Seu navegador não supoerta scripts

Busca

 

Curso a Distância - Redução do consumo de água em edificações

Curso a Distância - Eficiência Energética em Edifícios

Curso a Distância - Arquitetura Corporativa

Curso a Distância - Terra Crua

Curso a Distância - Arquitetura Acessível x Barreiras Arquitetônicas e Culturais

 

Artigos

 



Catálogo de Produtos Inclusivos

 

Acompanhe-nos

Facebook   Facebook

 

 

O Studio GRIF de Arquitetura, Interiores e Design cria e executa todas as etapas do projeto - do estudo original
ao produto final, em busca da melhor relação
qualidade x preço.

Acesse : www.ignezferraz.com.br
Arquitetura Corporativos Design Residenciais Mostra
Arquitetura
Corporativos
Design
Residenciais
Mostra

Em Soluções Arquitetônicas e Ideias Criativas (veja mais 43 artigos nesta área)

por Arq. Ignez Ferraz

Arquitetura de Exportação – SIM ou NÃO?



O Goethe-Institut organizou a exposição “Ready to take-off – Arquitetura Alemã de Exportação”, para participar da 7º Bienal de Arquitetura de São Paulo.
Um dos participantes é o escritório Behnisch Architekten. David Cook concedeu uma palestra “en petit comité” na “La Lampe”

(curadoria da Andréa Magalhães) para explanar o conceito dos seus greenbuildings, apoiados na sustentabilidade. Afirmou, porém, que NÃO há (ou se houver, eles não se inserem no grupo) uma Arquitetura de Exportação. Sua defesa:

It is quite difficult for me to narrow this discussion down on the sole aspects of the so-called architecture for exportation. In our opinion, there is no such thing as German architecture for exportation. So, maybe it exists, but NOT in our work. We do not design for export, we design for the location in the cultural, climatic, topographic, geographic and geological context.

Vou “botar fogo” nesta discussão, afirmando que existe SIM, e, quando existe, ela não é de “menor qualidade” dos que não a praticam.

Neutelings Riedjik ,“5 Sfinxen Housing” em Huizen, Países Baixos, 2000-03. Cada um dos blocos vai se estreitando em direção às águas para oferecer as melhores vistas do lago Gooimeer.

Para início de conversa, vamos refletir sobre a questão: Qual é a função do ARQUITETO?

O ARQUITETO busca a melhor maneira de solucionar o espaço arquitetônico (iluminação, ventilação, circulação), sempre preocupado com seu entorno; une forma e função na proporção estética interior x exterior, dentro do contexto orientação geográfica, condições climáticas e topografia; equilibra texturas e cores de novos materiais, muitas vezes utilizando-os de maneira não tradicional. Sem contar os conhecimentos prementes de ecologia e arquitetura auto-sustentável. Tudo isso dentro de uma “idéia” original, é claro!

Perante tantos requisitos, por que milhares de (ótimos) arquitetos das mais diferentes nacionalidades teriam um único percurso a trilhar? O conhecimento tecnológico e artístico que eles devem absorver habilita-os a optar entre diversos caminhos.

Passemos então à análise histórica de DUAS FILOSOFIAS antagônicas, com origens no séc. XX:

REPLICANTES X SITE-SPECIFICS

1 - O “Estilo Internacional” dominou a Arquitetura nas décadas de 1920 e 1930. Os princípios do seu design constituem parte da estética do Modernismo: o ornamento é crime, verdade nos materiais; formas cúbicas em plantas retangulares e fachadas com ângulos de 90°; "form follows function"; e a descrição de Le Corbusier das casas como “machines à habiter”.

Tinham como paradigma que a solução arquitetônica era indiferente ao local e clima e por isso mesmo foi batizado de “Internacional”.
Mies van der Rohe e Philip Johnson,“Seagram Building” em Nova York, 1958. Um dos melhores exemplos do Estilo Internacional, estética dominante na arquitetura corporativa americana.

O alemão Mies Van der Rohe, seu ícone, desejou que o movimento marcasse a Arquitetura assim como o Clássico e o Gótico em suas eras. Trabalhou com simplicidade estruturas de aço aparentes e vidros, definindo espaços austeros, mas amplos e elegantes. Chamava seus edifícios de “skin and bones” e ficou conhecido pelos aforismos “less is more” e “God is in details”.

2 - Em contrapartida, as teorias da “Desconstrução” devem muito ao filósofo Jacques Derrida e ao Construtivismo russo dos anos 20. Seus arquitetos teóricos foram Bernard Tschumi e Peter Eisenman, mas o grande impacto coube à dupla austríaca Coop Himmelblau, que idealizou, em 1984, o que ficou apelidado de “asa ardente” (inspirado no inseto de Kafka), no alto de um imóvel antigo.

Coop Himmelblau,“Dachausbau” em Viena, Áustria, 1983-88. Um “corpo estranho” implantado sobre uma construção histórica. A busca de uma relação com a esquina e a conexão visual entre o novo telhado e a rua, foram as principais preocupações no projeto - e não a contextualização com o existente.


Alguma destas duas linhas está errada? Claro que não! Tudo depende do quanto o arquiteto se sente confortável e inserido na concepção e/ou solução arquitetônica perante seu novo desafio. Ainda hoje as duas propostas apresentam (bons) desdobramentos e discípulos:

COMPLEXIDADE X SIMPLICIDADE

O “instante conceitual” de Coop Himmelblau gerou a arquitetura complexa que encontramos no grupo californiano Morphosis e na única representante feminina de grande porte, a iraniana Zaha Hadid. Sem o uso de programas computacionais, muitos destes projetos não poderiam se viabilizar, assim como o projeto "A Onda" do holandês René van Zuuk.

