Seu navegador não supoerta scripts

Busca

 

Curso a Distância - Redução do consumo de água em edificações

Curso a Distância - Eficiência Energética em Edifícios

Curso a Distância - Arquitetura Corporativa

Curso a Distância - Terra Crua

Curso a Distância - Arquitetura Acessível x Barreiras Arquitetônicas e Culturais

 

Artigos

 



Catálogo de Produtos Inclusivos

 

Acompanhe-nos

Facebook   Facebook

 

 

Evoluímos!
Dýnamis agora é TriGeo!

Em seu 25º aniversário a Dýnamis Engenharia Geotécnica passa para uma nova fase de desenvolvimento e amadurecimento e, a partir de agora irá se concentrar na Consultoria Geotécnica através do Eng° Mauro Hernandez Lozano, criador e fundador da empresa.
Pela vasta experiência adquirida nestes vinte e cinco anos e com a finalidade de continuar prestando serviços geotécnicos de excelência, cria-se a empresa TriGeo Engenharia Geotécnica, alicerçada no mesmo corpo técnico da Dýnamis Engenharia Geotécnica.
O Eng° Mauro Hernandez Lozano continuará a participar ativamente do dia-a-dia da nova empresa, que tem sua conduta inspirada na Ciência Trilógica que unifica a ciência, a filosofia e a metafísica.
A TriGeo surge para fazer diferença no atendimento e relacionamento com clientes e fornecedores.
Veja mais sobre a TriGeo Engenharia Geotécnica na página da empresa em nosso site

por Eng. Mauro Hernandez Lozano

Como Enfrentar Problemas de Deslizamento



Os problemas de deslizamentos – que estão, dia a dia, mais comuns – são, em última instância, decorrentes da ausência da aplicação da engenharia civil geotécnica. O Brasil dispõe de um considerável manancial de engenheiros e geólogos, dotados de capacidade técnica, acadêmica e pratica, além de possuir várias empresas executoras de projetos e de obras, aptas a atender a esse tipo de demanda, ou seja, deslizamentos de terra, quedas de muros de arrimo e de várias modalidades de contenções.

Então, se a realidade é esta, é licito que se indague: por que, a cada chuva de grande volume, temos que conviver com tantos acidentes?

Esse fato decorre de um problema cultural, pois as cidades, estradas, indústrias e outros empreendimentos foram e são implantadas sem um projeto geotécnico, ou então, suprimindo o indispensável apoio técnico às obras (ATO) aos empreendimentos de engenharia civil em geral.


Isto priva essas obras da aplicação das boas práticas disponíveis e dos conhecimentos científicos existentes; ou, em outras palavras: sem a aplicação adequada da engenharia civil geotécnica.

Vamos aos fatos técnicos que dão origem a estes problemas e quais os dispositivos que devem ser conhecidos para solucioná-los: Preliminarmente desejamos registrar a existência de normas técnicas a
ABNT. Incumbe destacar a norma de agosto passado (NBR-11682) de Estabilidade de Encostas, que cria obrigatoriedades com força de lei às quais é obrigatório atender.

A primeira fase de um trabalho geotécnico é talvez a mais importante e, por paradoxal que pareça, é a mais negligenciada: são as investigações geotécnicas, indispensáveis a um projeto que anteceda à obra atingida por um deslizamento. Essa medida é igualmente necessária para diagnosticar a patologia (compreender a razão do deslizamento, o que lhe deu causa) e, a partir desse estágio, evoluir para a escolha da solução.

A norma supracitada, por exemplo, discorre sobre estas investigações e cria a obrigatoriedade da execução de ensaios triaxiais (determinação da resistência dos solos envolvidos no problema eotécnico – ensaios de laboratório).

Como se há de imaginar atender-se a um problema de deslizamento ou de talude submetido a uma escavação ou aterro, sem que se dominem as propriedades da engenharia de resistência?

Obviamente não há como.

