Seu navegador não supoerta scripts

Busca

 

Curso a Distância - Redução do consumo de água em edificações

Curso a Distância - Eficiência Energética em Edifícios

Curso a Distância - Arquitetura Corporativa

Curso a Distância - Terra Crua

Curso a Distância - Arquitetura Acessível x Barreiras Arquitetônicas e Culturais

 

Artigos

 



Catálogo de Produtos Inclusivos

 

Acompanhe-nos

Facebook   Facebook

 

 

Evoluímos!
Dýnamis agora é TriGeo!

Em seu 25º aniversário a Dýnamis Engenharia Geotécnica passa para uma nova fase de desenvolvimento e amadurecimento e, a partir de agora irá se concentrar na Consultoria Geotécnica através do Eng° Mauro Hernandez Lozano, criador e fundador da empresa.
Pela vasta experiência adquirida nestes vinte e cinco anos e com a finalidade de continuar prestando serviços geotécnicos de excelência, cria-se a empresa TriGeo Engenharia Geotécnica, alicerçada no mesmo corpo técnico da Dýnamis Engenharia Geotécnica.
O Eng° Mauro Hernandez Lozano continuará a participar ativamente do dia-a-dia da nova empresa, que tem sua conduta inspirada na Ciência Trilógica que unifica a ciência, a filosofia e a metafísica.
A TriGeo surge para fazer diferença no atendimento e relacionamento com clientes e fornecedores.
Veja mais sobre a TriGeo Engenharia Geotécnica na página da empresa em nosso site

por Eng. Mauro Hernandez Lozano

Importância do Programa de Investigações Geológicas Geotécnicas (IGGs)



É de suma importância para o sucesso de um empreendimento uma boa programação de investigações geológicas geotécnicas que identificaremos como IGG.

O Programa de IGG é o planejamento de uma campanha de investigações de campo e laboratório que deve considerar os aspectos de custos, características das obras e as condicionantes geológicas geotécnicas, por exemplo: solos lateríticos, saproliticos, e colapsivos, existência de rocha e matacões, presença de zonas carsticas, hidrogeologia, sazonalidade, etc.

Inicialmente vamos entender o que é uma IGG e por que é de grande relevância a sua realização.

Para entender o que é uma IGG, precisamos estar cientes que o subsolo é constituído por solos e rochas, e que para tratá-los, do ponto de vista da engenharia civil, precisamos compartimentá-lo em camadas que possam ser consideradas de igual comportamento à resistência, compressibilidade e permeabilidade.

Os solos de uma camada serão tratados como tipicamente iguais, apesar de não serem. Ou seja, serão consideradas como se tivessem as mesmas propriedades de engenharia (resistência, compressibilidade e permeabilidade). Para podermos fazer essa consideração e definir a distribuição destas camadas, precisamos fazer as denominadas IGG.

As IGGs devem ser realizadas no sítio geotécnico, isto é, local onde o conhecimento das camadas típicas de solos (que podem ser estatisticamente tratadas como um universo) influencia no comportamento das obras de engenharia pelo seu carregamento ou descarregamento e/ou alteração do estado de tensões atuando nos solos do subsolo.

Qualquer obra de engenharia civil altera o estado de tensões no subsolo, que por sua vez se comportará de forma específica em função das propriedades de engenharia dos solos (resistência, compressibilidade e permeabilidade).

Assim, qualquer obra de engenharia, para ser segura, precisa ter seu subsolo conhecido (através da IGG) de forma abrangente, de modo a conhecermos o comportamento dos solos e, consequentemente, da estrutura (obra de engenharia).

Então as IGG nos levam a conhecer a distribuição e o comportamento dos solos do terreno (camadas do subsolo) influenciado e/ou afetado pela obra e vice-versa (iteração solo-estrutura). Sem as IGGs, ou quando estas são precárias ou insuficientes, caberá ao engenheiro geotécnico – face às incertezas na distribuição das camadas e seus respectivos comportamentos – adotar maiores coeficientes de segurança em seus cálculos, o que afetará o custo da obra projetada. E isto é correto, adequado, ético e a favor da segurança.