Caminhando contra esta corrente, surge um novo movimento moderno saudado mundialmente: o neo-minimalismo.

Em mais um exemplo dos Países Baixos, na península de Borneo em Amsterdã, foram construídas centenas de casas, como as de Koen van Velsen. Concebidas para espaços exíguos, sua horizontalidade apresenta qualidades quase orientais, com efeitos de transparência e opacidade – o negro marca presença. Poderiam estar inseridas em várias partes do mundo.

Mas é claro que nesse quesito os japoneses são imbatíveis e Tadao Ando a prova mais concreta, com seus projetos silenciosos, onde a luz natural penetra de forma controlada e mágica.

Seu conceito: “As formas que crio alteram-se e ganham significado através da natureza dos elementos (luz e ar), que marcam a passagem do tempo e a mudança das estações”.

Tadao Ando, “Casa Koshino” em Kobe, Japão, 1983-90. O espaço interior expressivo caracteriza-se pela preocupação com a iluminação e suas nuances. As janelas estão colocadas de modo a proporcionarem apenas uma vista limitada do jardim, mas deixam entrar quantidades generosas de luz, que inundam as superfícies de concreto.


Aí entra a TERCEIRA FILOSOFIA, mediatriz das outras duas: os escritórios que conseguem um mimetismo incorporando fortemente as culturas locais – com detalhes simbólicos - mas não abrindo mão da alta tecnologia.

GLOCAIS

O termo up-to-date para este conceito no design contemporâneo é “GLOCAL” - mistura a globalização (intercâmbio de culturas e tecnologia) com inspirações da raiz local. Por que não aplicá-lo também à Arquitetura?

Esta metamorfose pode ser obtida através de valores agregados, materiais inusitados ou novas tecnologias.

Valores agregados

Os badalados suíços Herzog e de Meuron (vencedores do prêmio Pritzer em 2001) são os grandes camaleões da atualidade. Conseguem a proeza de projetarem em todos os países, com soluções altamente criativas e diferenciadas como a nova Tate Modern, que surgiu da reforma de uma estação de trem em Londres. Pedras naturais em diversas tonalidades escuras foram os materiais escolhidos para a fachada da adega da vinícola Dominus em Napa Valley, tornando-a quase invisível dentro das cepas. Para o Estádio Nacional de Esportes em Pequim utilizaram uma série de estruturas de aço radiais e foi apelidado de “ninho”

Não há dúvida que a nova PRADA em Tóquio antecipa o futuro. Os arquitetos suiços Jacques Herzog e Pierre de Meuron presentearam a cidade com um edifício emblemático, destacando-se do comum neste país e seus pequenos espaços públicos.


Já na PRADA Omotesando, as cordas de aço formam uma trama quadrangular de cristais planos, côncavos e convexos nas empenas, deformando a visão do seu interior. Isto porque no Japão, os arquitetos gostam de criar a ilusão de que o edifício está “envolto” (tsutsumu) ou “atado” (musubu), o que, segundo suas crenças, significa demarcar um espaço como especial ou sagrado. Para mim, especial e sagrada é esta dupla!

Nota: O grande abismo entre a arquitetura brasileira e o restante do mundo é o tempo que possuem para pesquisa. Além disso, o arquiteto é o maestro de uma imensa orquestra de projetos complementares, enquanto aqui cada vez mais suas funções são compartimentadas e reduzidas.

Fonte e artigo completo no site www.ignezferraz.com.br

Comentários

Mais artigos

Soluções para a reforma de casa antigas

Sala para dois ambientes: a melhor forma de ampliar espaços

Piso aquecido. Como funciona e quais suas vantagens

Mezaninos para residências

Soluções de arquitetura e decoração tornam a casa aliada na economia de água e energia

Dicas para inovar na decoração de sua casa

Soluções arquitetônicas promovem bom isolamento acústico

Soluções arquitetônicas que melhoram o dia a dia do casal

10 Maneiras de modernizar sua cozinha

Apartamentos pequenos: 12 dicas para aumentar espaços

Lofts sofisticados

Elevador interno ou externo?

Como Ampliar Pequenos Ambientes

Soluções arquitetônicas que melhoram o dia a dia do casal

10 formas de tornar um espaço pequeno, maior!

Perguntas e respostas sobre casas de madeira

O projeto da casa começa com um diálogo franco com o arquiteto

Casa pré-fabricada de madeira? Dicas para sua compra.

Falta de espaço é solucionado com pequenas soluções arquitetônicas

Varandas grandes ou pequenas, um espaço para relaxar!

Um banheiro a mais

Soluções arquitetônicas: uma casa adequada ao seu estilo de vida. - parte 2

Soluções arquitetônicas: uma casa adequada ao seu estilo de vida.

Lareira, como planejar.

Casa Rio das Ostras

High Line e Standard Hotel NY

Arquitetura, como fazer bonito, barato e com bom gosto

Novos Paradigmas da Arquitetura Contemporânea

(R)evolução dos Home Theaters

Os 10 Mandamentos da Casa de Praia

O TAV (Trem Bala) e a tecnologia nacional

Casa de bambu é leve, barata e à prova de terremotos

Construções em bambu

Alguns conceitos atuais de Arquitetura

Soluções para construção de Centros de Distribuição na Movimat 2008

Vila Olímpíca de PEQUIM 2008

Urbanismo: um novo centro para Marselha

Vidros seletivos, produtos de última geração na linha de controle solar

Arquitetura de Exportação – SIM ou NÃO?

PVC na arquitetura: beleza, funcionalidade, inovação. Uma solução para seu projeto

Projetos de arquitetura : Contraste x Integração

Pontes cobertas: beleza, tradição e história explicadas à luz da engenharia

Projeto de residência: um guia com medidas e áreas mínimas

Residência construída em etapas