Seu navegador não supoerta scripts

Busca

 

Curso a Distância - Redução do consumo de água em edificações

Curso a Distância - Eficiência Energética em Edifícios

Curso a Distância - Arquitetura Corporativa

Curso a Distância - Terra Crua

Curso a Distância - Arquitetura Acessível x Barreiras Arquitetônicas e Culturais

 

Artigos

 



Catálogo de Produtos Inclusivos

 

Acompanhe-nos

Facebook   Facebook

 

 

Evoluímos!
Dýnamis agora é TriGeo!

Em seu 25º aniversário a Dýnamis Engenharia Geotécnica passa para uma nova fase de desenvolvimento e amadurecimento e, a partir de agora irá se concentrar na Consultoria Geotécnica através do Eng° Mauro Hernandez Lozano, criador e fundador da empresa.
Pela vasta experiência adquirida nestes vinte e cinco anos e com a finalidade de continuar prestando serviços geotécnicos de excelência, cria-se a empresa TriGeo Engenharia Geotécnica, alicerçada no mesmo corpo técnico da Dýnamis Engenharia Geotécnica.
O Eng° Mauro Hernandez Lozano continuará a participar ativamente do dia-a-dia da nova empresa, que tem sua conduta inspirada na Ciência Trilógica que unifica a ciência, a filosofia e a metafísica.
A TriGeo surge para fazer diferença no atendimento e relacionamento com clientes e fornecedores.
Veja mais sobre a TriGeo Engenharia Geotécnica na página da empresa em nosso site

por Redação

A atual estratégia de combate a enchentes urbanas na região metropolitana de São Paulo é adequada?



Enchentes, mortes, desabrigados, prejuízos de toda ordem.
Esse é um cenário que se repete todo ano. O que fazer ? O que está sendo feito ? É adequado ou não a estratégia atual ? O jornal Folha de São Paulo convidou dois especialistas, com opiniões divergentes, para responder a essa questão, e pela importância do assunto reproduzimos a posição desses profissionais :

SIM

Um novo paradigma

Aluisio Pardo Canholi

O ENORME desenvolvimento em planejamento, estudos e projetos de drenagem urbana verificado na região metropolitana de São Paulo (RMSP), notadamente nos últimos 15 anos, transformou a região em um dos pólos mais avançados na concepção e aplicação de técnicas inovadoras de controle de enchentes em nível mundial. Os resultados obtidos até aqui permitem afirmar, sem sombra de dúvida, que estamos trilhando uma rota acertada na busca da redução dos riscos das enchentes associadas às grandes precipitações que assolam a região em todo o verão.

E o que mudou?

Primeiro, a mudança de paradigma que foi a adoção de obras de reservação, nas suas diversas modalidades, sobretudo os reservatórios de controle de cheias, em detrimento das obras de canalização. Isso ocorreu em São Paulo após o inicio da operação exitosa do reservatório do Pacaembu, de onde adveio o termo "piscinão".

Em épocas ainda não tão distantes, na RMSP multiplicaram-se as canalizações e as retificações de córregos realizadas para a construção das avenidas de "fundo de vale". Os canais espremidos entre ou sob as vias tiveram suas velocidades aumentadas, o que inflou em até seis vezes os picos de cheia, ampliação bem superior aquela devida à impermeabilização, tida pelos menos avisados como a grande vilã das enchentes.

Em segundo lugar, é preciso louvar a realização, em 1998, pelo Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE), do Plano Diretor de Macrodrenagem da Bacia do Alto Tietê.

Praticamente toda a RMSP localiza-se em uma única bacia hidrográfica, a do Alto Tietê. Toda a drenagem dessa região de quase 2.000 km2 de área urbana, 39 municípios e quase 20 milhões de habitantes encaminha-se para um único escoadouro, o rio Tietê, o que torna a questão complexa e de caráter metropolitano.

A visão integrada do plano diretor, que adotou a bacia como unidade de planejamento, tornou possível recomendar e priorizar obras e ações corretivas e preventivas, evitando as intervenções pontuais responsáveis outrora pelo simples deslocamento dos pontos de enchente.

O critério básico adotado pelo plano foi o das vazões de restrição. A partir da cheia máxima suportável pelo Tietê -e sucessivamente para os demais rios-, definiram-se os limites da adução por cada afluente. Em todos os casos foi necessária a reservação nos afluentes para obedecer a esses critérios.

Como as restrições eram severas, as reservações recomendadas foram significativas, como na bacia do Tamanduateí, de 7,7 milhões de m3, dos quais já implantados mais de 4 milhões de m3pelo DAEE e pelas prefeituras. No Aricanduva, dos previstos 2,2 milhões de m3, já estão implantados pela Secretaria de Infra-Estrutura Urbana e Obras da Prefeitura de São Paulo perto de 1,5 milhão de m3.