Cabe então ao Engenheiro Civil Geotécnico, para realizar um bom trabalho, desenvolver um Programa de IGG que consta, inicialmente, dos seguintes procedimentos:

- Conhecer o local da obra
- Identificar os possíveis problemas geotécnicos que venham a intervir na obra
- Contar com experiências e/ou a ajuda de colegas
- Executar pesquisas bibliográficas
- Consultar mapas geológicos e geotécnicos do local
- Realizar o um Programa de IGG, com localização, tipos de ensaios e quantidades.


Vejam que para desenvolver o Programa de IGG precisamos ter experiência e uma visão abrangente dos problemas geotécnicos envolvidos caso a caso.

O Programa de IGG depende também da fase do empreendimento e dos riscos envolvidos.

Quanto maiores os riscos (incertezas geram riscos maiores) mais e melhor temos de investigar. Mas, os riscos também são função da própria qualidade, quantidade e aprofundamento das IGGs.

O Programa de IGG deve ser apresentado em planta onde fique clara a localização dos furos de sondagens e profundidades. Também, devem ser tabeladas as sondagens programadas indicando: a localização (coordenadas norte e este e cota), profundidade, critério de paralização, além dos tipos e os procedimentos a serem adotados para execução de cada uma. Tudo deve estar minuciosamente detalhado de forma que não haja dúvidas aos executores das sondagens constantes do Programa de IGG.

Quanto às coletas de amostras e aos ensaios de laboratório, também deve ficar claro: a localização da coleta das amostras, sua profundidade e os tipos de amostragem (deformadas e indeformadas). Assim como, os tipos de ensaios e procedimentos de execução.

O Programa de IGG deve incluir os procedimentos de coleta, embalagem necessária, condições de transporte e recepção do laboratório, cabendo ao engenheiro geotécnico (consultor) verificar, acompanhar e analisar os resultados de seu Programa de IGG. À medida que não se dispõe recursos para estes trabalhos, eximi-se o geotécnico de suas responsabilidades com prejuízo ao cliente.

Então para uma boa prática de execução das IGG, que não vem sendo realizada como prática de marcado, o engenheiro geotécnico (consultor) deve acompanhar seu Programa de IGG passo a passo, de modo a corrigir os rumos e ou verificar deficiências para que se tenha um final feliz.

A ausência deste tipo de comportamento, por parte dos geotécnicos, pode trazer dissabores nos resultados finais, acarretando inclusive em litígios desagradáveis e onerosos a todos.

Em um Programa de IGG temos que identificar as camadas típicas da forma mais precisa possível, pois estas irão representar os solos ali presentes como sendo iguais. Isto é fundamental, visto que, menor será a incerteza, quanto à variabilidade do comportamento dos solos em um determinado universo, quanto maior for a representatividade das amostras de lá extraídas.

Ou seja, devemos investir no conhecimento das camadas tipicamente iguais, e para isto utilizamos ensaios indicativos, como: SPT, táctil visual, pastilha e penetrômetros, que são mais rápidos e de menor custo, e devem ser realizados em maior quantidade.

Desta maneira os ensaios mais demorados e de maior custo serão realizados em menor número de amostras, pois estas estarão representando bem o universo ou camada típica em questão.

Os ensaios que medem as propriedades de engenharia (resistência, compressibilidade e permeabilidade) serão tão mais representativos do seu universo de origem quanto mais ensaios de caracterização, classificação e penetrometrico forem realizados neste mesmo universo mostrando sua “homogeneidade”.

Ressalta-se que os solos saproliticos podem apresentar descontinuidade e/ou feições preferências que os tornam mais complexos para a interpretação das camadas típicas e/ou de seus comportamentos.

