Seu navegador não supoerta scripts

Busca

 

Curso a Distância - Redução do consumo de água em edificações

Curso a Distância - Eficiência Energética em Edifícios

Curso a Distância - Arquitetura Corporativa

Curso a Distância - Terra Crua

Curso a Distância - Arquitetura Acessível x Barreiras Arquitetônicas e Culturais

 

Artigos

 



Catálogo de Produtos Inclusivos

 

Acompanhe-nos

Facebook   Facebook

 

 

Evoluímos!
Dýnamis agora é TriGeo!

Em seu 25º aniversário a Dýnamis Engenharia Geotécnica passa para uma nova fase de desenvolvimento e amadurecimento e, a partir de agora irá se concentrar na Consultoria Geotécnica através do Eng° Mauro Hernandez Lozano, criador e fundador da empresa.
Pela vasta experiência adquirida nestes vinte e cinco anos e com a finalidade de continuar prestando serviços geotécnicos de excelência, cria-se a empresa TriGeo Engenharia Geotécnica, alicerçada no mesmo corpo técnico da Dýnamis Engenharia Geotécnica.
O Eng° Mauro Hernandez Lozano continuará a participar ativamente do dia-a-dia da nova empresa, que tem sua conduta inspirada na Ciência Trilógica que unifica a ciência, a filosofia e a metafísica.
A TriGeo surge para fazer diferença no atendimento e relacionamento com clientes e fornecedores.
Veja mais sobre a TriGeo Engenharia Geotécnica na página da empresa em nosso site

por Eng. Mauro Hernandez Lozano

A Patologia Geotécnica



A engenharia geotécnica tem que ser integral para não criar patologias. A sua aplicação sem considerar a intuição pode ser catastrófica.A origem da patologia em engenharia geotécnica (contenções, taludes, fundações, barragens, e outras) em nosso ver, esta relacionada a diversos fatores, mas um é o principal e essencial trata-se da intuição, percepção, bom senso ou senso crítico.

A prática do engenheiro geotécnico tem sido exercida de forma dicotômica. No que se refere à questão já tão polemizada entre a experiência e a teoria (lógica matemática).

Deste modo, acredito que as questões polemizadas, entre teoria e prática, teriam sido atendidas. Ou seja, haveria a aplicação dos aspectos teóricos e práticos.

Entretanto, isto não vem sendo realizado na prática. Isto é, o projeto tem sido reduzido a um desenho apenas, e pior, até as questões lógicas da engenharia geotécnica (o cálculo numérico e as investigações geotécnicas) têm sido negligenciados.

O poder econômico e político têm corrompido o meio técnico levando a uma prática de engenheira geotécnica lamentável. Pois, é sabido o quanto às sondagens, ensaios e outros procedimentos consagrados, vêm sendo negligenciados, e quando realizados, de forma inadequada, acarretando em conseqüências desastrosas.

Mas, o mais importante, é que o engenheiro geotécnico, parece ter perdido seu senso crítico. Lembro o artigo do Peck cujo titulo é “Onde Foi Parar O Senso Crítico?”, de 1980, onde relata diversos insucessos de obras de barragens, atribuindo os mesmos a falta de bom senso.

O que é interessante ressaltar, que quando explica o bom senso / senso crítico leva a questão da falta de experiência dos engenheiros “calculistas”, isto é, a supervalorização dos cálculos (método dos elementos finitos) em detrimento a experiência. E, explica não ser contra os cálculos.

Considera-se atual a questão colocada no artigo de Peck (1980), principalmente pela “atualidade” da questão, lembremos dos insucessos recentes, e conclui-se que a sociedade especializada ainda não conseguiu implantar tal conduta, pressionada que é pelos poderes dominantes. Não se deseja aqui, eximi-la da responsabilidade. Muito pelo contrário, entende-se que todo e qualquer profissional que se submete, a tal comportamento, está se permitindo a corrupção de seus valores mais profundos e éticos.

Quanto à explicação de Peck, de colocar o senso crítico relacionado apenas com a experiência, tenho a considerar minha opinião contrária, ou uma interpretação diferente da que tive, ao ler seu artigo.

Pelos recentes estudos que venho realizando sobre a ciência trilógica, desenvolvida pelo Dr. Norberto R. Keppe pesquisador e psicanalista, compreendo que existem três fatores a serem considerados, para consecução de uma boa engenharia geotécnica, que são: teoria; prática; e intuição (percepção, bom senso ou senso crítico).

Explicando melhor, a trilogia concebe que o ser humano deve considerar em sua vida três aspectos de forma integral, isto é, ao mesmo tempo. Ou seja, ele deve ser a razão (matemático, calculista) a prática (ação com afeto) e a energia essencial que é a intuição. Ele deve aceitar a energia essencial e divina como emanações, tais como a intuição e a percepção, além, evidentemente, da teoria e da experiência. Pode-se associar a teoria à filosofia; e a experiência ou prática à ciência. Então, trilogia, representa a integração da Teologia com a Filosofia e a Ciência.