Então é de se indagar: estas obras de taludes (desníveis de terraplenagem) e encostas ora ocupadas, que deslizam (e ou deslizaram) neste período de chuvas, teriam sido objeto de tais ensaios, agora obrigatórios?


Certamente não. Em sua quase totalidade, pode-se afirmar – sem receio de se estar incorrendo em erro – que a execução dessas obras e implantações urbanas não foi precedida dos indispensáveis ensaios de resistência.

Mas o problema não se limita a isto; ao revés, é muito maior, pois outra providência obrigatória – que são as sondagens à percussão – também, na maioria dos casos não foram realizadas em consonância com os preceitos da boa técnica executiva de engenharia e estas devem anteceder os ensaios de laboratório.

Assim, também não foram realizados os projetos geotécnicos obrigatórios e ainda, muitas vezes, não são mesmo após acidentes como estes que vemos todos, praticamente, todos os dias pela na mídia. Inclusive, com mortes.

Outro fator relevante a explicar estes deslizamentos - e que deve ser atendido ou observado na correção das conseqüências – é o apoio técnico às obras (ATO) que a norma de taludes em encosta também coloca como obrigatório.

Este apoio representa, basicamente, visitas dos engenheiros civis geotécnicos às obras por eles projetadas, ajustando as realidades de campo às intenções ou objetivos do projeto geotécnico.

Procurando definir o que é um engenheiro civil geotécnico proporíamos aqui dizer que seria um engenheiro civil com numero de registro em carteira no conselho regional de engenharia (CREA) e que tenha anotação e certificado de responsabilidade técnica (ART e CAT) emitido em relação a problemas similares, e com mais de 10 a 15 anos de experiência nesta área específica.

As ocorrências de deslizamento, na maioria das vezes, começam pelo caminho da convocação do órgão de Defesa Civil, por razões óbvias de preservação dos interesses de quem foi atingido.

Antes de considerar que essa providência seja inadequada, a experiência nos ensinou, porém, que esses fenômenos de deslizamento costumam “avisar”, ou seja, emitir sinais prévios. Esses “avisos” manifestam-se através de trincas em muros, fendas no solo, águas de chuva que minam do terreno em locais suspeitos, etc.

É bem aí, nesse instante, que se recomenda – para todos os casos, inclusive condomínios, indústrias, dentre outros empreendimentos – que se inicie o processo mediante a imediata contratação de engenheiro geotécnico que é a pessoa habilitada – técnica e legalmente – a apresentar e justificar um parecer técnico sobre problema que tenha atingido ou venha a atingir um talude ou encosta.


Nessa visita de inspeção preliminar, o engenheiro e/ou geólogo de engenharia deve verificar os indícios existentes no terreno e, com base nesses sintomas, consultar o mapa geológico, emitindo parecer sobre as providências a serem tomadas.

Em suas recomendações no parecer técnico (e que devem ser acompanhadas de um croqui do desnível existente no terreno) esse especialista deve abordar, principalmente, os problemas de drenagem superficial e sub- superficial (qdo for o caso)

Desejamos ressaltar que, apesar da falha representada pela omissão da aplicação adequada da engenharia, grande parte das conseqüências desses deslizamentos, são contornáveis ou mitigados (ou ainda, postergados), com a adoção – efetiva e eficaz – de uma drenagem superficial.

A observação dos deslocamentos (mediante monitoramento) são também elementos, muitas vezes, imprescindíveis para o enfrentamento dos problemas de deslizamentos.

As visitas de inspeção realizadas por engenheiros civis geotécnicos e geólogos de engenharia civil devem ser complementadas por relatório técnico de parecer do profissional (acompanhado da devida documentação perante CREA e ART) com ênfase nas recomendações de caráter objetivo, em primeiro lugar em relação às vidas humanas eventualmente envolvidas e, a seguir, quanto à provável remoção de bens materiais.