As IGGs devem ser iterativas, dinâmicas e concomitantes. Ou seja, devemos interagir com as sondagens de campo rapidamente, de modo que, na medida em que recebamos os resultados parciais, as IGGs sejam ajustadas de forma a atender as necessidades de conhecer as camadas típicas até a profundidade de influência da obra (carregamentos) e amostrá-las de modo a conseguir a representatividade dos solos, para em seguida fazer os ensaios de caracterização, classificação e propriedades de engenharia (resistência, compressibilidade e permeabilidade).

Quem executa as IGGs no campo ou no laboratório realiza as partes do Programa sem uma visão holística que cabe ao engenheiro geotécnico. Exatamente por isso, o geotécnico deve agir de forma dinâmica ajustando o andamento das IGGs em função dos resultados parciais recebidos.

Assim, as quantidades, os tipos e procedimentos executivos devem ser estabelecidos e ajustados em função dos resultados parciais, à medida que os mesmos são obtidos. Este comportamento deve iniciar-se no programa, continuar na locação de furos no campo e nos primeiros resultados das sondagens e seguir passo a passo com as IGGs.

Assim também deverão ser realizadas as coletas de amostra. Conhecendo as dificuldades de campo, confirmando se o solo coletado é o que o geotécnico esperava; seguido da embalagem da amostra no campo, seu transporte e recepção no laboratório.

À medida que recebe os dados das amostras: as informações e dificuldades de campo, de como foram transportadas e como chegaram ao laboratório, cabe ao engenheiro geotécnico interpreta as informações à luz dos problemas geotécnicos e ajustar sua programação e procedimentos.

Apesar de serem estes os procedimentos da Boa Técnica temos muita dificuldade de atendê-los face aos prazos e recursos. Cabe-nos, sempre, insistir para que haja recursos e prazos necessários e suficientes para se fazer o melhor ao próprio cliente, que ganhará ao investir nas IGGs.

A postura proposta aqui é reconhecida no meio geotécnico como o correto, ético e mais seguro. Entretanto, temos que ceder ao sistema que impõe muitas vezes um prazo e parcos recursos.

Para o geotécnico isto faz com que ele perceba as incertezas maiores ou menores, projetando-as para o dimensionamento das obras geotécnicas que evidentemente custarão mais.

Mas, também isto ainda pode ser corrigido, ajustado e revisto na fase de obra onde devemos indicar nas especificações técnicas (ET), parte integrante, do projeto, um sistema de controle tecnológico (CT) e de qualidade, definindo critérios de aceitação (CA) das obras. Neste momento o engenheiro geotécnico poderá ainda reparar os desvios para mais ou para menos ajustando as obras às reais condições encontradas no campo.

Daí, destacamos a importância também do acompanhamento técnico das obras (ATO) onde, amparado pelas suas especificações técnicas (ET) da execução das obras, através do controle tecnológico (CT) e critério de aceitação (CA), poderemos estender a finalidade do Programa de IGG resultado no objetivo da engenharia de fazer uma obra econômica e segura.




Você conhece o "Curso a distancia IBDA - CentrodEstudos? Veja os cursos disponíveis, e colabore com o IBDA, participando, divulgando e sugerindo novos temas.

Visite nossa página no facebook -www.facebook.com/forumconstrucao - Curta, Divulgue

Comentários

Mais artigos

Habitação popular, cidades e geologia

Economia e Garantia nos Aterros de Auto Desempenho

Deslizamentos e enchentes: Culpar as chuvas mais uma vez?

As nascentes no código florestal: Uma proposta para a boa solução do imbróglio criado

O significado da fiscalização em obras de engenharia

As soluções assumindo temerariamente o comando

O Código de Mineração, a tragédia da Samarco e os geólogos brasileiros

Rompimento da barragem de rejeitos da Samarco em Mariana: Irresponsabilidade na gestão de riscos