Em suma, a RMSP já conta com cerca de 7 milhões de m3 em mais de 40 reservatórios, o equivalente a cem piscinões do Pacaembu. Atualmente, muitas outras obras vêm sendo implantadas na RMSP, todas elas seguindo o plano diretor, como no Aricanduva, onde está sendo implantada obra pioneira em nível nacional visando a redução de velocidades no canal, além da construção de "polders" nas áreas mais baixas; e no Pirajussara constrói-se um piscinão de 500 mil m3.

Outro avanço significativo em época recente refere-se ao sistema de alerta às inundações em operação no município de São Paulo, efetuado pela Centro de Gerenciamento de Emergências da prefeitura, além do Sistema de Alerta às Inundações, com apoio de radar meteorológico.

As áreas críticas sujeitas a inundações ainda são significativas, os déficits ainda são enormes, muito ainda há de se fazer, notadamente em termos de ações estruturais (obras), complementadas por ações de educação ambiental e medidas não-estruturais, visando sua sustentabilidade.

Porém, os avanços observados tanto no aspecto institucional, com o planejamento e as ações empreendidas de forma integrada e em nível metropolitano, como no aspecto técnico, dadas as inovações tecnológicas já implementadas, permitem ser otimista com relação aos bons resultados que já vêm sendo e serão paulatinamente obtidos no combate às enchentes na região metropolitana de São Paulo.
________________________________________
ALUISIO PARDO CANHOLI , doutor em engenharia hidráulica pela USP, é diretor da Hidrostudio Engenharia e autor do livro "Drenagem Urbana e Controle de Enchentes".


A atual estratégia de combate a enchentes urbanas na região metropolitana de São Paulo é adequada?

NÃO


É preciso atacar também outras causas

Álvaro Rodrigues dos Santos

UM MELHOR entendimento das enchentes da metrópole paulistana exige que voltemos nossa atenção para a equação básica desse fenômeno, por sinal comum a muitas cidades brasileiras: "Volumes crescentemente maiores de água, em tempos sucessivamente menores, sendo escoados para drenagens naturais e construídas progressivamente incapazes de lhes dar vazão, tendo como palco uma região geológica já naturalmente caracterizada por sua dificuldade em dar bom e rápido escoamento às suas águas superficiais".

Essa equação é basicamente sustentada pela cultura tecnológica da impermeabilização e da erosão com que as cidades da região metropolitana foram erguidas e se expandem e pelas condições geológicas e hidrológicas naturais da região, com seus principais rios (Tietê, Pinheiros, Tamanduateí) apresentando uma declividade muito pequena.

Com sucessivos programas de combate às enchentes, o governo paulista, há muitas décadas, tem perseguido exclusivamente o objetivo estrutural de aumentar a capacidade de vazão dos rios principais por meio de alentadas e seguidas obras de retificação, alargamento, aprofundamento e desassoreamento. Bilhões de reais foram gastos nesses serviços.

Sem dúvida, fundamental para um combate exitoso das enchentes. Mas, apesar dos elevados gastos, insuficiente; como, aliás, a realidade o vem demonstrando. Mesmo com o auxílio de já quase 20 piscinões instalados na região metropolitana.

O fato é que faz-se essencial atacar também um outro objetivo, de ordem complementar, qual seja, a reversão da cultura da impermeabilização e da erosão com que a metrópole vem se desenvolvendo, de forma a recuperar ao máximo a capacidade da região de reter a água da chuva e permitir sua infiltração, com isso reduzindo o volume e aumentando o tempo com que essas águas chegam às drenagens. Ou seja, "quebrar a outra perna" da citada equação das enchentes.

Esse objetivo, incompreensivelmente relegado pela administração pública, será atingido pelo somatório de uma série de medidas de fácil execução, como pequenos e médios reservatórios domésticos e empresariais de águas de chuva, estacionamentos, praças, quintais, calçadas, valetas, pátios e tubulações drenantes, poços e trincheiras de infiltração, intenso plantio de árvores e de médios e pequenos bosques florestados.

Os famosos piscinões, obras de alto custo de implantação e manutenção, são concebidos para cumprir hidraulicamente esse papel. Porém, pelo intenso e rápido assoreamento por sedimentos e lixo que os atinge, pelo altíssimo e perigoso grau de contaminação das águas superficiais urbanas e pelo fato de estarem inseridos em áreas urbanas densamente ocupadas, são hoje verdadeiros atentados urbanísticos, sanitários e ambientais. É uma pena que o poder público os tenha "comprado" como a panacéia para o combate às enchentes. Uma outra fantástica causa das enchentes que precisa ser urgente e imperiosamente atacada em suas origens: o intenso assoreamento das drenagens naturais e construídas pelos sedimentos provenientes dos generalizados processos erosivos que ocorrem sobretudo na zona periférica de expansão urbana da metrópole.

