de decorativos podem ser solução para “aumentar” o pé-direito

Nova lei para elevadores e andaimes