Seu navegador não supoerta scripts

Busca

 

Curso a Distância - Redução do consumo de água em edificações

Curso a Distância - Eficiência Energética em Edifícios

Curso a Distância - Arquitetura Corporativa

Curso a Distância - Terra Crua

Curso a Distância - Arquitetura Acessível x Barreiras Arquitetônicas e Culturais

 

Artigos

 



Catálogo de Produtos Inclusivos

 

Acompanhe-nos

Facebook   Facebook

 

 

Em Soluções Arquitetônicas e Ideias Criativas (veja mais notícias de Soluções Arquitetônicas e Ideias Criativas)

Papel mineral feito com garrafas PET


Uma dupla de estudantes mexicanos desenvolveu um processo para produzir o que eles chamam de "papel mineral" a partir de garrafas PET usadas.

"Fabricamos papel ecológico com garrafas recicladas de plástico, carbonato de cálcio e areia. Não usamos água e nem produtos químicos, como o cloro," anunciou Ever Adrián Nava, que desenvolveu o processo juntamente com seu colega Érick Zamudio.

Embora já existam empresas que fabriquem papel a partir de fibras de garrafas PET recicladas, a simplicidade da técnica e dos materiais torna o processo dos estudantes mexicanos quatro vezes mais barato.

E o papel de plástico resultante - a dupla também se refere a ele como o nome de "PETapel" - apresenta grande resistência.

"O papel mineral é mais resistente que o normal, não se consegue rasgá-lo com as mãos, é impermeável, além de ter a propriedade de ser fotodegradável e somente absorve a quantidade necessária de tinta durante a impressão," acrescentou Nava.

Árvores e água

Segundo cálculos dos pesquisadores, além de dar destinação às garrafas PET usadas, a técnica pode salvar 20 árvores e 56.000 litros de água a cada tonelada de papel mineral produzido.

São necessários 235 quilogramas de PET moído para produzir 1 t do papel. O PET moído é triturado com calcário e areia para produzir uma massa, que é então fundida a pouco mais de 100ºC. A massa fundida é finalmente laminada para a produção do papel.

Os dois pesquisadores fundaram uma empresa e estão recebendo ajuda da Agência Mexicana de Pesquisa e Desenvolvimento (INVDES) para tentar viabilizar o processo em escala comercial.