A erosão resulta hoje no aporte de mais de 3,5 milhões de m3 anuais de sedimentos para o interior de córregos e rios, reduzindo em muito sua capacidade de vazão. O lançamento irregular do lixo urbano e do entulho de construção civil colabora nesse assoreamento, e é importante combatê-lo, mas é bom lembrar que os sedimentos são responsáveis por 95% do volume total do assoreamento.

Sem sombra de dúvida, somente essa abordagem mais completa do fenômeno das enchentes propiciará aos paulistanos, se não a eliminação total do problema, a drástica e civilizada redução de sua freqüência e intensidade.
________________________________________
ÁLVARO RODRIGUES DOS SANTOS , geólogo, é consultor em geologia de engenharia, geotecnia e meio ambiente. Foi diretor de Planejamento e Gestão do IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas) e diretor da Divisão de Geologia. É autor, entre outras obras, de "Geologia de Engenharia: Conceitos, Método e Prática".

Comentários

Mais artigos

A importância da geotecnia na construção civil

Dória, Alckmin e as enchentes

A quem interessa combater enchentes com a velha estratégia dos piscinões?

Habitação popular, cidades e geologia

Economia e Garantia nos Aterros de Auto Desempenho

Deslizamentos e enchentes: Culpar as chuvas mais uma vez?

As nascentes no código florestal: Uma proposta para a boa solução do imbróglio criado

O significado da fiscalização em obras de engenharia

As soluções assumindo temerariamente o comando

O Código de Mineração, a tragédia da Samarco e os geólogos brasileiros

Rompimento da barragem de rejeitos da Samarco em Mariana: Irresponsabilidade na gestão de riscos

Cuidado no Projeto de Terraplenagem

Cidades e geologia

Ciclo de Produção e Qualidade da Engenharia Geotécnica - 3a Etapa

Áreas de risco. Chegou a hora e a vez do Ministério Público

Ciclo de Produção e Qualidade da Engenharia Geotécnica - 2a Etapa

Enchentes continuarão se SP não voltar a reter água da chuva

Ciclo de Produção e Qualidade da Engenharia Geotécnica - 1a Etapa

Lençol freático: O melhor reservatório urbano para as águas de chuva

Um código florestal próprio para as cidades

Enchentes: a repetida derrota de um modelo

Carta Geotécnica: Ferramenta indispensável para os municípios brasileiros

Cantareira e enchentes: Nosso paradoxo hídrico

Piscinões verdes contra as enchentes

O colapso do viaduto e a engenharia brasileira

Impõe-se a proibição do rebaixamento forçado do lençol freático em determinados contextos geológicos urbanos

Enchentes: Taxa de Permeabilidade ou Cota de Acumulação/infiltração por Lote?

Substitutivo ao plano diretor inova positivamente

Obras viárias: cortes, aterros, túneis ou viadutos?

Aterro de Alta Performance (AP) - 5 - Taludes, Muros de Arrimo, Barragens e Aterros Sanitários e de Resíduos.

Importância do Programa de Investigações Geológicas Geotécnicas (IGGs)

Aterro de Alta Performance (AP) - 4 - Fundações Rasa

Aterro de Alta Performance (Aterro de AP) - 3 - Obras de Piso Industrial

Aterro de Alta Performance (AP) - 2 - Obras de Pavimentação

Aterro de Alta Performance (AP) - 1

As chuvas, e o medo, chegaram.

Obras de Terraplanagem: O patinho feio da geotecnia

São Paulo: Plano Diretor demanda carta geotécnica

O esvaziamento tecnológico do estado brasileiro e suas terríveis consequências.

Uso Inadequado de Maquinas de Terraplanagem

Situações de cunho geotécnico a ser preventivamente investigado na aquisição/utilização de um terreno

O Prefeito Haddad e as Enchentes

As chuvas chegaram. Como estamos?

Os novos prefeitos e as enchentes

O lixo atrapalha, mas não é o vilão das enchentes

Empreendimento de médio e grande portes: A obrigatoriedade de elaboração de um plano de gestão geológico-geotécnica

Entulho: é preciso consumi-lo em grandes quantidades, o que implica estimular seu uso bruto ou semi-bruto

A enorme importância da camada superficial de solos para a engenharia e a sociedade brasileiras

Imperioso trazer arquitetos e urbanistas para o debate geotécnico

Áreas de Risco: A Lei nº 12.608 e os limites dos alertas pluviométricos

Enchentes: Governador, é preciso virar a mesa

Um pouco de luz para os serviços de recuperação e conservação das estradas vicinais de terra

As calçadas do Sr. Prefeito e as enchentes

Não é com obras e com alertas pluviométricos que as tragédias das áreas de risco devem ser enfrentadas

Responsabilidade Sobre Deslizamentos de Solos e Inundações.