Esse trabalho técnico não pode, ainda, prescindir da recomendação de atitudes relativas a drenagens (provisórias e/ou permanentes) a serem providenciadas em caráter de emergência, ou então, com prazos exeqüíveis em consonância com os interesses e necessidades do proprietário da obra e seu executor.

Também deverão constar do trabalho, recomendações técnicas sobre os serviços complementares de tratamentos específicos, impermeabilizações e proteções superficiais, quando se aplicarem.

Recomenda-se ainda, que as providências quanto à drenagem e proteção superficial sejam apresentadas em forma de texto e devidamente ilustradas por desenhos esquemáticos.

Não bastassem todos estes cuidados e providências, esse trabalho do engenheiro (ou geólogo de engenharia) ainda deve conter recomendações e instruções relativas ao monitoramento dos deslocamentos, sempre procurando maneiras simples de aplicação imediata das soluções propostas, e – se for o caso – outras mais complexas que demandarão, evidentemente, maiores custos e/ou tempo de execução.


À guisa de exemplo desses cuidados adicionais poderse-á recorrer à implantação de marcos e referências topográficas e, ainda, medidas de aberturas de trincas, de fácil execução e de baixo custo, como também acontecem com a utilização de pluviômetros.

Os pareceres geotécnicos são a medida mais adequada e sugerida nestas circunstâncias, pois os procedimentos básicos serão prontamente estabelecidos e suas providências poderão reduzir ou mitigar as conseqüências, podendo até chegar ao limite de evitar deslizamentos.

Estes documentos também deverão estabelecer não só as atividades urgentes e de aplicação imediata como também todas as necessidades para conferir total segurança futura, ao local, pois relataria as necessidades de topografia, sondagens, ensaios, projetos e apoio técnico as obras (ATO).

O mesmo profissional que emite este parecer deverá fazer visitas posteriores de monitoramento visual, para que – se for o caso – e adapte e adéqüe seu parecer em função do que tenha sido atendido (ou não) em relação às suas recomendações e, ainda, sugerir outras, em função de novas ocorrências.

A periodicidade destas visitas varia a cada caso e sua quantidade de periodicidade deve ser definida de comum acordo entre as partes, e analisadas as respectivas responsabilidades envolvidas.

Temos absoluta convicção de que seja esta a forma mais rápida e econômica para enfrentamento de ocorrências nestas áreas sujeitas a risco de deslizamentos.

As visitas que aqui propomos tem por função dar agilidade e economia ao tratamento deste tipo de problema assim como retardar, minimizar – e até evitar – custos de projetos e obras de estabilização, além de atender a eventuais exigências do Ministério Publico, que costumam acontecer em casos mais graves e de maior repercussão.

Esta preocupação com o aspecto econômico justifica-se pelo fato de que existem muitas situações em que não se dispõe de todos os recursos necessários à execução obras de estabilização e ou contenção assim como de remoção de famílias e/ou de bens materiais, restando, nestes casos, a circunstância de se ter que conviver com o risco.

Você conhece o "Curso a distancia IBDA - SitEscola? Veja os cursos disponíveis, e colabore com o IBDA, participando, divulgando e sugerindo novos temas.

Comentários

Mais artigos

Dória, Alckmin e as enchentes

A quem interessa combater enchentes com a velha estratégia dos piscinões?

Habitação popular, cidades e geologia

Economia e Garantia nos Aterros de Auto Desempenho

Deslizamentos e enchentes: Culpar as chuvas mais uma vez?

As nascentes no código florestal: Uma proposta para a boa solução do imbróglio criado

O significado da fiscalização em obras de engenharia

As soluções assumindo temerariamente o comando

O Código de Mineração, a tragédia da Samarco e os geólogos brasileiros

Rompimento da barragem de rejeitos da Samarco em Mariana: Irresponsabilidade na gestão de riscos

Cuidado no Projeto de Terraplenagem

Cidades e geologia

Ciclo de Produção e Qualidade da Engenharia Geotécnica - 3a Etapa

Áreas de risco. Chegou a hora e a vez do Ministério Público

Ciclo de Produção e Qualidade da Engenharia Geotécnica - 2a Etapa

Enchentes continuarão se SP não voltar a reter água da chuva

Ciclo de Produção e Qualidade da Engenharia Geotécnica - 1a Etapa

Lençol freático: O melhor reservatório urbano para as águas de chuva

Um código florestal próprio para as cidades

Enchentes: a repetida derrota de um modelo

Carta Geotécnica: Ferramenta indispensável para os municípios brasileiros

Cantareira e enchentes: Nosso paradoxo hídrico

Piscinões verdes contra as enchentes

O colapso do viaduto e a engenharia brasileira

Impõe-se a proibição do rebaixamento forçado do lençol freático em determinados contextos geológicos urbanos

Enchentes: Taxa de Permeabilidade ou Cota de Acumulação/infiltração por Lote?

Substitutivo ao plano diretor inova positivamente

Obras viárias: cortes, aterros, túneis ou viadutos?

Aterro de Alta Performance (AP) - 5 - Taludes, Muros de Arrimo, Barragens e Aterros Sanitários e de Resíduos.

Importância do Programa de Investigações Geológicas Geotécnicas (IGGs)

Aterro de Alta Performance (AP) - 4 - Fundações Rasa

Aterro de Alta Performance (Aterro de AP) - 3 - Obras de Piso Industrial

Aterro de Alta Performance (AP) - 2 - Obras de Pavimentação

Aterro de Alta Performance (AP) - 1

As chuvas, e o medo, chegaram.

Obras de Terraplanagem: O patinho feio da geotecnia

São Paulo: Plano Diretor demanda carta geotécnica

O esvaziamento tecnológico do estado brasileiro e suas terríveis consequências.

Uso Inadequado de Maquinas de Terraplanagem

Situações de cunho geotécnico a ser preventivamente investigado na aquisição/utilização de um terreno

O Prefeito Haddad e as Enchentes

As chuvas chegaram. Como estamos?

Os novos prefeitos e as enchentes

O lixo atrapalha, mas não é o vilão das enchentes

Empreendimento de médio e grande portes: A obrigatoriedade de elaboração de um plano de gestão geológico-geotécnica

Entulho: é preciso consumi-lo em grandes quantidades, o que implica estimular seu uso bruto ou semi-bruto

A enorme importância da camada superficial de solos para a engenharia e a sociedade brasileiras

Imperioso trazer arquitetos e urbanistas para o debate geotécnico

Áreas de Risco: A Lei nº 12.608 e os limites dos alertas pluviométricos

Enchentes: Governador, é preciso virar a mesa

Um pouco de luz para os serviços de recuperação e conservação das estradas vicinais de terra

As calçadas do Sr. Prefeito e as enchentes

Não é com obras e com alertas pluviométricos que as tragédias das áreas de risco devem ser enfrentadas

Responsabilidade Sobre Deslizamentos de Solos e Inundações.

Áreas de risco, geologia e arquitetura

Enchentes: Mais uma vez culpar a natureza?

Riscos de Ruína – Sempre Presente – em Engenharia de Solos

Responsabilidades dos Riscos de Desastres ou Tragédias

Enchentes: Reter as águas de chuva em reservatórios domésticos e empresariais

Trincas nas Edificações

Enchentes: Ajardinem suas calçadas

Enchentes: criem bosques florestados, não tirem a serapilheira

Projeto de Loteamento Carece de Engenharia Geotécnica

As mudanças ao código florestal aprovadas na Câmara e a questão urbana

Relação entre movimentos de massa e a presença de água

É o fenômeno, estúpido!