O mais importante é ressaltar que no entendimento de Keppe o elemento superior é o da energia essencial, e é exatamente este, que não vem sendo considerado nas ciências atuais. Causando com isso, os grandes males, que a humanidade vem presenciando em todos os setores da vida no planeta.

Segundo as descobertas de Keppe, posso compreender o quanto à sociedade tem sido reduzida em seu desenvolvimento, por não considerar a metafísica como um elemento fundamental.

Assim posso concluir, que a boa engenharia geotécnica, só possa ser profícua, ao considerar a teoria conjuntamente com a experiência, sem excluir, mas muito ao contrário, considerando necessariamente e principalmente a intuição ou percepção, como um fator indispensável à boa prática da engenharia.

Como denomina Keppe, a energia essencial é primaria a todo desenvolvimento da humanidade. Esta, por conseguinte, não elimina ou invalida ou reduz a teoria e experiência. Mas, fundi-se as três como igualmente importante, por isso o termo Trilogia Integral. Ou seja, integra a Ciência, Filosofia e Teologia ou experiência, teoria e intuição.

Na verdade, aprende-se dos ensinamentos de Keppe, que a própria teoria e experiência tiveram origem da energia essencial (divina). Também é importante ressaltar, que outros autores na área de geotecnia, citam o bom senso e experiência como elementos diferentes.

Assim pode-se concluir que, bom senso, censo crítico, intuição e percepção estejam relacionados com a energia divina ou essencial como denomina Keppe. Enquanto, outro cientista “Tesla” a chama de energia escalar.

Segundo Keppe, o problema é que as ciências (física, matemática, medicina, e etc..) são baseadas na metafísica de Aristóteles, que está invertida quando comparada à de Platão, Sócrates e Parmênides, seus antecessores. A idéia principal é que Aristóteles baseou-se no parcial para atingir o geral, método indutivo. Enquanto Platão e seus antecessores eram defensores do método dedutivo. Keppe, N.R. diz que o correto é o que denominou de “dedincão” que seria uma conjunção das duas metodologias.


Explicando melhor, no caso da engenharia geotécnica, o engenheiro deve se por em ação, utilizando as técnicas existentes, e mais adequadas, caso a caso, tanto nas investigações como nos cálculos, além de sua experiência e a bibliografia existente e, conjuntamente com as ferramentas vindas da teoria, que representa os pesquisadores e a prática vivenciada em projetos e obras. Mas, sem perder o senso crítico, o bom senso, a intuição e percepção; ou seja, as idéias provenientes do criador.

Voltando a questão de Peck (1980) (Onde Foi Parar O Senso Critico?) tem-se a ratificar que o ser humano parece estar totalmente alheio às infinitas oportunidades metafísicas, reduzindo e ainda, precariamente, a engenharia geotécnica, a aspectos eminentemente sensoriais influenciado por Aristóteles, indo do particular para chegar no geral, deixando de lado sua capacidade e idéias ou senso crítico que provem do Divino.

Ao escrever este artigo, reconheço que muitos colegas irão imaginar, que estou delirando com tal questão aqui exposta. Entretanto, estou certo que a humanidade só pode estar no “caminho errado” e que em breve reconhecerá, se já não o faz, ainda que timidamente este fato.

A aplicação da engenharia geotécnica não é diferente. Temos que aceitar falar deste tema, e em particular, nós temos adotado em nossa empresa, os estudos e as pesquisas, de mais de 50 anos de Keppe N. R., como base dos nossos trabalhos, quer seja na área técnica, administrativa e de desenvolvimento humano, que são o tripé de sustentação de nossa empresa.

Temos que nos tornar trilogicos integral, ou seja, desenvolver qualquer trabalho, ação e relacionamento, vislumbrando os aspectos materiais e espirituais, como uma coisa só, una. Tendo sempre em mente praticar o Bem, o Belo, e a Verdade.

Assim, poderemos responder a pergunta de Peck N. R., dizendo que estamos nos religando a Deus, e conseqüentemente readquirindo o que “perdemos”, por total “ignorância” ou por um “pecado original”, por não querer ver o Bem que recebemos constantemente do Criador e que não fazemos uso.

Isto é, o Bom Senso, o Senso Crítico, a Intuição e Percepção do Conhecimento e da Sabedoria.

Nenhum ser humano será completo, se não aceitar a energética que nos mantém e que dá o acesso a todo, Bem, Verdade e Belo possível e disponível a toda humanidade. Pois somos o Bem, Belo e Verdadeiro e ao rejeitar criamos a Patologia.