Cuidado no Projeto de Terraplenagem

Cidades e geologia

Ciclo de Produção e Qualidade da Engenharia Geotécnica - 3a Etapa

Áreas de risco. Chegou a hora e a vez do Ministério Público

Ciclo de Produção e Qualidade da Engenharia Geotécnica - 2a Etapa

Enchentes continuarão se SP não voltar a reter água da chuva

Ciclo de Produção e Qualidade da Engenharia Geotécnica - 1a Etapa

Lençol freático: O melhor reservatório urbano para as águas de chuva

Um código florestal próprio para as cidades

Enchentes: a repetida derrota de um modelo

Carta Geotécnica: Ferramenta indispensável para os municípios brasileiros

Cantareira e enchentes: Nosso paradoxo hídrico

Piscinões verdes contra as enchentes

O colapso do viaduto e a engenharia brasileira

Impõe-se a proibição do rebaixamento forçado do lençol freático em determinados contextos geológicos urbanos

Enchentes: Taxa de Permeabilidade ou Cota de Acumulação/infiltração por Lote?

Substitutivo ao plano diretor inova positivamente

Obras viárias: cortes, aterros, túneis ou viadutos?

Aterro de Alta Performance (AP) - 5 - Taludes, Muros de Arrimo, Barragens e Aterros Sanitários e de Resíduos.

Importância do Programa de Investigações Geológicas Geotécnicas (IGGs)

Aterro de Alta Performance (AP) - 4 - Fundações Rasa

Aterro de Alta Performance (Aterro de AP) - 3 - Obras de Piso Industrial

Aterro de Alta Performance (AP) - 2 - Obras de Pavimentação

Aterro de Alta Performance (AP) - 1

As chuvas, e o medo, chegaram.

Obras de Terraplanagem: O patinho feio da geotecnia

São Paulo: Plano Diretor demanda carta geotécnica

O esvaziamento tecnológico do estado brasileiro e suas terríveis consequências.

Uso Inadequado de Maquinas de Terraplanagem

Situações de cunho geotécnico a ser preventivamente investigado na aquisição/utilização de um terreno

O Prefeito Haddad e as Enchentes

As chuvas chegaram. Como estamos?

Os novos prefeitos e as enchentes

O lixo atrapalha, mas não é o vilão das enchentes

Empreendimento de médio e grande portes: A obrigatoriedade de elaboração de um plano de gestão geológico-geotécnica

Entulho: é preciso consumi-lo em grandes quantidades, o que implica estimular seu uso bruto ou semi-bruto

A enorme importância da camada superficial de solos para a engenharia e a sociedade brasileiras

Imperioso trazer arquitetos e urbanistas para o debate geotécnico

Áreas de Risco: A Lei nº 12.608 e os limites dos alertas pluviométricos

Enchentes: Governador, é preciso virar a mesa

Um pouco de luz para os serviços de recuperação e conservação das estradas vicinais de terra

As calçadas do Sr. Prefeito e as enchentes

Não é com obras e com alertas pluviométricos que as tragédias das áreas de risco devem ser enfrentadas

Responsabilidade Sobre Deslizamentos de Solos e Inundações.

Áreas de risco, geologia e arquitetura

Enchentes: Mais uma vez culpar a natureza?

Riscos de Ruína – Sempre Presente – em Engenharia de Solos

Responsabilidades dos Riscos de Desastres ou Tragédias

Enchentes: Reter as águas de chuva em reservatórios domésticos e empresariais

Trincas nas Edificações

Enchentes: Ajardinem suas calçadas

Enchentes: criem bosques florestados, não tirem a serapilheira

Projeto de Loteamento Carece de Engenharia Geotécnica

As mudanças ao código florestal aprovadas na Câmara e a questão urbana

Relação entre movimentos de massa e a presença de água

É o fenômeno, estúpido!

Olhe à sua volta, há um geólogo por aí

Tipos de Escorregamentos e Importância de Estudos Geotécnicos

Tragédias geológicas: o objetivo deve estar na eliminação do risco

Serra do Cafezal: O atraso tecnológico da BR 116

Áreas de risco, geologia e urbanismo

Drenagem Geotécnica – Solução em Deslizamentos de Solos e Erosão

As tragédias serranas, o código ambiental e o espaço urbano

Muros de Arrimo - Os Mitos e Verdades

Tragédias: A tendência é o aumento da frequência e da letalidade

As tragédias e o essencial da dinâmica evolutiva da escarpa da serra do mar

Tragédia climática de janeiro de 2011 - minhas impressões

Seca no Pampa

As Chuvas Causam os Problemas?