Áreas de risco, geologia e arquitetura

Enchentes: Mais uma vez culpar a natureza?

Riscos de Ruína – Sempre Presente – em Engenharia de Solos

Responsabilidades dos Riscos de Desastres ou Tragédias

Enchentes: Reter as águas de chuva em reservatórios domésticos e empresariais

Trincas nas Edificações

Enchentes: Ajardinem suas calçadas

Enchentes: criem bosques florestados, não tirem a serapilheira

Projeto de Loteamento Carece de Engenharia Geotécnica

As mudanças ao código florestal aprovadas na Câmara e a questão urbana

Relação entre movimentos de massa e a presença de água

É o fenômeno, estúpido!

Olhe à sua volta, há um geólogo por aí

Tipos de Escorregamentos e Importância de Estudos Geotécnicos

Tragédias geológicas: o objetivo deve estar na eliminação do risco

Serra do Cafezal: O atraso tecnológico da BR 116

Áreas de risco, geologia e urbanismo

Drenagem Geotécnica – Solução em Deslizamentos de Solos e Erosão

As tragédias serranas, o código ambiental e o espaço urbano

Muros de Arrimo - Os Mitos e Verdades

Tragédias: A tendência é o aumento da frequência e da letalidade

As tragédias e o essencial da dinâmica evolutiva da escarpa da serra do mar

Seca no Pampa

As Chuvas Causam os Problemas?

Todas as áreas de topografia suave podem ser consideradas seguras?

Cursos Livres de Engenharia Civil Geotécnica - Uma Necessidade

Engenharia Geotécnica e Geologia de Engenharia: responsabilidades distintas, mas indissociáveis

Novamente as chuvas serão as culpadas?

Geotecnia brasileira vive a ditadura da solução

Curso: Solo grampeado - Projeto e Execução

O TAV (Trem de Alta Velocidade) e sua segurança operacional

Deslizamentos de Solos - Descaso Recorrente

Áreas de risco: a remoção é a solução mais justa

Aspectos essenciais na elaboração de uma carta geotécnica

Olhe à sua volta, há um geólogo por aí

A patologia existente por detrás dos deslizamentos de solos

Áreas de risco: quando desocupar, quando consolidar

Deslizamentos de Solos e as Chuvas – Soluções de Biogeotecnia

Carta aberta às autoridades públicas: Deslizamentos e enchentes, que em 2011 as tragédias não se repitam

Áreas de Riscos de Deslizamentos - Não Construir ou Como Construir?

Vidas soterradas. Até quando? Existem soluções?

Enchentes: O conhecimento das causas deve orientar as soluções

Como Enfrentar Problemas de Deslizamento

O mito dos piscinões na cidade de São Paulo

Muro de Arrimo Ecológico

Agora é Lei: Ensaios Triaxiais e ATO - Taludes, Muros de Arrimo e Contenções

A água subterrânea está se tornando casa da mãe joana.

O que é uma nascente? Como identificá-la?

Uma estratégia de governo para a Serra do Mar

Bioengenharia dos Solos na Estabilização de Taludes e Erosões

Carta geotécnica: Um salto à frente no estatuto das cidades.

Acidentes em obras de engenharia. Há como evitá-los

Arquitetura, urbanismo e geologia.

Parede de painéis monolíticos de solo-cimento

Será mesmo o lixo o vilão das enchentes?

Os 3 postulados sagrados da geologia de engenharia

A importância da camada superficial de solos para a sociedade brasileira

Estabilização de taludes: o perigoso

Geotecnia : O papel e as enormes responsabilidades das investigações geológicas

A atual estratégia de combate a enchentes urbanas na região metropolitana de São Paulo é adequada?

Deslizamentos de Taludes e Contenção – Obrigatoriedade de Ensaios e ATO

Enchentes e escorregamentos seguem matando. E daí?

Solução Inédita para Tratamento de Solos Moles no Brasil

Suspeita-se que Retaludamento em Aterro Causa Risco à Rodovia

Case: Uso de gabiões caixa e saco para contenção de parede externa de galpão

Importância da Assessoria Técnica à Obra (ATO) de Muros de Arrimo e Contenção

Contenção em solo reforçado

Visão Holística Sobre Problemas de Engenharia Geotécnica em Áreas de Risco de Deslizamento

A Patologia Geotécnica

Recalques por Rebaixamento do Lençol Freático

Executando aterros sem patologia

Tipos de solo e investigação do subsolo: entenda o ensaio a percussão e seu famoso índice SPT

Conheça os três tipos principais de solo: areia, silte e argila

Como são Desenvolvidos os Projetos Geotécnicos

Contenção em Solo Grampeado

Escorregamento de Taludes e Encostas