Até certo momento da vida, eu tinha ansiedade de qual seria o caminho mais adequado a seguir. Seduzido pela teoria (pesquisa acadêmica), mas com uma certa insatisfação, pois sentia a necessidade dos aspectos práticos referentes à execução das obras.

Se bem que para realizar um bom projeto, é dever do engenheiro geotécnico imaginar a execução da obra projetada. Assim, ele deve definir as etapas e a seqüência construtiva e as especificações técnicas de execução, além do controle tecnológico. Também é indispensável considerar que o projetista geotécnico realize a assessoria técnica a obra (ATO), procurando identificar se as premissas de projeto estão se confirmando, e ajustá-las as reais condições de campo.

Você conhece o "Curso a distancia IBDA - SitEscola? Veja os cursos disponíveis, e colabore com o IBDA, participando, divulgando e sugerindo novos temas.

Comentários

Mais artigos

Dória, Alckmin e as enchentes

A quem interessa combater enchentes com a velha estratégia dos piscinões?

Habitação popular, cidades e geologia

Economia e Garantia nos Aterros de Auto Desempenho

Deslizamentos e enchentes: Culpar as chuvas mais uma vez?

As nascentes no código florestal: Uma proposta para a boa solução do imbróglio criado

O significado da fiscalização em obras de engenharia

As soluções assumindo temerariamente o comando

O Código de Mineração, a tragédia da Samarco e os geólogos brasileiros

Rompimento da barragem de rejeitos da Samarco em Mariana: Irresponsabilidade na gestão de riscos

Cuidado no Projeto de Terraplenagem

Cidades e geologia

Ciclo de Produção e Qualidade da Engenharia Geotécnica - 3a Etapa

Áreas de risco. Chegou a hora e a vez do Ministério Público

Ciclo de Produção e Qualidade da Engenharia Geotécnica - 2a Etapa

Enchentes continuarão se SP não voltar a reter água da chuva

Ciclo de Produção e Qualidade da Engenharia Geotécnica - 1a Etapa

Lençol freático: O melhor reservatório urbano para as águas de chuva

Um código florestal próprio para as cidades

Enchentes: a repetida derrota de um modelo

Carta Geotécnica: Ferramenta indispensável para os municípios brasileiros

Cantareira e enchentes: Nosso paradoxo hídrico

Piscinões verdes contra as enchentes

O colapso do viaduto e a engenharia brasileira

Impõe-se a proibição do rebaixamento forçado do lençol freático em determinados contextos geológicos urbanos

Enchentes: Taxa de Permeabilidade ou Cota de Acumulação/infiltração por Lote?

Substitutivo ao plano diretor inova positivamente

Obras viárias: cortes, aterros, túneis ou viadutos?

Aterro de Alta Performance (AP) - 5 - Taludes, Muros de Arrimo, Barragens e Aterros Sanitários e de Resíduos.

Importância do Programa de Investigações Geológicas Geotécnicas (IGGs)

Aterro de Alta Performance (AP) - 4 - Fundações Rasa

Aterro de Alta Performance (Aterro de AP) - 3 - Obras de Piso Industrial

Aterro de Alta Performance (AP) - 2 - Obras de Pavimentação

Aterro de Alta Performance (AP) - 1

As chuvas, e o medo, chegaram.

Obras de Terraplanagem: O patinho feio da geotecnia

São Paulo: Plano Diretor demanda carta geotécnica

O esvaziamento tecnológico do estado brasileiro e suas terríveis consequências.

Uso Inadequado de Maquinas de Terraplanagem

Situações de cunho geotécnico a ser preventivamente investigado na aquisição/utilização de um terreno

O Prefeito Haddad e as Enchentes

As chuvas chegaram. Como estamos?

Os novos prefeitos e as enchentes

O lixo atrapalha, mas não é o vilão das enchentes

Empreendimento de médio e grande portes: A obrigatoriedade de elaboração de um plano de gestão geológico-geotécnica

Entulho: é preciso consumi-lo em grandes quantidades, o que implica estimular seu uso bruto ou semi-bruto

A enorme importância da camada superficial de solos para a engenharia e a sociedade brasileiras

Imperioso trazer arquitetos e urbanistas para o debate geotécnico

Áreas de Risco: A Lei nº 12.608 e os limites dos alertas pluviométricos

Enchentes: Governador, é preciso virar a mesa

Um pouco de luz para os serviços de recuperação e conservação das estradas vicinais de terra

As calçadas do Sr. Prefeito e as enchentes

Não é com obras e com alertas pluviométricos que as tragédias das áreas de risco devem ser enfrentadas

Responsabilidade Sobre Deslizamentos de Solos e Inundações.

Áreas de risco, geologia e arquitetura

Enchentes: Mais uma vez culpar a natureza?