Olhe à sua volta, há um geólogo por aí

Tipos de Escorregamentos e Importância de Estudos Geotécnicos

Tragédias geológicas: o objetivo deve estar na eliminação do risco

Serra do Cafezal: O atraso tecnológico da BR 116

Áreas de risco, geologia e urbanismo

Drenagem Geotécnica – Solução em Deslizamentos de Solos e Erosão

As tragédias serranas, o código ambiental e o espaço urbano

Muros de Arrimo - Os Mitos e Verdades

Tragédias: A tendência é o aumento da frequência e da letalidade

As tragédias e o essencial da dinâmica evolutiva da escarpa da serra do mar

Seca no Pampa

As Chuvas Causam os Problemas?

Todas as áreas de topografia suave podem ser consideradas seguras?

Cursos Livres de Engenharia Civil Geotécnica - Uma Necessidade

Engenharia Geotécnica e Geologia de Engenharia: responsabilidades distintas, mas indissociáveis

Novamente as chuvas serão as culpadas?

Geotecnia brasileira vive a ditadura da solução

Curso: Solo grampeado - Projeto e Execução

O TAV (Trem de Alta Velocidade) e sua segurança operacional

Deslizamentos de Solos - Descaso Recorrente

Áreas de risco: a remoção é a solução mais justa

Aspectos essenciais na elaboração de uma carta geotécnica

Olhe à sua volta, há um geólogo por aí

A patologia existente por detrás dos deslizamentos de solos

Áreas de risco: quando desocupar, quando consolidar

Deslizamentos de Solos e as Chuvas – Soluções de Biogeotecnia

Carta aberta às autoridades públicas: Deslizamentos e enchentes, que em 2011 as tragédias não se repitam

Áreas de Riscos de Deslizamentos - Não Construir ou Como Construir?

Vidas soterradas. Até quando? Existem soluções?

Enchentes: O conhecimento das causas deve orientar as soluções

Como Enfrentar Problemas de Deslizamento

O mito dos piscinões na cidade de São Paulo

Muro de Arrimo Ecológico

Agora é Lei: Ensaios Triaxiais e ATO - Taludes, Muros de Arrimo e Contenções

A água subterrânea está se tornando casa da mãe joana.

O que é uma nascente? Como identificá-la?

Uma estratégia de governo para a Serra do Mar

Bioengenharia dos Solos na Estabilização de Taludes e Erosões

Carta geotécnica: Um salto à frente no estatuto das cidades.

Acidentes em obras de engenharia. Há como evitá-los

Arquitetura, urbanismo e geologia.

Parede de painéis monolíticos de solo-cimento

Será mesmo o lixo o vilão das enchentes?

Os 3 postulados sagrados da geologia de engenharia

A importância da camada superficial de solos para a sociedade brasileira

Estabilização de taludes: o perigoso

Geotecnia : O papel e as enormes responsabilidades das investigações geológicas

A atual estratégia de combate a enchentes urbanas na região metropolitana de São Paulo é adequada?

Deslizamentos de Taludes e Contenção – Obrigatoriedade de Ensaios e ATO

Enchentes e escorregamentos seguem matando. E daí?

Solução Inédita para Tratamento de Solos Moles no Brasil

Suspeita-se que Retaludamento em Aterro Causa Risco à Rodovia

Case: Uso de gabiões caixa e saco para contenção de parede externa de galpão

Importância da Assessoria Técnica à Obra (ATO) de Muros de Arrimo e Contenção

Contenção em solo reforçado

Visão Holística Sobre Problemas de Engenharia Geotécnica em Áreas de Risco de Deslizamento

A Patologia Geotécnica

Recalques por Rebaixamento do Lençol Freático

Executando aterros sem patologia

Tipos de solo e investigação do subsolo: entenda o ensaio a percussão e seu famoso índice SPT

Conheça os três tipos principais de solo: areia, silte e argila

Como são Desenvolvidos os Projetos Geotécnicos

Contenção em Solo Grampeado

Escorregamento de Taludes e Encostas