Todas as áreas de topografia suave podem ser consideradas seguras?

Cursos Livres de Engenharia Civil Geotécnica - Uma Necessidade

Engenharia Geotécnica e Geologia de Engenharia: responsabilidades distintas, mas indissociáveis

Novamente as chuvas serão as culpadas?

Geotecnia brasileira vive a ditadura da solução

Curso: Solo grampeado - Projeto e Execução

O TAV (Trem de Alta Velocidade) e sua segurança operacional

Deslizamentos de Solos - Descaso Recorrente

Áreas de risco: a remoção é a solução mais justa

Aspectos essenciais na elaboração de uma carta geotécnica

Olhe à sua volta, há um geólogo por aí

A patologia existente por detrás dos deslizamentos de solos

Áreas de risco: quando desocupar, quando consolidar

Deslizamentos de Solos e as Chuvas – Soluções de Biogeotecnia

Saídas para evitar novas catástrofes em 2011

Carta aberta às autoridades públicas: Deslizamentos e enchentes, que em 2011 as tragédias não se repitam

Áreas de Riscos de Deslizamentos - Não Construir ou Como Construir?

Vidas soterradas. Até quando? Existem soluções?

Enchentes: O conhecimento das causas deve orientar as soluções

Como Enfrentar Problemas de Deslizamento

O mito dos piscinões na cidade de São Paulo

Muro de Arrimo Ecológico

Governador Serra, peça ao IPT um plano alternativo de combate às enchentes

Agora é Lei: Ensaios Triaxiais e ATO - Taludes, Muros de Arrimo e Contenções

A água subterrânea está se tornando casa da mãe joana.

O que é uma nascente? Como identificá-la?

Uma estratégia de governo para a Serra do Mar

Bioengenharia dos Solos na Estabilização de Taludes e Erosões

Carta geotécnica: Um salto à frente no estatuto das cidades.

Acidentes em obras de engenharia. Há como evitá-los

Lições de Santa Catarina. Autoridades, queiram por favor anotar

Arquitetura, urbanismo e geologia.

Parede de painéis monolíticos de solo-cimento

Será mesmo o lixo o vilão das enchentes?

Os 3 postulados sagrados da geologia de engenharia

A importância da camada superficial de solos para a sociedade brasileira

Estabilização de taludes: o perigoso

Geotecnia : O papel e as enormes responsabilidades das investigações geológicas

A atual estratégia de combate a enchentes urbanas na região metropolitana de São Paulo é adequada?

Deslizamentos de Taludes e Contenção – Obrigatoriedade de Ensaios e ATO

Enchentes e escorregamentos seguem matando. E daí?

Solução Inédita para Tratamento de Solos Moles no Brasil

Suspeita-se que Retaludamento em Aterro Causa Risco à Rodovia

Case: Uso de gabiões caixa e saco para contenção de parede externa de galpão

Importância da Assessoria Técnica à Obra (ATO) de Muros de Arrimo e Contenção

Contenção em solo reforçado

Visão Holística Sobre Problemas de Engenharia Geotécnica em Áreas de Risco de Deslizamento

A Patologia Geotécnica

Recalques por Rebaixamento do Lençol Freático

Executando aterros sem patologia

Tipos de solo e investigação do subsolo: entenda o ensaio a percussão e seu famoso índice SPT

Acidente na Linha 4 do Metrô em SP: Uma Grande Oportunidade Social para a Engenharia Geotécnica

Conheça os três tipos principais de solo: areia, silte e argila

Como são Desenvolvidos os Projetos Geotécnicos

Contenção em Solo Grampeado

Escorregamento de Taludes e Encostas