Riscos de Ruína – Sempre Presente – em Engenharia de Solos

Responsabilidades dos Riscos de Desastres ou Tragédias

Enchentes: Reter as águas de chuva em reservatórios domésticos e empresariais

Trincas nas Edificações

Enchentes: Ajardinem suas calçadas

Enchentes: criem bosques florestados, não tirem a serapilheira

Projeto de Loteamento Carece de Engenharia Geotécnica

As mudanças ao código florestal aprovadas na Câmara e a questão urbana

Relação entre movimentos de massa e a presença de água

É o fenômeno, estúpido!

Olhe à sua volta, há um geólogo por aí

Tipos de Escorregamentos e Importância de Estudos Geotécnicos

Tragédias geológicas: o objetivo deve estar na eliminação do risco

Serra do Cafezal: O atraso tecnológico da BR 116

Áreas de risco, geologia e urbanismo

Drenagem Geotécnica – Solução em Deslizamentos de Solos e Erosão

As tragédias serranas, o código ambiental e o espaço urbano

Muros de Arrimo - Os Mitos e Verdades

Tragédias: A tendência é o aumento da frequência e da letalidade

As tragédias e o essencial da dinâmica evolutiva da escarpa da serra do mar

Tragédia climática de janeiro de 2011 - minhas impressões

Seca no Pampa

As Chuvas Causam os Problemas?

Todas as áreas de topografia suave podem ser consideradas seguras?

Cursos Livres de Engenharia Civil Geotécnica - Uma Necessidade

Engenharia Geotécnica e Geologia de Engenharia: responsabilidades distintas, mas indissociáveis

Novamente as chuvas serão as culpadas?

Geotecnia brasileira vive a ditadura da solução

Curso: Solo grampeado - Projeto e Execução

O TAV (Trem de Alta Velocidade) e sua segurança operacional

Deslizamentos de Solos - Descaso Recorrente

Áreas de risco: a remoção é a solução mais justa

Aspectos essenciais na elaboração de uma carta geotécnica

Olhe à sua volta, há um geólogo por aí

A patologia existente por detrás dos deslizamentos de solos

Áreas de risco: quando desocupar, quando consolidar

Deslizamentos de Solos e as Chuvas – Soluções de Biogeotecnia

Saídas para evitar novas catástrofes em 2011

Carta aberta às autoridades públicas: Deslizamentos e enchentes, que em 2011 as tragédias não se repitam

Áreas de Riscos de Deslizamentos - Não Construir ou Como Construir?

Vidas soterradas. Até quando? Existem soluções?

Enchentes: O conhecimento das causas deve orientar as soluções

Como Enfrentar Problemas de Deslizamento

O mito dos piscinões na cidade de São Paulo

Muro de Arrimo Ecológico

Governador Serra, peça ao IPT um plano alternativo de combate às enchentes

Agora é Lei: Ensaios Triaxiais e ATO - Taludes, Muros de Arrimo e Contenções

A água subterrânea está se tornando casa da mãe joana.

O que é uma nascente? Como identificá-la?

Uma estratégia de governo para a Serra do Mar

Bioengenharia dos Solos na Estabilização de Taludes e Erosões

Carta geotécnica: Um salto à frente no estatuto das cidades.

Acidentes em obras de engenharia. Há como evitá-los

Lições de Santa Catarina. Autoridades, queiram por favor anotar

Arquitetura, urbanismo e geologia.

Parede de painéis monolíticos de solo-cimento

Será mesmo o lixo o vilão das enchentes?

Os 3 postulados sagrados da geologia de engenharia

A importância da camada superficial de solos para a sociedade brasileira

Estabilização de taludes: o perigoso

Geotecnia : O papel e as enormes responsabilidades das investigações geológicas

A atual estratégia de combate a enchentes urbanas na região metropolitana de São Paulo é adequada?

Deslizamentos de Taludes e Contenção – Obrigatoriedade de Ensaios e ATO

Enchentes e escorregamentos seguem matando. E daí?

Solução Inédita para Tratamento de Solos Moles no Brasil

Suspeita-se que Retaludamento em Aterro Causa Risco à Rodovia

Case: Uso de gabiões caixa e saco para contenção de parede externa de galpão

Importância da Assessoria Técnica à Obra (ATO) de Muros de Arrimo e Contenção

Contenção em solo reforçado

Visão Holística Sobre Problemas de Engenharia Geotécnica em Áreas de Risco de Deslizamento

A Patologia Geotécnica

Recalques por Rebaixamento do Lençol Freático

Executando aterros sem patologia

Tipos de solo e investigação do subsolo: entenda o ensaio a percussão e seu famoso índice SPT

Acidente na Linha 4 do Metrô em SP: Uma Grande Oportunidade Social para a Engenharia Geotécnica

Conheça os três tipos principais de solo: areia, silte e argila

Como são Desenvolvidos os Projetos Geotécnicos

Contenção em Solo Grampeado

Escorregamento de Taludes e Encostas