Seu navegador não supoerta scripts

Busca

 

Curso a Distância - Redução do consumo de água em edificações

Curso a Distância - Eficiência Energética em Edifícios

Curso a Distância - Arquitetura Corporativa

Curso a Distância - Terra Crua

Curso a Distância - Arquitetura Acessível x Barreiras Arquitetônicas e Culturais

 

Artigos

 



Catálogo de Produtos Inclusivos

 

Acompanhe-nos

Facebook   Facebook

 

 

Em Iluminação (veja mais notícias de Iluminação)

Lâmpadas LED terão selo do Inmetro

Por Taysa Dias

O aumento da conta de energia elétrica e a retirada das lâmpadas incandescentes do mercado têm levado o consumidor a optar pelos modelos em LED.

Mas é preciso tomar certos cuidados na hora de adquiri-los, isso porque nem todas as marcas do mercado oferecem qualidade e garantia de economia.

A lighting designer da Grey House Iluminação, Adriana Sypniewski, explica que na hora da compra é preciso escolher marcas confiáveis no mercado, para isso, uma orientação especializada é fundamental. “Comprar uma lâmpada LED não é garantia de economia”, ressalta.

Para regulamentar o mercado das lâmpadas de LED, o Governo Federal publicou as portarias 143 e 144 que abordam os aspectos técnicos de qualidade e a regulação da comercialização e etiquetagem correta. Essa norma entra em vigor no final do ano, sendo que a partir de 17 de dezembro de 2015 os fabricantes e importadores deverão trazer produtos em conformidade com o Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia) e depois de 17 de junho de 2016 deverão comercializar somente produtos dentro das novas características no mercado nacional.

A Etiqueta Nacional de Conservação de Energia (Ence), deverá informar a potência (W), fluxo luminoso (lm), eficiência luminosa (lm/W) e um número que identifica o registro de certificação junto ao OCP (Organismo de Certificação de Produto).

A embalagem também deverá conter a equivalência do LED em relação à fluorescente, além da comparação com a incandescente, que já existe.

Adriana Sypniewski explica que a regulamentação é positiva, pois garante qualidade e respeito ao consumidor. “Sempre trabalhamos com empresas que primam pela eficiência, e a regulamentação irá certificar essas marcas já consolidadas”, finaliza.


Mais notícias sobre este mesmo tema: